O estouro da boiada

Do alto, onde eu estava, podia ver o poeirão. Uns dois quilômetros ao norte, cobrindo tudo: o mato; as árvores; o céu. Aos poucos o barulho foi aumentando, num crescente, um tropel agigantado de mamutes e ginetes que rompiam tudo que encontravam pela frente. Aprumei a égua e me equilibrei no estribo para melhor observar aquela cena singular que às vezes o campo oferece. Um tufão, um pé-de-vento, algo mais forte, natural, não assusta tanto. Mas, o estouro de uma boiada, campeando sem fronteira…

Assim o zuar dos cascos nas pedras, esfarelando a bró, lascas de madeira esturricada pelo sol de abril. Cinzento os campos, pelo abafadiço do estio, um mosquito que zoa se ouve como o tanger do malho. E a zoeira toma conta da estrada, espantando ao longe o socó e a assustada seriema. E o barulho aumenta. E a poeira sobe. Já não se vê a manada, que agora forma um só corpo, o gigantismo da turba desembestada, rola e sulca as veredas e os caminhos, afastando em fração de segundos, os mourões mais resistentes que sustentam as cercas de arame liso, a tanto esforço, fincadas nas pedras

Formam uma barreira de carne e chifres, se locomovendo em formação linear, irracional, buscando um extremo qualquer, que os interrompa.

A égua tenta recuar, um forte puxão na brida e ela se acalma. A turba se aproxima, vem na quebrança, rasgando o couro do lombo, nos espinhos da Jussara; nas laminas afiadas das bromélias, nos espinhos do mandacaru-bravo. O suor mistura-se com sangue, formando uma pasta ocre, por onde pisam centenas de cascos. Reboam as andorinhas, gritam os carcarás e a cruz abandonada do vaqueiro errante, passiva, a tudo assiste.

Passo a mão sobre a crina da égua, ela arrepia, tuge e balança a cauda, pressentindo a boiada. Uma cascavel que finge dormir levanta a cabeça, procura no ar, sacode o chocalho e se afasta para debaixo das pedras. No ponto mais baixo da estrada, onde abarranca o cascalho, outrora rasgado por mãos humanas, testemunha, mais um estouro sem motivo, de uma boiada no sertão.

(ALMEIDA, J. Iram)


| Postado em Espaço do Leitor
Imprimir Imprimir | Enviar Enviar | 2.456 visualizações

Dê seu voto:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Seja o primeiro a votar!)
Loading ... Loading ...


3 Responses to “O estouro da boiada”

  • Roberto Carlos Rodrigues disse:

    Parabéns pelo primoroso texto. Nota-se nos lastros das palavras os aromas de Euclides Neto, Jorge Medauar, Francolino Neto e algumas gotas antigas da seiva amadiana. Continue assim. Seja feliz e tenha paz.

    Roberto

  • José Rezende Mendonça disse:

    Amigo e colega Iram

    Fico feliz com seus textos são todos para lavar a alma…poesia pura…

    Um abraço
    Rezende

Deixe seu comentário

Spam Protection by WP-SpamFree