– SER OU NÃO SER NORDESTINO?
Luiz Ferreira da Silva
– PRESIDENTE OU PRESIDENTA?
Myrson Lima
(Professor e membro da Academia Cearense da Língua Portuguesa)

– PINGUÇOS, APRENDAM!
– RESGATANDO O OVO.
– CORAÇÃO É TERRA QUE NINGUÉM VÊ
Cora Coralina
– SIGNIFICADO DO AMOR
Chico Xavier
– PENSE NISSO!
– A PIADA DA SEMANA

***

SER OU NÃO SER NORDESTINO?
Luiz Ferreira da Silva

De uns tempos prá cá, sobretudo com as Ongs de direitos humanos e outras organizações, fica difícil qualificar certas ações em relação ao rótulo discriminatório, passando a existir uma confusão danada, confundindo-se o gosto pessoal como uma forma de preconceito.
Como os brancos foram sempre os manda chuva e os africanos subdesenvolvidos, criou-se o padrão da beleza loura, que vai do cabelo ao nariz, passando pela cor dos olhos. Se fosse o contrário, o belo seria o cabelo pixaim, o nariz “boi pisou” e os olhos esbugalhados.
Isso vem desde a primeira boneca ganha pela garotinha, cujo perfil é europeu. Só recentemente é que apareceram algumas de cor preta ou parda, mas sem uma aceitação plena. Um exemplo disso: uma americana, pensando que estava abafando, presenteou uma boneca preta a uma criança queniana, ficando pasma com a sua reação que a recusou, pois gostaria da tradicional de olhos azuis e cor rosada.
Então, hoje é muito complicado quando se trata da raça negra, pois tudo passou a ser considerado preconceito, criando-se até vantagens para a raça (cotas, por exemplo), em detrimento dos demais.
Mas vamos deixar isso prá lá e nos concentrarmos na bola do dia – a discriminação contra os nordestinos, após a eleição passada.
Particularmente, nunca gostei de ser chamado de nordestino. Nunca vi um paulista ser chamado de sudestino e nem um gaucho de sulista, valendo o seu Estado de origem.
Por que isso? É que sempre senti que o termo nordestino criado pelos eles não expressava a condição geográfica, mas aquele agrupamento de desvalidos que se aventuravam pelas cidades grandes, na expectativa de ter uma vida melhor que a do seu rincão. Pobres, sem escolaridade, mão-de-obra desqualificada e hábitos primários, para não dizer primitivos. E logicamente com esse perfil só conseguiam empregos na construção civil, nas casas de família e nas empresas, executando duras tarefas, e até sendo explorados em muitos casos.
Dessa forma, quando ouço o termo nordestino me vem a idéia de estar sendo discriminado ou, no mínimo, referenciado àquelas pessoas, mesmo que fossem dignas e contributivas ao desenvolvimento de seu país, eram consideradas como de classe inferior. Coloca-nos no mesmo saco como se não há gente qualificada e tão capaz que, a despeito das dificuldades regionais, pode concorrer com os dos outros Estados, como vem acontecendo.
Agora mesmo, quando se apregoa aos nordestinos a vitória da Dilma e se faz com certa raiva, eu vejo clara a imagem dos nossos irmãos trabalhadores, tão bem cantados e contados pelo Luiz Lua Gonzaga na sua triste partida, de Patativa do Assaré, com um quê de inferioridade a todos os que nasceram no Nordeste.
Talvez não seja essa a intenção, mas me parece existir no subconsciente de muitos paulistas, cariocas, paranaenses, gaúchos e outros essa discriminação velada, como se fora um gene passado de geração para geração, quando deveriam louvar aqueles rudes e sofridos homens que deram o seu suor, com abnegação e muito sacrifício, ao desenvolvimento, sobretudo da capital paulista
(Maceió, Al, 08 de novembro de 2010).

PRESIDENTE OU PRESIDENTA?
Myrson Lima
(Professor e membro da Academia Cearense da Língua Portuguesa)

Dilma Rousseff, petista eleita para a Presidência da República, manifestou que gostaria de ser chamada de presidenta, caso vencesse a eleição no segundo turno. Tratamento idêntico já é dispensado à argentina Cristina Kirchner e parece haver sido essa a forma escolhida pelo presidente Lula para saudar a candidata eleita em recente pronunciamento à Nação.
Por outro lado, circulam emails na Internet condenando tal tratamento. Especialistas e professores são consultados com mais frequência ultimamente para dirimir tal dúvida. Nas páginas do O POVO, o saudoso professor Hélio Melo chegou a publicar elucidativos artigos sobre o assunto. Afinal, como se forma o feminino de presidente?
A norma culta do português registra que os substantivos terminados em “e” são uniformes, isto é, possuem uma única forma para o masculino e para o feminino: o nubente, a nubente; o doente, a doente; o habitante, a habitante; o inocente, a inocente; o amante, a amante. Existem, porém, alguns que são biformes, isto é, apresentam uma forma para o masculino e outra para o feminino: o mestre, a mestra; o elefante, a elefanta (ou elefoa); o monge, a monja; meu parente, minha parenta.
Há um terceiro grupo de substantivos terminados em e que tanto podem ser uniformes ou biformes: o governante, a governante, a governanta; o alfaiate, a alfaiate, a alfaiata; o gigante, a gigante, a giganta; o infante, a infante, a infanta; o hóspede, a hóspede, a hóspeda. Nesse último grupo, é que se encontra o feminino de presidente. Pode-se dizer, indiferentemente, o presidente, a presidente, a presidenta.
Encontram-se também substantivos terminados em e que apresentam formas irregulares na formação do feminino: o abade, a abadessa; o alcaide, a alcaidessa; o conde, a condessa; o duque, a duquesa; o padre, a madre; o frade, a freira; o sacerdote, a sacerdotisa, o confrade, a confreira.
No que diz respeito ao gênero das profissões, existe uma grande resistência para se usar a variação feminina. Talvez seja o forte machismo ainda predominante em nossa cultura, responsável por tal rejeição.
Quando Ivete Vargas, filha de Getúlio Vargas, foi eleita para o exercício do mandato na Câmara Federal, registrou-se forte oscilação na imprensa da época para chamá-la de deputada. Afirmava-se que o nome não era agradável ao ouvido. Hoje, os femininos são mais frequentes. Já não mais estranham as formas senadora, governadora, prefeita, embaixadora (embaixatriz é a esposa do embaixador), vereadora.
Na hierarquia militar, não há razão para não se usarem os seguintes femininos: o soldado, a soldada, o coronel, a coronela; o general, a generala; o capitão, a capitã; o oficial, a oficiala; o sargento, a sargenta; o sargentão, a sargentona.
Observem-se, porém, os seguintes substantivos, referentes a patentes militares, que são uniformes: o cabo José Maria; o cabo Maria José; o major Mário, a major Maria; o tenente Lúcio, a tenente Lúcia

PINGUÇOS, APRENDAM!

Você vai ao bar e bebe uma cerveja.
Bebe a segunda cerveja…
A terceira, e assim por diante.
O teu estômago manda uma mensagem pro teu cérebro dizendo;
– Caracas véio… O cara tá bebendo muito liquido, tô cheião!!!
Teu estômago e teu cérebro não distinguem que tipo de líquido está sendo ingerido, ele sabe apenas que “é líquido”.
Quando o cérebro recebe essa mensagem ele diz:
– Caracas, o cara tá maluco!!!
E manda a seguinte mensagem para os rins:
– Meu, filtra o máximo de sangue que tu puder. O cara aí tá maluco e tá bebendo muito líquido. Vamos botar isso tudo pra fora.
E o rim começa a fazer até hora-extra, filtrando muito sangue e enchendo rápido.
Daí vem a primeira corrida ao banheiro.
Se você notar, esse primeiro xixi é com a cor normal, meio amarelado, porque além de água, vêm as impurezas do sangue.
O rim aliviou a vida do estômago, mas você continua bebendo, e o estômago manda outra mensagem, agora para o cérebro:
– Cara, ele não para. Socorro!!!
E o cérebro manda outra mensagem pro rim:
– Véio, estica a baladeira, manda ver aí na filtragem!!!
O rim filtra feito um louco, só que agora, o que ele expulsa não é o álcool, ele manda pra bexiga apenas… água (o líquido mais precioso do corpo).
Por isso que as mijadas seguintes são transparentes, porque é água.
E quanto mais você continua bebendo, mas o organismo joga água pra fora, e o teor de álcool no organismo aumenta, deixando você mais “bunitim”.
Chega uma hora que você tá com o teor alcoólico tão alto que teu cérebro te “desliga”.
Essa é a hora que você desmaia… dorme… capota… resumindo: essa é a hora que o “teu” não tem dono!!!
Ele faz isso porque pensa:
– Meu, o cara tá afim de se matar. Tá bebendo veneno pro corpo. Vou apagar esse doido pra ver se assim ele para de beber e a gente tenta expulsar esse álcool do corpo dele…
Enquanto você está lá, apagado (sem dono), o cérebro dá a seguinte ordem pro sangue:
– Bicho, apaguei o cara. Agora a gente tem que tirar esse veneno do corpo dele. O plano é o seguinte: como a gente está com o nível de água muito baixo, passa em todos os órgãos e tira a água deles, e assim a gente consegue jogar esse veneno fora.
O sangue é como se fosse o Office-Boy do corpo.
E como um bom Office-Boy, ele obedece às ordens direitinho, e por isso começa a retirar água de todos os órgãos.
Como o cérebro é constituído de 75% de água, ele mesmo é o que mais sofre com essa “ordem”, e daí veem as terríveis dores de cabeça da ressaca.
Então…
Eu sei que na hora a gente nem pensa nisso, mas quando forem beber, bebam de meia em meia hora um copo d’água, porque à medida que você mija, já repõe a água perdida.
(Texto retirado do “O bar do Zé”; enviada por Jairo Cunha)

RESGATANDO O OVO.

Se você só come a clara do ovo, pode esquecer esse hábito. O ovo inteiro é um dos mais consistentes alimentos com que podemos contar para tornar nossa dieta mais saudável. Décadas atrás, alguém decidiu que o colesterol dos ovos, encontrado principalmente em sua gema, contribuía para o desenvolvimento de uma série doenças cardíacas e para o aumento da obesidade. Essa pessoa errou feio.
O pior disso tudo é que os desavisados engoliram a lorota e passaram a evitar esse alimento. Quem está perdendo com isso é a saúde desses indivíduos. A gordura de ovos, ao contrário do que ainda dizem por aí, é do tipo bom, e previne uma série de complicações em todo o organismo.
“O ovo é uma boa fonte de colina, que protege o sistema cardiovascular de ataques cardíacos, coágulos sanguíneos, derrame.”O ovo é a melhor fonte de luteína e zeaxantina que existe. Esses nutrientes são essenciais para a manutenção da saúde dos olhos e servem também para facilitar o tratamento de doenças nesses órgãos. Na verdade, muitos estudos atuais têm mostrado que consumir um ovo por dia pode ajudar a prevenir a degeneração macular e diminuir o risco de desenvolver catarata. O ovo é também uma boa fonte de colina, que protege o sistema cardiovascular de ataques cardíacos, coágulos sanguíneos, derrame.
Mesmo que o ovo seja um bem feitor ao organismo, é preciso cuidado na hora de prepará-lo antes da refeição. Evite comer ovos fritos, pois a gordura em que eles são feitos pode trazer alguns malefícios ao organismo, como o aumento de colesterol.. As melhores opções são os ovos quentes, cozidos e em gemada. Com esses métodos de preparo, os ingredientes que fazem bem do ovo continuam intactos, enquanto o acréscimo de gordura de outras fontes não ocorre.
Saiba Mais. Dieta contra o colesterol. Mitos e verdades
Laranja combate colesterol. Ao comprar os ovos, vale à pena gastar um pouco mais e escolher os orgânicos ou ovos de galinhas criadas soltas, e não daquelas que ficam confinadas. Essas opções têm melhor qualidade e também mais confiáveis. Normalmente o ovo orgânico possui a gema mais consistente e terá de uma cor laranja brilhante.
Os ovos de galinhas confinadas podem sair mais barato, mas quase sempre apresentam baixa qualidade, com gema amarelo-pálida, mais frágil, que se quebra facilmente. A verdade é que você ingere o que você compra, e vale à pena gastar um pouco mais para ter mais saúde. Fica a dica. (Super Saúde ; enviada por J. Rezende)

CORAÇÃO É TERRA QUE NINGUÉM VÊ
Cora Coralina

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Sachei, mondei – nada colhi.
Nasceram espinhos
e nos espinhos me feri.

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Cavei, plantei.
Na terra ingrata
nada criei.

Semeador da Parábola…
Lancei a boa semente
a gestos largos…
Aves do céu levaram.
Espinhos do chão cobriram.
O resto se perdeu
na terra dura
da ingratidão

Coração é terra que ninguém vê
– diz o ditado.
Plantei, reguei, nada deu, não.
Terra de lagedo, de pedregulho,
– teu coração. Bati na porta de um coração.
Bati. Bati. Nada escutei.
Casa vazia. Porta fechada,
foi que encontrei…

SIGNIFICADO DO AMOR
Chico Xavier

Vida – É o amor existencial.
Razão -É o amor que pondera.
Estudo – É o amor que analisa.
Ciência – É o amor que investiga.
Filosofia – É o amor que pensa.
Religião – É o amor que busca a Deus.
Verdade – É o amor que eterniza.
Ideal – É o amor que se eleva.
Fé – É o amor que transcende.
Esperança – É o amor que sonha.
Caridade – É o amor que auxilia.
Fraternidade – É o amor que se expande.
Sacrifício – É o amor que se esforça.
Renúncia – É o amor que depura.
Simpatia – É o amor que sorri.
Trabalho – É o amor que constrói.
Indiferença – É o amor que se esconde.
Desespero – É o amor que se desgoverna.
Paixão – É o amor que se desequilibra.
Ciúme – É o amor que se desvaira.
Orgulho – É o amor que enlouquece.
Sensualismo – É o amor que se envenena.
Finalmente, o ódio, que julgas ser a antítese do amor, não é senão o próprio amor que adoeceu gravemente

PENSE NISSO!

Um ocidental em visita à China ficou surpreso de ver a quantidade de velhos saudáveis, e, curioso sobre os aspectos da milenar medicina chinesa, indagou de um experiente médico qual o segredo para se viver mais e melhor.
Ouviu do mesmo a sábia resposta:”- É muito simples. É só:
Comer a metade.
Andar o dobro.
E rir o triplo.”
Parece simples, mas em verdade é o inverso do que se assiste na vida agitada e insana dos “civilizados” ocidentais.
(Enviada por Odoaldo Passos)

A PIADA DA SEMANA

Era uma vez um homem que tinha passado toda a sua vida trabalhando e que juntara todos os centavos que ganhava. Ele era realmente muito mão-de-vaca. Antes de morrer, disse à mulher:
– Ouve-me bem! Quando eu morrer, quero que pegues todo o meu dinheiro e o coloques no caixão junto comigo. Não vou deixar nada para ninguém…
Eu quero levar todo o meu dinheiro para a minha próxima encarnação. Quero nascer milionário, pois nesta vida só vim pra trabalhar como uma besta.
Dito isto, obrigou a mulher a jurar que, quando ele morresse, ela colocaria todo o seu dinheiro dentro do caixão junto dele.
Um dia o homem morre. Foi colocado dentro do caixão, enquanto a mulher se mantinha sentada a seu lado, toda de preto, acompanhada pelos amigos mais chegados.
Quando terminaram a cerimônia, e antes de o padre se preparar para fechar o caixão, a mulher disse:
– Só um minuto! Vou lhe fazer a última vontade, disse em lágrimas copiosas.
Tinha uma caixa de sapatos com ela.
Aproximou-se e colocou-a dentro do caixão, juntamente com o corpo. E assim se despediu do adorado marido.
Um amigo íntimo, sabedor da última vontade disse-lhe:
– Espero que não tenha sido doida o suficiente para colocar todo aquele dinheiro dentro do caixão! Ela respondeu:
– Claro que sim. Eu prometi-lhe que colocaria aquele dinheiro junto dele e foi exatamente o que fiz.- Estás me dizendo que puseste todos os centavos que ele tinha dentro do caixão com ele?
– Claro que sim! – respondeu a mulher.
– Juntei todo o seu dinheiro, depositei-o na minha conta e passei-lhe um cheque.
E NÃO SE ESQUEÇAM DE COLOCAR O CHEQUE DEVIDAMENTE NOMINAL E CRUZADO.