PROF.  LIMA

Vingança, vingança é uma das palavras mais frequentes na mídia hoje. E, entretanto,ela denota um  dos comportamentos mais frontalmente opostos ao ensinamentos do Divino Mestre.

É verdade que existem defensores de tão diabólico comportamento, como se o perdão fosse uma covardia, o cômodo refúgio dos fracos. Entretanto,  há tantos casos que provam justamente o contrário, são a demonstração de uma força interior digna dos mais vibrantes elogios. Veja, por exemplo, o esplêndido episódio de perdão fornecido por Davi, como lemos em I Sam 26,6-24.O rei Saul, com um exército de 3.000 homens, andava à procura Davi para matá-lo.Certa noite,enquanto o general de Saul e seus guerreiros dormiam, Davi com seu escudeiro Abisaí entrou no acampamento de Saul.Chegou  mesmo à tenda de rei e este também dormia. Então Abisaí disse a Davi que Deus estava entregando o rei a Davi. Era  hora de uma boa vingança, e Abisaí só não atravessou o rei com a lança porque Davi não deixou, declarando que não havia de matar o ungido do Senhor. Eles pegaram apenas a lança e a taça do rei e saíram com elas sem serem percebidos. Já fora do acampamento, Davi subiu num pequeno monte e mostrando a lança e a taça do rei, perguntou ao general deste porque não cuidava melhor do seu rei. Saul reconheceu a voz de Davi, pediu perdão  diante de tamanha magnanimidade  e o chamou para  perto de si. Davi, porém, sabendo com quem estava tratando, caiu fora.

Vale a pena antes de escutarmos o Mestre, apreciar os dizeres de autores de peso, mostrando assim como os dados da razão combinam  perfeitamente com os divinos ensinamentos.

“A vingança é uma espécie de justiça selvagem” (Francis Bacon)

A vingança é um prazer que dura apenas um dia; a generosidade, um sentimento que pode trazer felicidade para sempre.
( Friedrich Ruckert )

“Vinga-se um ato vil, cometendo outro.”(Petrus Borel).

“A vingança é sempre fruto da fraqueza de um espírito incapaz de suportar as injúrias”.(François de La Rochefoucauld)

“O melhor modo de vingar-se de uma injúria é não se assemelhar a quem a praticou.” (Marco Aurélio)

“O perdão é a vingança da sabedoria.”( Christian Wernicke)

Justamente do mesmo teor são,  em nível de maior perfeição, os ensinamentos do Divino Mestre.Nada de olho por olho dente por dente, ou como se lê belamente no original grego  de Mateus: Ophtalmón antí ophtalmú kai odonta antí odóntos.” (Mt 5, 38). A oração  do Pai Nosso é uma sentença de vida ou de morte para quem a reza, porque o orante pede ao Pai do Céu que lhe perdoe as ofensas assim como ele, orante, perdoa aos que lhe tenham ofendido. Quer dizer que se reza sem perdoar, de nada lhe adianta, porque termina a magnífica prece, com os pecados não perdoados, como estavam antes de terminar. E Jesus bate na tecla: Porque se você não perdoar aos seus ofensores, nem tão pouco o Pai perdoará a você.(Mt 6,9-15)Perdoar,  não perdoar;vingar-se, não se vingar: questão de vida ou de morte; de união ou separação no tocante ao Pai do Céu. Vamos  concluir com uma historinha bonita sobre duas mulheres que se odiavam visceralmente? Para maior efeito e fixação, chamemos uma de Cocota e a outra de Coquita.Certo dia, Coquita recebe um presente:uma bandeja coberta com uma toalha.Quando ela descobre, a bandeja  estava cheia de estrume.Ela entendeu logo que só podia ter vindo da Cocota.Passam-se os dias e  Cocota recebe uma bandeja coberta com uma toalha e, com a quase certeza de se tratar de uma VINGANÇA de Coquita, descobre e vê a bandeja cheia de lindas flores, com um bilhete: Fruto do esterco que você me mandou. É que a Conquita se convertera e tinha aprendido de Jesus a tirar vinganças assim!