O Sindicato dos trabalhadores dos Correios e Telégrafos na Bahia (Sincotelba) rejeitou – em assembleia realizada na tarde de hoje (05) – o acordo firmado ontem (04) entre a Federação Nacional dos Trabalhadores de Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect) e a direção da estatal, na audiência de conciliação do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Em razão da decisão, a greve da classe (que já dura 22 dias), prosseguirá e deve ser julgada na próxima segunda-feira (10).

Além da Bahia, outros 13 estados (mais o Distrito Federal) rejeitaram o acordo. Segundo o secretário-geral da Fentect, José Rivaldo da Silva, pelo menos 18 dos 35 sindicatos da categoria se posicionaram contra o acordo, que previa aumento real de R$ 80 a partir de outubro e aumento linear de salários e benefícios de 6,87%.

A proposta acordada também previa a devolução do valor correspondente aos seis dias de greve que já foram descontados dos trabalhadores em folha de pagamento suplementar. Esses dias seriam descontados posteriormente, na proporção de meio dia de trabalho por mês. Os outros dias de greve seriam pagos e, posteriormente, compensados pelos trabalhadores que fariam horas extras nos fins de semana e feriados.

Ainda de acordo com a Fentect, já existe no TST jurisprudência desfavorável à categoria em relação ao pagamento dos dias parados e às cláusulas econômicas. Por isso, pediu que a categoria aprovasse o acordo.


No TRIBUNA DA BAHIA