Programa da Bahia Mineração terá centros de formação em Sambaituba, Iguape e no Centro Integrado de Educação Profissional, no Malhado

 Mais 240 trabalhadores de Ilhéus, no sul da Bahia, deram um passo importante para conquistar melhores oportunidades na vida profissional. Nesta segunda-feira (22), jovens e adultos se reuniram no antigo Colégio Estadual do Malhado – hoje Centro Integrado Estadual de Educação Profissional (Cieep) – para a aula inaugural do programa de qualificação Mina de Talentos, uma iniciativa da empresa Bahia Mineração (Bamin), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

O Mina de Talentos já treinou 654 pessoas nas regiões de Ilhéus e Caetité (sudoeste da Bahia), em áreas como auxiliar civil, técnicas administrativas, carpintaria e marcenaria industrial. Nesta nova etapa em Ilhéus, as vagas são para carpintaria e auxiliar civil, contemplando comunidades da zona norte do município, a exemplo de Aritaguá, Sambaituba, Vila Olímpio, São José, Itariri e Ribeira das Pedras. Para facilitar o acesso dos trabalhadores, a capacitação passou a ser oferecida em três centros de formação: Cieep; C5, no Iguape; e na Escola Municipal de Sambaituba. Os alunos que necessitam de transporte público para chegar até os centros recebem um auxílio do programa para esta finalidade.

As parcerias firmadas pela Bamin para realizar o Mina de Talentos foram destacadas durante a aula pelo coordenador de Recursos Humanos da empresa, Miguel Argolo. “Temos dois parceiros muito importantes, o Senai, que é uma referência nacional em formação profissional, e o Sine (Sistema Nacional de Emprego), a maior rede de intermediação de empregos no País”, destacou Argolo.

Ao término dos cursos, todos os trabalhadores capacitados passam a integrar o banco de dados do Sine. Alguns deles já experimentaram a realização de conquistar um emprego, depois de passar pelo Mina de Talentos e obter a certificação do Senai. Esse é o caso de Alan Silva de Oliveira, que fez o curso de auxiliar civil. “Antes de ter o certificado, eu estava com dificuldade de conseguir trabalho, mas assim que eu saí, as portas se abriram”, conta Alan. Segundo ele, uma construtora que antes havia recusado seu serviço o admitiu após a qualificação. “O certificado do Senai me valeu muito e a empresa ainda aceitou custear meu transporte”, afirma o trabalhador, que mora no distrito de Sambaituba, a 12 quilômetros do centro de Ilhéus.

SOLICITAÇÃO DAS COMUNIDADES – Segundo o diretor de Logística da Bamin, Aildo Fonseca, a decisão de levar o Mina de Talentos para mais perto das comunidades resulta de “uma solicitação unânime dos moradores dos distritos e povoados de Ilhéus”. Fonseca lembra que o programa está apenas na segunda etapa “e será intensificado, de modo a atender da melhor forma possível as comunidades”. No evento, houve a apresentação de um vídeo sobre o Projeto Pedra de Ferro, da Bamin, e de uma animação que simula a operação no Terminal Marítimo de Uso Privativo (TUP) que a empresa pretende construir no Porto Sul.

A aula inaugural teve a presença de representantes da Prefeitura e da Câmara de Vereadores de Ilhéus, Secretaria da Educação do Estado, Senai e Sine. Para  o vice-prefeito Mário Alexandre Sousa, a capacitação profissional é uma ação necessária para o município, “que precisa investir na geração de emprego e renda”. Ednei Mendonça, gestor da Diretoria Regional de Educação em Ilhéus (Direc 6), comentou que o ensino profissionalizante também é uma prioridade para o Governo da Bahia, “que está apostando muito em nossa região”.

O Mina de Talentos é considerado pelo Senai como o maior programa de qualificação realizado pela iniciativa privada na Bahia na última década. Ao longo de três anos, o programa capacitará 6,5 mil trabalhadores e a intenção é priorizar essa mão de obra nos contratos para as fases de construção e operação da mina da Bamin em Caetité e do TUP em Ilhéus.