JAYRO SEIXAS (Jayrão).

Estamos no mês de festejos que relembra a chegada do Menino Jesus, que ao longo dos séculos se tornou a maior referência entre os homens, e que veio com a missão de dar a sua vida para a remissão dos pecados do mundo, e assim aconteceu com a benção do Grande Arquiteto do Universo.

Neste Natal vou passar sem a presença de um grande amigo/irmão – JAYRO SEIXAS (Jayrão).

Não me canso de contar os casos e causos desse querido amigo.

No início do mês de dezembro começava sua preocupação com os presentes dos inúmeros afilhados, dos funcionários do posto, das creches, dos amigos e ele dava conta de tudo, tendo o carro como seu auxiliar direto nesta peregrinação.

Outra preocupação era com a noite de Natal, quando o seu sogro ainda em vida, Jorge Melhor Assis, era o aniversariante do dia.

A festa acontecia sempre em sua casa e ele fazia de tudo para lotar a casa com toda a sua família, da sua parte, como da parte de sua esposa Ana Lúcia.

Achava pouco o tamanho da família e convidava os amigos para também compartilhar da sua alegria, JAYRÃO tinha uma enorme admiração pelo seu sogro Jorge Melhor Assis.

O Natal era um dos muitos momentos que JAYRÃO gostava para reunir a sua família, a família que ele protegia como uma ave que cuida de seus filhotes, todos juntos ao seu redor.

Um dos fatos pitorescos dessa festa era a presença do grande Raimundo Bonitinho (in-memória).

Raimundo Bonitinho já chegava à igreja para a missa festiva comendo água, impecavelmente vestido de branco e com o tradicional presente para seu amigo Jorge Melhor, uma caixa de cerveja (garrafa), que ele trazia na sua velha Brasília.

O Raimundo era realmente uma figura folclórica da nossa cidade.

JAYRÃO vou esperar o meu presente, o manjado queijo de cuia, que você nunca se esquecia de levar lá em casa e eu na melhor gozação dizia que era propina.

Onde você estiver faça orações para seu amigo/irmão Ademar Du Bolo, que neste Natal estará de molho por causa de um piripaque, mas que também estará esperando o seu queijo de cuia.

É isso aí meu amigo! Decorridos cinco meses de sua partida para a casa do Pai, a saudade continua e acredito que vai perdurar para sempre, a sua missão aqui no nosso meio foi marcada intensamente que é impossível não sentir a sua falta.

Feliz Natal meu amigo JAYRÃO, faça a sua festa aí ao lado do Todo Poderoso, que tudo pode e nos fortalece.

 

ZÉCARLOS JUNIOR