Este é o meu primeiro texto após a virada do ano. Pensei em escrever algo interessante e otimista, afinal, o pessimismo não ajuda em nada e ainda prejudica. É impressionante como muitas pessoas não se dão conta disso, e seguem pela vida afora reclamando de tudo e de todos. Fazem-me lembrar aquele personagem dos desenhos animados que andava com uma nuvem de chuva na cabeça, dizendo: oh céus, oh vida, oh azar! E, obviamente, sempre chovia na cabeça dele, ainda que estivesse um dia maravilhoso ao seu redor. Isso dá uma boa dica acerca de que costumamos fazer acontecer o que inconscientemente buscamos e acreditamos. Sem dúvida é the secret (o segredo) em ação.

Cientes disso vamos imaginar e desejar coisas boas ao invés de coisas ruins. O início do ano é propício para exercitarmos visualizações e desejos positivos, realizando uma espécie de programação favorável para os meses seguintes. Muita gente já está com a mente impregnada por negatividade em relação a 2012. Alguns esperam até mesmo o fim dos tempos. Honestamente, não acho que o mundo vá acabar justo agora que estamos em processo de depuração, afinal, hora ou outra o mal tinha de dar as caras para poder ser combatido.

O que tem deixado muita gente de cabelo em pé e acreditando no fim é a divulgação da maldade, que antes também existia, mas ficava escondida. A gente não sabia de nada, mas acontecia. Éramos todos “cabeças de repolho”, como diria Rubem Alves. A coisa estava lá, mas a gente não percebia, não enxergava.

Com o advento da globalização e os meios de informação cada vez mais ágeis e rápidos, ficamos sabendo muita coisa do que acontece no Brasil e no mundo. Tomamos conhecimento da evolução nas artes e na música, assim como das derrocadas de sistemas político-econômicos, morte de ditadores; fome e miséria espalhadas pelo globo terrestre. Oh, meu Deus, o mundo vai de mal a pior… Que nada! O mundo sempre foi mundo, só que agora estamos vendo o que a gente não via. Sinal de que as coisas melhoraram.

Melhoraram sim, pois hoje vemos a face do inimigo que antes estava oculto. É difícil lutar contra o quê e quem não se vê; mas, vendo, podemos traçar estratégias de combate e nos conscientizar acerca da necessidade de mudança.

Percebem como as coisas estão ficando claras? Querem melhor notícia para iniciar 2012? Certamente, o ano vai ser ótimo! E quem foi que disse que limpar feridas não dói? Dói sim, mas depois dá um alívio… Bem-vindos a 2012! Sinceramente, desejo a todos um bom início de ano.


Maria Regina Canhos Vicentin (e.mail: [email protected]) é escritora.

Acesse e divulgue o site da autora: www.mariaregina.com.br.