Agradeço a Deus por tudo àquilo que está na minha vida, até neste momento, incluindo as dores. A nossa compreensão sobre o universo de Deus ainda é muito pequena para julgarmos o que quer que seja da nossa essência humana.

A família é a instituição mais antiga da terra e sempre sofreu atribulações e dores irreparáveis. Nos dias de hoje é difícil manter a unidade sem os problemas causados pelas vicissitudes da vida, da modernidade, da vaidade e dos níveis de stress que ela nos proporciona, mesmo assim, devemos procurar buscar um meio para a melhor compreensão uns dos outros.

Fazendo parte da grande família, indiretamente vêm os amigos, os meus e os de meus irmãos, os de nossa infância e seus pais – amigos dos nossos pais, os que conquistamos no trabalho, na igreja, no lazer, na vizinhança, bem como as pessoas anônimas que no dia a dia nos acenam com um ato de solidariedade e compaixão nos momentos críticos de nossa jornada na terra.

Julieta Nascimento de Oliveira (Dona Julia)

São estes que, nesse momento de luto, venho agradecer o apoio, as orações, as flores, as palavras de conforto, o abraço sincero e as condolências pela perda de nossa mãe Julieta Nascimento de Oliveira (Dona Julia), nesse inicio desse ano novo. 16/11/1939 – 03/01/2012.

Mulher bela e simples teve uma infância difícil, mas ela superou e cumpriu muito bem seu papel de mãe. Com muita dificuldade viveu, nos teve e nos criou com muito sacrifício, nos ensinando valores que levaremos pro resto de nossas vidas, como: Fé, honestidade, bondade, humildade e respeito ao próximo. Tamanha dedicação a nós, seus filhos, foi extensiva a mais pessoas humildes ou não, que buscavam ajuda e nunca lhes foi dado não como resposta.

Os seus últimos anos foram marcados pelo sofrimento causado por enfermidades e intempéries da vida, porém, apesar das dores, fora fiel a Deus e jamais o questionou. Com tamanha resignação, nunca desistiu de viver nem tão pouco deixou de lutar pela vida.

Religiosa, ela sempre nos ensinou que o sofrimento e a dor são um fator circunstancial na vida das pessoas. Sendo assim, Deus jamais nos dá o sofrimento. Porém, caso a pessoa venha sofrer por alguma razão, e com isto sustentar os propósitos divinos, mantendo a fé em Cristo, para aqueles que conhecem a Deus, tudo será libertação, pela vida ou pela morte, e sua alma e espírito serão purificados na dor e alcançarão a Glória.

Devemos evitar o mal, praticando o bem ao próximo, porque todos os nossos atos são calculados, medidos e pesados aos olhos de Deus, que tudo Vê e nada passará despercebido durante a nossa existência.

Mainha descanse em PAZ.

Paulo de Oliveira