Numa instituição milenar o ato dos três toques é a identificação ou a apresentação de seus membros, fato reconhecido por todos mesmo aqueles que não fazem parte do ofício.
Na nossa comunidade temos vários pontos de encontros de amigos e também de bebedores de cerveja e afins, quando todos se encontram para jogar conversa fora, algumas farpas da vida alheia, alguns se afrontam em se gabar (mentira) das proezas sexuais, outros infelizmente não podem mais exercitar este prazer, mais o papo em si rola em todas as oportunidades, é o principal tira gosto da cerveja.
Tem um grupo pitoresco denominado RM que cresce a cada dia e as letras designativas já dizem tudo, não há necessidade de decifrá-las.
As inúmeras feijoadas têm nomes sugestivos, tipo 20 Comer, e que estão virando tradição, enquanto o médico não identifica algum problema, o couro come e a turma chega junto no gostoso prato.
Nos carnavais aparecem inúmeros blocos e todos formados por amigos e convidados, exceção para o Bloco dos Caretas, que o seu presidente leva o assunto a ponta de espada e é exigente na escolha dos seus componentes, mas não fogem da regra, bebem muito e muitos não conseguem sequer sair do local da concentração.

Tem até um baba na antiga Av. Soares Lopes, cujo presidente é tão linha dura, que meu amigo Everaldo Aragão, um dos grandes mecânicos da cidade, foi afastado do convívio das areias por ordem e graça do presidente da agremiação.
Tem outra turma de um bar denominado Zequito, cujo proprietário já foi ministro da educação, que consegue manter o ritmo e sempre está atualizado, principalmente nos tipos de iguarias comestíveis.
Voltando ao título desta nota, tem um grupo que bate ponto no Bar do Leleco, cujo proprietário foi uma figura lendária do Pontal, do qual também faço parte com muito prazer, e que resolveu adotar uma saudação com três toques, que significam a presença ou passagem de uma bela mulher.
Cada vez que aparece ou passa uma mulher bonita todos os presentes dão três toques na mesa e alguns arriscam até um comentário gracioso.
Quem está por perto e não sabe do que se passa, é enganado duplamente, pois às vezes sua companhia está sendo admirada.
Realmente é uma maneira diferente de observar uma mulher bonita, sem desrespeitá-la ou mesmo dirigir um gracejo, é tudo feito em silêncio e apenas exercendo o direito de dar três toques na mesa, pois em assim fazendo já está dizendo tudo e declarando seu prazer em apreciar uma bela fêmea.
Também quando passa alguma coisa menos interessante, os apreciadores não emitem nenhum toque ou mesmo comentário, são exigentes, gostam de coisas belas e arriscam a lembrar da célebre frase do poetinha Vinicius “as feias que me desculpem, mas a beleza é fundamental”.
Uma miniremara com uma tise vistosa é o alerta xufi para a turma.
Os conhecedores de nomes árabes podem traduzir a frase acima.
ZÉCARLOS JUNIOR