Tenho recebido inúmeras mensagens e uma chamou a minha atenção pelo grau de agressão ao pudor e ao respeito com a população brasileira. E não sei se esse povo a que me refiro, já parou para pensar sobre esse grande atentado imoral que se instalou no Brasil com onome de Big Brother Brasil!
Li um depoimento da atriz Bete Faria, muito sensato, declarando: “eu acho um desserviço à população esse BBB”. “Mas entendo porque o povo gosta: porque foi mal educado, teve escola fraca, e pouca cultura”.
Comenta-se sempre que a cúpula televisiva quando está para começar uma reunião de trabalho para tratar dos detalhes da programação, o encontro é iniciado com a seguinte frase: “Está na hora de embarrar. E repetem: Está na hora de tornar os outros burros”. Se isso é praticado ou não essas pessoas precisam ser fiscalizadas e punidas. Aliás, em nosso país o povo não participa das importantes decisões, e quando menos esperam, recebem inoportunos presentes de gregos, como diz o ditado popular. E as coisas deveriam surgir dentro da nossa sociedade por livre escolha, mas que fosse analisado minuciosamente em primeiro plano quais os benefícios positivos. Esse BBB de benefícios não representa simplesmente nada, além de financiar programas de TV, em troca oferece imoralidade.


Realmente essa e outras programações televisivas trazem apenas rendimentos financeiros para seus promotores, pois o faturamento da última edição do BBB, segundo noticias veiculada em todo o nosso país, foi de que rendeu 500 milhões de reais. E o comentário é que estão fazendo da disseminação da burrice e da anti-cidadania um lucrativo negócio. O brasileiro é bonzinho e pacato, e no Brasil a população está aceitando a cobrança de 500 milhões de reais para distrair uma Nação inteira durante três meses, somente com assuntos deprimentes e devassos com ações predeterminadas contra o pudor das famílias que gostaria de assistir coisas sérias na televisão.
Ironicamente, passam as informações dizendo: “para eliminar tal fulano, ligue tal número. Novamente para eliminar fulaninho, ligue número tal! E falam mais: Está esperando o que para ligar?”. As empresas de telefones fixos e celulares agradecem, e as pessoas cegas sobrecarregam suas contas telefônicas e não observam que não está indo a nenhum programa sério.
Buscando informações sobre esse agressivoatentado contra essa liberdade da impressa televisiva, que entra durante três meses nas residências dos brasileiros, encontramos a informação de que a TV aberta, no Código de Telecomunicação permite um limite de 25% da grade de programação para veiculação de publicidade. Daí, tomamos conhecimento através de conversas de amigos com pleno conhecimento no assunto, que os marqueteiros televisivos deram um jeito de driblar a lei, buscando ações de merchandising que tornaram as ações do Big Brother Brasil um grande meio de exposição com seus participantes, os quais prestam serviços de garotos-propaganda. Isso é mais uma vergonha implantada em nosso país das maravilhas, como se não bastassem os inúmeros escândalos de tantas fraudes e corrupções, e seus promotores estão por ai plenamente solto pelas ruas e sem punições.
Um amigo e vizinho a minha casa, quando comentava esses inusitados e tristes acontecimentos, exclamou: “Misericórdia meu Deus!” Ninguém busca conhecer quem financia essa baixaria contra a cidadania brasileira. E nosso saudoso Betinho deixou escrito: “só a participação cidadã é capaz de mudar esse país”. Um país é grande e forte quando seus governantes respeitam seus cidadãos e oferece programas que tragam benefícios morais com bons exemplos a serem seguidos e repassados para a família, composta de filhos, netos, parentes e amigos que forma uma comunidade.
JUIZO MEU POVO – VOTE CERTO E NUNCA PERCAM DE VISTA OS ALGOZES QUE QUEREM A DESTRUIÇÃO DA ÉTICA E MORALIDADE NO BRASIL.

Eduardo Afonso.