Há quanto tempo existem a necessidade de uma disciplina social e humana no mundo em que vivemos? Desapareceu o livre arbítrio de ir e vir das pessoas dentro de todas as cidades e capitais, compostas de comunidades e associações de classe que precisam de proteção do Estado? Simplesmente administrar afirmando que dias melhores virão e não demonstrando transparências em suas atitudes, e, não punindo os reais promotores das desordens destruidoras da pujança da moral de forma geral, sem apadrinhamento, seria a solução da organização social e humana de um País? O que afinal significa a honra que deve existir de forma universal para todos no Brasil, pagar tantos altos impostos e declarar impostos de rendas, por onde andam os sonegadores? Precisamos manifestar energicamente a criação do desaparecimento daquilo que nos deprimem: “o uso da máquina do poder com a visível destruição da classe trabalhadora, chocados com as desigualdades desses estados coisas, alertando para os modelos que farão bem a todos nós”! Será que os nossos governantes sabem dessas nossas necessidades básicas?

O povo brasileiro tem as necessidades básicas de exercitar sua caminhada, em busca da sua melhor educação para viver de forma mais ou menos num padrão, que o faça estar sempre em conexão com todas as culturas do seu país e do mundo. Para isso tem que possui paz e saúde mantendo-o firme de forma salutar, com a mente perfeitamente em condições de poder oferecer suas reais qualidades, com a predominância de trazer a força da sua capacidade de conduzir uma sociedade cheiacoisas importantes, e dando sua parte e seu exemplo de vida.
O que vemos atualmente é maus exemplos, falsas apresentações com modelos atípicos de indivíduos ditos defensores dos bons costumes, e assim, muitas pessoas estão se afastando em decorrência dessa fúnebre aparência, onde o Estado está desfalecendo nas mãos dos insensatos e destruidores da confiança e da paz. E um “PAÍS” sem a confiança dos seus filhos, pouca vontade de buscar o seu desenvolvimento e seu futuro não faz bem a ninguém!
O “ponto-de-vista” filosófico do Universo atual encontra-se passando por uma fase bastante obscura. Os problemas estampados à nossa frente que afligem o homem levam-nos ao embrutecimento de suas qualidades de sentimentos patrióticos, de consciência e responsabilidades perante seus próprios problemas. Tem muita gente cheia de confusões nas suas trajetórias de vida, e de que forma poderá oferecer ao outro o que não pode fazer por ele mesmo? É uma questão de consciência, e muitos perderam a visão, estão dentro de si cegos, alienados, conspirando contraa sua própria imagem de ser humano.Não param para imaginar que estão correndo contra o seu tempo de servir em harmonia, e esquecem seu descanso atribuído ao seu dever cumprido!

Os homens públicos estão dizendo e evocando frases criadas em vésperas de eleições, sustentando as suas ideias como se fossem firmes para proteger o seu país, ou buscam seus interesses? Vale a pena eles próprios tirarem as máscaras e mostrar sua real face, afinal todos têm cara ou faces, têm olhar, e como são educados e sorridentes, pedimos que destruam esses sorrisos glaciais e opacos com jeito desdém, para muitos tudo faz e tudo pode, é ânsia do poder! O eleitor deve procurar visualizar no semblante e no olhar desses candidatos que estão ai querendo administrar ou dar um passeio no nosso Palácio Paranaguá: olho vivo ou as raposas num pulo só engolem e trucidam a nossa Princesa do Sul.


Eduardo Afonso