Por Hans Schaeppi

Hans Schaeppi

É fato comprovado que mais de 60% das micro e pequenas empresas que são abertas no país, fecham as portas antes de completarem 2 anos. Na última reunião promovida pelo Sebrae no Centro de Convenções de Ilhéus, reunindo centenas de micro e pequenos empresários da Bahia e de outros estados, estávamos preparados para fazer um pronunciamento a respeito do encerramento ou diminuição dessas milhares de empresas que fecham suas portas e esperanças. No pronunciamento. iniciaríamos parodiando o escritor francês Émile Zola, que no seu manifesto no caso Dreyfus (1894), disse: “J’Accuse l’Armée Français” (Eu Acuso o Exército Francês). Eu diria: J’Accuse les Banques! (Eu Acuso os Bancos!); e daria à presidência do evento, a sugestão de que se dirigisse às Confederações Nacionais da Indústria e do Comércio a entrarem numa ação visando a redução dos juros bancários, que absurdamente geram bilhões de reais de lucro em detrimento das empresas que amargam em seus negócios as consequências dos mesmos. Esclareceria aos iniciantes empresários presentes como a coisa funciona. No início os bancos são bonzinhos oferecendo juros baixos, em torno de 1% (um por cento) ao mês. Nas necessidades seguintes a coisa é outra: veem os juros de até 14% ao mês, nos casos de cheque especial e cartão de crédito. E é aí que começam a tombar muitas empresas
Deveríamos acusar também os políticos que lutaram veementemente contra os 0,38% da CPMF para a saúde e nunca lutaram a favor das pequenas empresas  e pessoas físicas contra os 11 a 14% de juros dos Bancos. Os Bancos alegam a inadimplência como motivo para os altos juros, mas  é  com essa alegação que geram os lucros de bilhões de reais. Agora que a presidente Dilma Rousseff começa a lutar pela redução do spread bancário (diferença entre o que o Banco paga para captar dinheiro e quanto ele cobra para emprestar), e quando o Banco Central tem baixado os juros Selic, faz-se necessário que todas as entidades representativas dos empresários micro, pequenos, médios e grandes, dêem o seu apoio a essa ação do governo federal e sua equipe econômica. Cabe também ao Congresso Nacional e ao Senado se pronunciarem a favor, saindo os políticos desse egoísmo de somente beneficiarem a si próprios.  Essa tentativa da presidente Dilma de redução do spread também foi feita pelo ex-presidente Lula no início do seu primeiro governo, sem lograr êxito perante o poderio dos Bancos. O jeito encontrado foi baixar os juros dos Bancos oficiais, o que não basta. Será necessária uma ação conjunta, onde a mídia também deverá ter uma participação efetiva. Comecemos todos uma campanha: ABAIXO OS JUROS ALTOS!