WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom bahia secom saude embasa


novembro 2012
D S T Q Q S S
« out   dez »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  








DIOCESE DE ILHÉUS

DIOCESE DE ILHÉUS

PROGRAMAÇÃO DA ABERTURA DO CENTENÁRIO
BREVE RESUMO DA SEMANA MISSIONÁRIA NA PARÓQUIA SANTA RITA DE CÁSSIA – DIOCESE DE ILHÉUS – DE 28/10 À 04/11/2012

****

PROGRAMAÇÃO DA ABERTURA DO CENTENÁRIO

• 8/11/ 2012 – 5ª feira
Inauguração da exposição fotográfica sobre a diocese.
Horário: 18 horas.
Local: salão da igreja São Jorge

• 10/11/ 2012 – sábado
20 horas: show musical com os artistas locais na Praça D. Eduardo (em frente à Catedral)

• 11/11/ 2012 – domingo
9 horas: Celebração Eucarística
Local: Catedral diocesana

———————————————————————————

BREVE RESUMO DA SEMANA MISSIONÁRIA NA PARÓQUIA SANTA RITA DE CÁSSIA – DIOCESE DE ILHÉUS – DE 28/10 À 04/11/2012

Aconteceu do dia 28 de outubro à 04 de novembro de 2012, a Semana Missionária na Paróquia Santa Rita de Cássia, Zonal Centro Sul na Diocese de Ilhéus. No domingo dia 28, foi celebrada pelo nosso Pároco o Padre Evandro, a Missa de Envio. Do dia 29 à 31 de outubro, tivemos vários momentos para que bastante incrementada este período onde podemos destacar dois: O primeiro foi que os jovens dos Grupos: ÁGAPE, ENEUC e ANGELUS da nossa Paróquia ficaram encarregado de ministrar louvores a Deus nas Praças localizadas em nossa Paróquia, que eles assim fizeram até o penúltimo dia no sábado dia 03 de novembro e o segundo foi que os Fiéis fizeram encontros nas ruas: Dia 29/10 tivemos a Hora do terço; Dia 30/10 foi a vez da Celebração da Palavra e no dia 31/10 o Ofício de Nossa Senhora.
Já no dia 01/11, tivemos em nossa Paróquia a presença da Imagem do Bom Jesus da Lapa, trazida pelo Padre Vilmar, foi um dos grandes de Fé, alegria e devoção. O encontro foi marcado para a Comunidade São José onde foi feita uma celebração ao ar livre, ali durante a Celebração muitos romeiros relembraram os momentos que tiveram no Santuário do Bom Jesus na Lapa. Após a Celebração partimos em procissão para a Igreja Matriz Santa Rita de Cássia na Conquista, onde tivemos um rápido momento de louvor e agradecimento a Deus . A Imagem do Bom Jesus permaneceu na Paróquia, até o domingo dia 04/11.
No dia de Finados tivemos 03 celebrações: às 07h00 na Igreja Matriz; às 09h00 na Comunidade São José e às 19h00 na Comunidade Santo Antônio de Santana Galvão, Para podermos relembrar aquelas que já não se encontram mais em nosso meio, porem encontram-se em nosso coração.
No sábado dia 03/11, tivemos a Benção dos doentes no Abrigo São Vicente pela tardee a noite, aconteceu a Celebração e a Procissão da Luz, logo em seguida os Jovens fizeram uma confraternização com as famílias, onde também fizeram uma interpretação.
No dia 04/11 com a presença do Bispo Diocesano, Dom mauro Montagnoli, tivemos a Celebração de Encerramento da Semana Missionária, em seguida fizemos uma Caminhada até o Hospital Regional, onde tivemos a Benção do Bom Jesus e nos despedimos da nossa Semana Missionária, a partir de agora as nossas atenções estarão voltadas para o Ano do Centenário da nossa Diocese.

———————————————————————————————-

O CENTENÁRIO DA DIOCESE

 

No dia 11 de novembro de 2012 faremos a abertura do centenário da criação da diocese de Ilhéus. Pela bula Majus animarum bonum do dia 20 de outubro de 1913, o papa São Pio X criou as dioceses de Barra, Caetité e Ilhéus, desmembrando o território da diocese de São Salvador da Bahia.

Cem anos evoca o jubileu. A concepção do jubileu brotou da prática do descanso sabático que deu origem ao ano sabático, como  a temos atestada em Levítico 25,8-12: “Contarás sete semanas de anos, sete vezes sete anos,isto é, o tempo de  sete semanas de anos, quarenta e nove anos. No sétimo mês, no décimo dia do mês, farás ressoar o toque da trombeta; … Declarareis santo o quinquagésimo ano e proclamareis a libertação de todos os moradores da terra. O quinquagésimo ano será para vós um ano jubilar… O jubileu será para vós coisa santa…”

1. Um pouco de história 

No ano de 587/6 a.C. o rei da Babilônia Nabucodonosor tomou a cidade de Jerusalém, destruindo palácio, templo, casas e muros (cf. 2 Rs 24-25). Muitas pessoas foram mortas, outras tantas foram deportadas e muita gente do povo simples, “os mais pobres da terra”, acabaram ficando na terra. Uma potência estrangeira provocou uma interferência profunda nas relações sociais. A cidade está destruída, o templo, demolido, o país, arrasado, e a estrutura de governo está desmantelada.

O exílio é um tempo de sofrimento e esperanças.

Cinquenta anos depois, no ano 538 a.C., com o “decreto de Ciro”, imperador persa, o povo judeu é autorizado a  retornar para sua terra, a Palestina, e lá começar a reorganizar a sua vida. É o período de restauração da vida do povo de Deus. Recomeça, na terra de Israel, um tempo de reencontro, marcado por uma série de desencontros e conflitos.

        

2. O ano do Jubileu (Lv 25

         O nome Jubileu provém da palavra hebraica yobel, que significa “chifre de carneiro”, uma espécie de instrumento de sopro. Trata-se uma espécie de “berrante”, que servia para anunciar um chamado ou um julgamento de Deus (cf. Ex 19,13). O ano do yobel é o ano que começa pelo toque do chifre. Daí o nome jubileu.

Este texto de Levítico 25 propõe basicamente a realização de três ações concretas essenciais no ano do Jubileu: 1. descanso da terra (Lv 25,1-7); 2. reintegração de posse da terra (Lv 25,8-34); 3. libertação ou resgate de escravos (Lv 25,39-55).

A aplicação concreta do jubileu é uma proposta libertadora.  A terra precisa de descanso; não pode ser usada até à sua exaustão. Ela é propriedade de Deus. Deus é o doador último da terra. Por isso, ela terá sempre um caráter de terra de trabalho e não deverá ser um objeto de especulação imobiliária. Deverá se extinta toda escravidão. A proposta do Jubileu traz intrinsecamente uma profunda dimensão utópica e transformadora.

O jubileu é o tempo de “proclamar libertação”, termo técnico para designar a libertação e/ou alforria de escravos e escravas. Podemos incluir aqui também a realidade de presos de guerras e de lutas, que anseiam por libertação. O jubileu também faz referência ao “ano aceitável ao Senhor, em que se dá a remissão de dívidas, um ano em que as relações sociais precarizadas poderão novamente ser restabelecidas.

3. Perspectivas

         Nos cinquenta anos de sofrimentos e esperanças do exílio na Babilônia, a palavra de Deus, por força do seu Santo Espírito, impulsionou um povo desterrado para um futuro a ser aberto pelo próprio Deus.

Os sonhos e as ansiedades dos exilados que retornam à terra natal levaram à formulação da proposta de um amplo jubileu. O reencontro com a terra e com as pessoas que lá viviam naquela época e cultivavam estas terras mostrou os problemas e as dificuldades dessa proposta. Mas permaneceu a sua força utópica, como reserva de sentido também e sobretudo para nós.Temos nossos problemas e dificuldades para por em prática essa proposta do jubileu bíblico.

2013. Celebramos o Jubileu dos Cem Anos da criação da nossa Diocese de Ilhéus. O jubileu deve ser, para todos nós, tempo de profunda reflexão e ao mesmo de tomada de consciência da nossa missão comum de fazer acontecer a proposta de Jesus: a evangelização dos pobres, a libertação dos cativos e a recuperação da vista aos cegos (cf. Lc 4,18). Temos a responsabilidade de tornar presente a utopia do jubileu.

Iluminados e animados pelo lema do centenário, “O que vimos e ouvimos nós anunciamos” (cf. 1Jo 1,3) pedimos que o Espírito Santo nos sustente, e a intercessão de Nossa Senhora das Vitórias e de São Jorge mártir, nosso padroeiro, alcancem-nos as graças que precisamos para sermos féis no seguimento de Jesus Cristo, nosso Salvador e Libertador.

 

Dom Mauro Montagnoli CSS

Bispo diocesano de Ilhéus

1 resposta para “DIOCESE DE ILHÉUS”

Deixe seu comentário





















WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia