capa 05 f

Quanta gente continua jogando lixo desordenadamente pelas ruas pelo mundo inteiro, e também na nossa humilde cidade! Nunca imaginando os grandes males que causam em todas as suas proporções não imaginadas, dando uma manifestação de que Ilhéus foi transformada em canteiros nefastos com enormes depósitos de lixo espalhado por todos os lados. E o mais interessante, é a sinalização dos graus de maldades que esses objetos estranhos que são depositados nesses locais públicos prejudicam, e na maioria das vezes são trazidos por indivíduos de outros bairros de nossa cidade! Como se pode imaginar, quem quiser que se dane com o lixo, na minha porta e no meu bairro não, já vi e ouvi algumas pessoas fazerem essa afirmativa! Porque nesses locais infelizmente os caminhões passam de forma irregular, sem a devida previsão real da coleta desses tão importantes serviços.

Quais seriam os autores da colocação de tanto lixo espalhado por inúmeras cidades mundo a fora, principalmente, a nossa tão sofrida Ilhéus? Ocorre que não podemos sair por ai culpando a todos como uma única fonte causadora dessa famigerada herança, muito menos pela falta de ética e respeito pelo trato da higiene que deve ser uma obrigação para a nossa população. Bem na chagada dessa Terra tão promissora, olhando a parte que dá acesso ao centro da cidade, no ponto central do nosso comércio, as pessoas que nos visitam estão alarmadas, não sabem e não entende como vivem os moradores dessa tão propalada cidade da Bahia, conhecida em cantos e versos por diversos cantores e escritores como Jorge Amado, vive nesse visível contato bastante desumano com tantas imundícies!

Podemos verificar nos passeios públicos e nas portas das casas comerciais de Ilhéus enormes montanhas de lixo! Quem ocasionou a colocação dessas imundícies causando a existência desse quadro panorâmico e degradante para prejuízo social e humano de muitas pessoas? Sabemos que a face invisível do lixo existe, e podendo ser muito perigosa, porém, nunca é observada por gente desse nosso Planeta cheio de imprevisível falta de educação sanitária e carente de ações humanas magnânimas, que nada fazem para trazer o bem-estar para todos seus habitantes.

Podemos afirmar com certeza, mesmo esperando que vá existir a negação dos comerciantes sobre esses atos e fatos, verificando a forma como surge o lixo nas portas do nosso comércio local, se pode imaginar positivamente, que são causados por desorganizações dos responsáveis pelas casas comerciais. Eles têm condições de evitar essas montanhas de lixo nas portas do seu comercio local de Ilhéus, pois foram na sua maioria originados por eles próprios! Para amenizar esses males insanos basta existir a presença da fiscalização de uma atuante Secretaria Saúde Pública Municipal e atuante, e as presenças da Associação Comercial de Ilhéus e CDL, levando a sério esses estranhos acontecimentos vistos de forma inconformada pelos nossos visitantes. Verifiquem que a nossa cidade não foi agraciada com o merecido respeito na festividade natalina, o Ano Novo se aproxima, sem ornamentação, ficando inexpressivamente sem nenhuma beleza que atraísse aos olhos dos seus moradores e turistas!

O povo continua sempre sonhador, esperando dias melhores, e olhando bem, “um Brasil mais verde e limpo é possível”! Podemos trabalhar na elaboração de um sistema de reciclagem de lixo. Reciclar significa transformar objetos materiais usados em novos produtos para o consumo. Esta necessidade  foi despertada pelos seres humanos, a partir do momento em que se verificaram os benefícios que este procedimento trás para o planeta Terra. Outro benefício da reciclagem é a quantidade de empregos que ela tem gerado nas grandes cidades. Muitos desempregados estão buscando trabalho neste setor e conseguindo renda para manterem suas famílias. Essas atribuições empregam as pessoas e as tiram da fome e do desconforto da miséria que passam, criando fontes de trabalhos honestos. A nossa população precisa buscar os seus direitos junto aos seus governantes, através de Cooperativas de catadores de papel e alumínio, associações de classes, comunidades em geral, se tornando produtiva essa gama de pessoas trabalhadoras, exercitando essas atividades, já que são verdadeiras metas de uma boa realidade nos centros urbanos do Brasil

Temos lido informações de que os seres vivos devolvem ao ambiente as substâncias simples por meio da respiração, da excreção e da decomposição, permitindo sua reabsorção pelos vegetais. Portanto, a matéria nunca desaparece: ela é transportada, transformada, só muda de forma e lugar. Do pó viemos, ao pó voltaremos, essa é ótica da existência dos seres vivos. Mas nós, humanos, tão numerosos, eficientes e irracionais, inventamos o ciclo aberto de matéria.

Foi criada a indústria do lixo, e infelizmente ainda não foram oferecidos de forma geral e irrestrita os trabalhos de reciclagens dessas matérias cheias de decomposições. E também, os homens considerados sábios donos do mundo, não parou para analisar que na Terra são extraídas matérias-primas naturais, são transformadas em produtos de consumo que usamos e descartamos. Esse descarte é a maior tragédia para todos habitantes desse “Planeta Terra”, pois jogamos tudo num lugar só: “no lixo”!

Tenho observado que realmente o lixo gerado numa comunidade trás grandes dificuldades e até mal-estar entre toda sua população. Surge à face mais visível e incômoda dessa economia linear, em ciclo aberto, é a acumulação de montanhas de lixo, trazendo sempre problemas cada vez mais agudos para todas as cidades, incluindo a nossa.

Tenho visto em nossa cidade a guerra do lixo, a máfia do lixo, e os problemas relativos ao lixo estão na agenda de qualquer administrador urbano. Todavia, não verificamos relevantes ações da Saúde Pública, usando o poder e a força para obrigar aos seus administradores uma execução desses serviços de forma digna e justa para trazer salutares trabalhos em defesa da sua população. São serviços extremamente de custos financeiros altíssimos e sem a menor responsabilidade por quem os executa nem por parte dos que não fiscalizam esses serviços contratados. É como diz: tudo entregues às baratas e salvem-se quem puder!

Portanto, queira ou não, em qualquer lugar do mundo onde estivermos estar vivo significa inalar e ingerir substâncias tóxicas de origem humana – em baixas concentrações, porém de forma crônica – que afetam nossa saúde imunológica, reprodutiva, mental. E quando podemos sentir que nossos administradores públicos deverão ter a sensibilidade de buscar o esmerado asseio, afinal vivem dentro de uma comunidade que habitam, e o que estão esperando? PENSEM NISSO!!!

Eduardo Afonso – (73) 8844-9147 – Ilhéus-Bahia