Quantas vezes quando era criança ouvia meus pais e outras pessoas mais experientes dizerem que “Deus dá o frio conforme o cobertor”! E esse o frio, uma criação de Deus para a natureza, poxa, como está maltratando, castigando e fazendo muitas pessoas pelo nosso mundo sofrer copiosamente e as nossas autoridades que deveriam protegê-las, sempre as deixando morrer além de frio, também de fome!

Passando pelas marquises dos prédios das grandes cidades do nosso País lá estão inúmeras pessoas carentes cobertas de panos velhos, papelões, e o que dói muito é verificar que esses irmãos viventes dessas moradias, são considerados apenas sem teto, sem agasalhos, sem comidas, e perderam o seu sentido de existência como gente que são! Estão falecendo aos pouco nas suas angustias e pelas façanhas da vida! O que poderiam fazer para saírem desse recôndito mar de infortúnio a fim de sentirem um pouco a felicidade do acolhimento pelo inebriante e acolhedor calor da sociedade, esperando de muita gente que por ali passam para ajudá-los a repelir o frio tão causticante que lhe foi dado para sua tão tacanha sobrevivência!

O frio, o mal e a escuridão existem, e estão matando e denegrindo muitos sentimentos de amor e paz! Deixando todos os desfavorecidos da sorte que nada alcançaram para sua sobrevivência vivendo em estrado de pânicos? O mal é a ausência de Deus em nossos corações. É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz. Fechar o olho para próximo? Todo mundo fala, todo mundo vê tantos desencontros e sofrimentos alheios, e olhando os moradores de ruas do jeito que estão não dá para ficar! Passando fome, sem roupas descentes, dormindo debaixo das marquises das residências e casas comerciais, doentes e desnutridos! Isso não é qualidade de vida para um ser humano!

Relatar essas façanhas que a vida proporciona de forma trágica a seres humanos, quem não sente um mal-estar sentindo muita tristeza com as coisas que acontecem com essas humildes criaturas. Nos causa impotência diante de não poder fazer nada! Afinal são tantos desalentos e além do mais, o nosso mundo que abriga essas consequências é imenso. E as autoridades que administram o nosso País será que possuem a sensata vontade e buscam os meios para erradicar ou mesmo reduzir as inconsequentes mazelas que fazem muitos brasileiros se tornarem indigentes, sedentos e condenados pela miséria?

A solidão, autoestima baixa, ansiedade, medo, desconfiança, falta de sentido para a própria vida, compensações nocivas ao desprazer são desafios muito frequentes que se somam à percepção de que a vida, assim como o tempo, escorre pelos dedos. Bastante bem vinda às atuações populares sobre a campanha do agasalho! Tudo isso é a presença do desconforto do frio aniquilando pessoas consideradas pobres. Você, que está sentado agora comodamente em sua casa, crie consciência, a culpa disso tudo é de todos nós. Governo que vive apresentando propagandas para a população, a “elite”, a “classe média”, e os “pobres”, não adianta nada querer colocar a culpa em uma instituição hierárquica, de nada vai adiantar descobrir o culpado, temos é que achar a solução. Vivemos em uma sociedade de consumo e é inegável que nossas motivações se dirigem aos valores predominantemente materiais.

Assim caminha a humanidade e seus processos de evoluções, mas, algumas pessoas estão foram dessas análises. Nasce assim um homem inseguro num quadro pertinente de revoltas entre muita gente que não aguenta mais o sofrimento e a discriminação!  Pensando bem, existem homens soltos nas prisões e criminosos soltos pelo mundo, pelas ruas e por todo nosso País. É uma questão de reflexão e basta ter a coragem de buscar a consciência e o sentido que estão levando às pessoas a cometerem tantos descasos por motivos insensatos e criminosos. É só verificar quantos estão arrebatando o dinheiro do erário público, das obras que deveriam ser construídas para o bem-estar de todos nós, e principalmente, esses pobres homens que vivem a circular sem saber para onde vão e quem são!

Nunca devemos deixar de trabalhar no resgate da fé na vida. É muito comum quando um indivíduo está sobrecarregado, desgastado, estressado, esquecer a esperança, o sentimento de confiança em perspectivas positivas. A esperança pode ser trazida do mais íntimo do seu ser, e aquilo que parece que não terá fim, se mostra temporário. São legítimos os meios para se tocar os corações dos humanos. E lembre-se que a fé é comprovadamente curativa, e ela remove montanhas! Desse modo, o autoconhecimento dirigido sob a perspectiva que proporciona o resgate da sua autonomia, do prazer de viver, da segurança e da estabilidade emocional, levando-se em conta as potencialidades inerentes a cada pessoa. Inserido nesse contexto, o ser humano vê a si mesmo, vê o outro, vê a sociedade, e não encontra mais segurança que dê sentido para a sua existência.

Resumindo, entendemos que, além disso, o ser humano hoje é compreendido em partes, de modo fragmentado. O autoconhecimento é ferramenta poderosíssima e muito realizadora, por meio da qual o ser humano pode reconhecer as mais profundas aptidões e verdadeiras necessidades para a sua existência. Então nada melhor do que as pessoas se manterem em estado de paciência, ficarem atentas quantos as direções às quais desejam seguir e quais suas reais vontades de se fazer feliz. Somar essas ações para multiplacar dividindo-as com as outras pessoas que estão ao seu lado merecendo a oportunidade desse memorável advento que poderá beneficiar a todos.

Eduardo Afonso – 73 8844-9147 – Ilhéus – Bahia

Para ler a 17ª PARTE clique AQUI.