OAB-BA / MULHER

Discutindo os principais dilemas femininos na advocacia, a OAB da Bahia realizou, nos dias 10 e 11 de setembro, no Fiesta Convention Center (Itaigara), a 1ª Conferência Estadual da Mulher Advogada. Coordenado pela Comissão de Proteção aos Direitos da Mulher da Ordem, o evento foi desenvolvido como parte do plano de políticas de valorização feminina da seccional, que conseguiu aumentar o engajamento de advogadas na entidade. Também na conferência, foi lançada a campanha “Mais Mulheres na OAB”, criada para estimular o ingresso de mulheres na Ordem.

“Estamos muito satisfeitos com a realização desse evento, que é um reconhecimento da seccional à importância da participação feminina na OAB e à necessidade de se discutir com a mulher sua realidade na advocacia. Nossa gestão sempre teve grande participação das advogadas, mas queremos mais e, por isso, lançamos, hoje, a campanha ‘Mais Mulheres na OAB’, para incentivar a participação feminina na entidade”, destacou  o presidente da OAB-BA, Luiz Viana Queiroz.

Para a presidente da Comissão de Proteção aos Direitos da Mulher, Andrea Marques, a campanha ajudará a estimular a mulher a ocupar espaços de poder na OAB: “Atualmente, já somos metade dos advogados que existem no Brasil. Mas isso não tem um espelho na administração da Ordem. Então o que a gente quer é que haja, também, o empoderamento da mulher nas seccionais, para que elas se interessem mais pela Ordem e pela tão sonhada profissão”, explicou.

Ainda na conferência, foi realizada uma homenagem ao centenário da defensora do feminismo Ana Montenegro, com apresentação de parte do documentário que está sendo feito pelo cineasta Jairo Eleodoro, dedicado à vida da jornalista, e entrega de placa às filhas Sara e Sandra Montenegro.

Também foram desenvolvidos painéis que levantaram a discussão de paradigmas enfrentados pela mulher na advocacia, entre eles, “Discriminação de gênero e raça no Poder Judiciário”. À frente do debate, a presidente da Comissão Especial de Promoção da Igualdade Racial, Dandara Pinho, destacou a existência de preconceito nas instituições jurídicas: “Existe discriminação institucional de raça e de gênero na advocacia. Somos maioria dos cadastrados na OAB, mas minoria nos cargos de gestão”, afirmou Dandara, que fez questão de destacar que não prega política de segregação: “Lutamos pela união da mulher, mesmo que a nossa comissão esteja representando a mulher negra”, disse.

Outros paineis de destaque foram “Advocacia, carreira e auto-estima”, ministrado pelo life coaching Cristiano Saback, que falou sobre empreendedorismo da formação, medo, ansiedade e depressão como sabotadores de habilidades, e “Os desafios da advogada criminalista na contemporaneidade”, ministrado pelas advogadas criminalistas Ilana Martins e Liz Rocha: “O grande desafio feminino na advocacia criminal é o próprio machismo da mulher. Temos que mudar a realidade e acabar com o preconceito que nos foi passado culturalmente”, destacou Ilana.

Encerrando as palestras, o conselheiro federal pela Bahia Fernando Santana fez um panorama sobre o significado da conferência para a OAB-BA: “Esse encontro foi mais um marco republicano na história da seccional baiana, com o lançamento da campanha ‘Mais Mulheres na OAB’ e a discussão de assuntos como o olhar diferenciado da mulher e o combate à discriminação de gêneros. Que tudo que aqui ocorreu se reflita numericamente no destino do comando e do poder da OAB-BA”, disse.

Ao final do evento, foi lida a Carta da Bahia, com todas as discussões e sugestões levantadas durante a conferência.

Foto: Angelino de Jesus (OAB-BA)


http://www.oab-ba.org.br/single-noticias/noticia/1a-conferencia-estadual-da-mulher-advogada-e-encerrada-com-carta-da-bahia/?cHash=7ae51c889f70cdcd45b4cfc24f3222ac