O mundo do crime vem espalhando terrores em todos os percursos da existência humana e campeando pelos caminhos inseguros da existência do povo brasileiro. São tantas as maldades e ações premeditadas de tentativas de morte praticadas covardemente, deixando as famílias das vitimas, imaginando por que seus entes queridos passaram por instantes tão infelizes levando-os à morte! A generalização política dos homens que administram o nosso país, permanece descaracterizada do seu sentido real e passou a ser uma máquina de jogos de interesses, e assim está ceifando as consciências e vidas de pessoas honestas. Dessa forma são poucos que se destacam em suas evoluções sociais dentro da comunidade em que vive.

Perdura a ilicitude dentro de tacanhas manobras articuladas por certos indivíduos, praticando atos contrários aos bons costumes, pervertendo a moralidade que não está dando margem de segurança aos homens que estão desafiando a sua permanência dentro do respeito à sua honra. No Brasil, verificamos ainda, a grande preocupação da população brasileira quanto aos crimes praticados contra inúmeros seres humanos, principalmente, contra as mulheres, crianças e idosos. Agigantam-se os tristes e frequentes informativos, com tenebrosas noticias que vinculam em nossos meios de comunicações, onde incrivelmente, permanece a violência que nasce todos os dias entre familiares em nosso país.

Quantos atentados inusitados e cruéis surgem contra crianças! Mulheres, mormente, aquelas que não têm cultura, não trabalham e por isso, são pobres economicamente, sendo as suas sobrevivências traçadas pelas dependências de outras pessoas, e não se sabe a qual grau de afetividade pertence; observamos outras que foram jogadas no mundo sem conhecer os seus pais; e finalmente, visualizamos o abandono até de pessoas portadoras de desequilíbrios mentais perambulando sem destino! Passa a ser horrível a falta do poder de decisão dessas pessoas nesse espaço de extrema necessidade da valorização como criaturas humanas. Vivem ou morrem dentro de precipícios das incompreensões pela falta de sensatez de tanta gente que passando pelas ruas, alguns até riem dessa situação. E, em casa onde não existem sacrifício, compreensão, renúncia e perdão, todos brigam e ninguém tem razão.

Há inúmeras leis e eminentes estudos cheios de normas para trazer segurança à sociedade, mas, no Brasil estão se tornando cada vez mais comuns as notícias de rebeliões e fugas constantes em cadeias e presídios superlotados, com sistemas sempre atrasados, criminosos primários e homicidas, sequestradores, estupradores. Vem mais ainda a existência de quadros desumanos em que paira a degenerada pedofilia. Em todas essas circunstâncias da vida, observamos que, ao invés de ser um espaço para a reeducação do preso, o sistema carcerário em nosso país, se tornou uma espécie de “pós-graduação” no mundo do crime! Têm jovens que cometem crimes, e são levados para uma dessas carceragens, saindo de lá como um líder de facção, dispostos a enfrentar a polícia, muitas vezes com maior qualidade de ação.

Nos presídios jamais poderia ser diferente, pois se some aos fatos deprimentes que nesse local existe, e o despreparo de muitos dos agentes carcerários. Segundo a imprensa do nosso país, a brutalidade de equipes que dão surras de cano em prisioneiros é aterrorizante. Muitos servidores de penitenciária não são especialistas em conflitos de proporcionalidades para resolver situações de extrema violência contra a vida humana. E, se o sistema penal sofresse uma mudança, por exemplo, separando presos pela graduação de seus crimes, diminuiria enormes injustiças. Criação de um judiciário ágil, estabelecendo regras de penas alternativas. Que faça justiça em tempo real e justo almejando que o homem que cometeu erros retorne realmente ao seio da sociedade sem jamais se sentir digno de pena. PENSEM NISSO!!!

Eduardo Afonso – Ilhéus (BA) – (73) 8844-9147 – Whatsapp