Não se sabe por que os nossos governantes desconhecem a situação da nação brasileira e poucos entendem que o mundo segue necessitando de projetos sociais, principalmente escolas e bons professores que sejam valorizados em todas as suas conquistas, e a mais importante necessidade é a participação da sociedade confiante no poder de Justiça. Todos os desmandos governamentais que sempre deram origens aos tristes acontecimentos ocorridos no Brasil seriam apenas: “Acidente pavoroso”? São argumentos intransigentes contra o nosso país. É uma rotina criminosa em que os nossos governantes deixam de lado as providencias para exterminar inusitadas manifestações criminosas há muito tempo destruindo seres humanos. “No Brasil, de forma irrelevante se presta pouca obediência à Constituição”. Tem muita gente passando por cima das leis, aliás, são tantas leis nem sempre cumpridas.

Segundo noticiários dos meios de comunicações em nosso país, lamentam-se quantos homens estão presos em Manaus, num local construído a mais de 100 anos, capacidade para 400 detentos e sua realidade é a existência de irresponsável superlotação com mais de 1.200 ocupantes com grau de periculosidade acima de todas as praticas de crimes, inclusive os considerados hediondos. É em suma a ausência do Estado demonstrado falta de interesse em reconhecer esses tristes acontecimentos e competência de assumir meios de criar ocupações para perigosos presos buscando justa resocialização humana. Muito mal as permissões a tantos indivíduos cumprindo penas em regime carcerário, os quais são frequentemente liberados pelo dia, saem às ruas, alguns até praticam inúmeros atos criminosos em nossa sociedade e retornam aos presídios à noite para muitas vezes idealizarem outras ações diárias delituosas contra a população brasileira.

“Após a morte de 99 presos nos oito primeiros dias do ano, o presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira (9) que o país precisa de mais unidades prisionais. Em Esteio (RS), na região metropolitana de Porto Alegre, onde participou da entrega de 61 ambulâncias, o peemedebista também declarou que um dos cinco presídios de segurança máxima, já anunciados pelo governo será construído no Rio Grande do Sul. O local, porém, não foi anunciado. Segundo o Depen (Departamento Penitenciário Nacional), ligado ao Ministério da Justiça, o país possui 371 mil vagas em prisões. Ao final de 2014 – dados mais recentes do órgão -, havia 622 mil detentos.  Ou seja, faltam 251 mil vagas”.

“Segundo Temer, as penitenciárias fazem parte de um plano de segurança que vinha sendo gestado há muito tempo no Ministério da Justiça. Além dos cinco presídios federais, serão construídas outras 25 unidades estaduais, que abririam mais 20 mil vagas. O valor total que será destinado é de R$ 900 milhões. O presidente também disse que o país não respeita a Constituição quando mistura presos de idades e periculosidades diferentes nas mesmas cadeias”. E por que poucas medidas são tomadas para sanar essa insana e maligna praga social que vem assolando a sociedade brasileira? Vale ressaltar: só vemos ações projetadas apenas acerca de ganância de poder e caça aos corruptos! Desconhecemos ações para construções de colônias penais, onde possivelmente com as presenças de diretores sérios à frente dessas casas de detenções, tragam resultados positivos em favor da recuperação de tantos presos confinados, dando-lhes margem a que possam viver uma vida digna e honesta, proporcionando seu breve retorno à sociedade.

O sistema prisional brasileiro reflete a realidade social bastante injusta do Brasil, e não se trata de ceder ao frágil raciocínio deprimente e mediano de que a pobreza e a carência facilitam, estimulam e propiciam ao crime, ou ainda, que levem os mais necessitados a violência e ao encarceramento. Trata-se somente de constatar que o sistema prisional é uma realidade mais viva e próxima da parte da população carente do Brasil, desde os tempos do Império, e que esse simples fato de constatação, por si só, alarma e constrange pela sua dimensão e potencial. Assim, não vemos construções de escolas para os conhecimentos morais e cívicos. As pessoas nascem no Brasil sem nenhum critério de formação familiar e social, desprovidos de requisitos de seres humanos normais. Quantos vivem pelas ruas, dormindo debaixo das marquises e passando carências espiritual e material, pouco valendo o seu aspecto mental! PENSEM NISSOS!!!

Eduardo Afonso – Ilhéus-Bahia