No Brasil os políticos há muitos anos vêm tratando de esconderem os problemas revoltantes de corrupção. São fatigantes as brigas partidárias pelo poder e relegando os mais puros anseios da ordem e progresso em favor da nossa cidadania. Muitos exclamam na cara de pau que saquearam o Brasil e afundaram as nossas finanças, enfim destruíram as metas do nosso poder econômico. Trata-se então de uma situação alarmante e de impacto profundo e eminente no cotidiano do nosso país que tem uma Lei Constitucional para se cumprir e respeitar.

O nosso país vai continuar sempre precisando de demonstração de seriedade social, política e judicial visando dar fim às preocupações dos maléficos envolvimentos de corrupções, somente criando tratamentos sérios em favor da soberania brasileira. A Justiça afinal somente ouve os que praticam delitos, e a maioria negam os crimes por eles praticados. Tem prisões que servem de aposentos dos meliantes, alguns ficam presos em seus palacetes, usando tornozelera e suas penas muitas vezes amenizadas e a quantidade de dinheiro subtraído jamais voltarão aos cofres públicos. O Brasil ao que nos parece, será que foi mesmo saqueado, destruíram a ordem e o progresso, enfim transformaram os sonhos dos brasileiros em pesadelos!

Pouco prevalece os direitos humanos em alguns casos, com amarfanhados de quimeras criadas sem nenhum valor judicial. As superlotações de cadeias e presídios no Brasil sempre foram atuações das morosidades dos julgamentos da justiça. Todos têm conhecimentos que no poder judiciário não são observados os fatos de presos visivelmente perigosos, com até práticas de delitos hediondos, vivem juntos com outros de penas que poderão ser analisadas e de fáceis soluções. A sociedade clama por um Poder Judiciário mais atuante e com condições para dar respostas a tantos processos armazenados há muitos anos em tribunais. Vivem-se os desajustes de perdas de seres humanos assassinados, adultos, jovens e até crianças.

A educação tem seu poder de transformar os indivíduos de fato, e essa é uma certeza que temos hoje em dia. A ciência impulsionada pela grandeza da sabedoria humana é importante atributo de vida em sua plenitude. Nota-se pouca importância no olhar do governo, o qual vive voltado apenas para construções de presídios considerados perspectivas de acomodações apenas de detentos. Qual a correção prevista para o futuro desses presos, pouco se sabe!

Faltam metas de planejamentos e recursos governamentais sérios visando ampliações de escolas de níveis básicos e fundamentais. A sociedade brasileira assiste a fórmula inoperante e mesquinha da destruição da família em todos os aspectos, nos espaços e nos tempos. Por outro lado, há uma grande quantidade de pessoas que ainda vivem à margem da sociedade no Brasil, problema que dificilmente se resolverá somente com a promoção de programas assistencialistas.

Os principais desafios estão em vencer os problemas nas áreas de saúde e educação, que vêm recebendo tímidos avanços, e ampliar a qualificação profissional e a oferta de emprego no país. É vasto o principio para o homem aliar-se aos conhecimentos de vida social e política. Preparar as pessoas para a vida social e profissional é um dos objetivos da civilidade, e essa preparação começa desde os cinco ou seis anos de idade a partir da escola infantil, socializando as crianças, sempre desenvolvendo certas habilidades das pessoas, através do diálogo e traduzindo a comunicação, evitando o prejudicial isolamento social.

Assim caminha o Brasil e o mundo. Aqui para nós, estão mergulhados em tantas mazelas, e em nosso país jamais foi diferente. Muitas pessoas no Brasil demonstram as suas preocupações e imaginam que estão a três passos de uma guerra civil. Difícil então se torna perpetuar essa imaginação, se muita gente já passa fome; quantos brigam por tudo; enganam em espertas negociatas particulares e comerciais; e afinal poucos brasileiros buscam meios para beneficiar a nossa nação! Tais atitudes são muito mais repugnantes na maioria das vezes do que praticar um assalto à mão armada! Então falta o que para anunciar guerra, se faltam direitos e deveres recíprocos em nossa atual civilização social e humana?

Não podemos permitir exterminações de vidas humanas. A desunião e a guerra visam, então, ou a destruição do adversário, ou a anexação dos seus territórios, ou a sujeitação de sua política interna aos interesses do agressor. Porém, não podemos concluir apressadamente que toda guerra é injusta exclusivamente por fazer o uso da violência. Para evitar as guerras, o primeiro passo é respeitar as diferenças, ser solidário com todos os seus habitantes. É melhor aceitar as diferenças, e conviver num ambiente pacífico, do que brigar. Não há nenhum problema que não possa ser resolvido com conversa sensata e honesta, ou com recíproco respeito. Então urgentemente: “Educai as crianças para que não seja preciso punir os homens” Aristóteles. PENSEM NISSO!!!

Eduardo Afonso – Ilhéus-Bahia