O Brasil atualmente tem sido colocado pelos fúnebres administradores da política como um país que perdeu a sua essência de território bom e hospitaleiro. O exemplo mais presente dessa inversão de valores éticos e morais é que os habitantes das capitais mais importantes, a exemplo do Rio de Janeiro, conhecida em prosa e versos como “Cidade Maravilhosa”, não conseguem mais viver como nos velhos tempos. Atualmente muitos cidadãos gostariam de viver noutro local devido à violência instalada há muito tempo na cidade de São Sebastião. O que se pode afirmar é que lá se vai “Aquele Abraço”!

Segundo um inquérito a 1.500 moradores de diversos bairros, realizados pela Organização Não Governamental “Rio Como Vamos”, a insatisfação e o pessimismo dos habitantes do Rio de Janeiro tem aumentado, aproximadamente num percentual de 56% dos brasileiros cariocas. E dessa forma deixa a sua população desanimada com a falta de confiança de ir e vir para trabalhar para buscar o seu sustento e lazer todos os dias nas ruas, bairros e comunidades em geral. As escolas sendo prejudicadas pela falta de segurança e os professores, alunos crianças e adultos com medo das agressões de criminosos, perderam o ano letivo relativo às suas atividades escolares. E assim, prevalece prosperando a existência do mundo do crime esvaziando os meios da evolução da cultura humana a fim de seguir a educação em marcha da civilização brasileira.

Os brasileiros que residem no Rio de Janeiro estão perdendo o orgulho de ser carioca, como são conhecidos os habitantes desse Estado Brasileiro, contado por Gilberto Gil. Olhando o lado da segurança pública os seus moradores estão tristes e assustados em saírem para os seus trabalhos ou lazer, “com cerca de 71% das pessoas acreditando que a situação vem piorando e tão cedo voltará à sua normalidade”; e mais ainda, relaciona-se o fato de que as classes mais altas, afirmam sobre o medo dos assaltos com mortes de pessoas inocentes nas ruas, ao passo que os considerados pobres têm como respostas em sua proteção uma bala perdida. Por sua vez, as manchetes dos meios de divulgações relatam: “Rotina de violência assombra os bairros de Copacabana e Ipanema”, devido a uma guerra diária entre criminosos fortemente armados e militares da UPP.

O que se observa nos momentos atuais em situações de segurança no Brasil são trocas de tiros entre policiais e marginais, e nem mesmo as Unidades de Policia Pacificadoras (UPPs), criadas na modalidade de programa de implantação de policias comunitárias nas favelas, ficaram fora de tantas críticas. O comentário é que não estão bem articuladas para defender a população que vive refém dos crimes e dos criminosos. Os moradores de bairros em que esse tipo de policiamento existe passaram a perceber mais mudanças negativas do que positivas. Aumento de roubos e ameaças dos delinquentes, que agora agem de maneira menos evidente do que antes. Existindo o questionamento popular: Por onde andam os supostos administradores públicos formados pelo Governo, Câmara dos Deputados Federais, Senadores da República e outras classes que administram o nosso País? Quais os seus projetos em favor da organização social e política em defesa do bem-estar do povo brasileiro.

Inúmeras pessoas no Brasil estão tolhidas de andarem livres sem serem abordadas por indivíduos criminosos. Observam uma Venezuela em primeira instância a se instalar em nosso país. Os políticos saquearam a cidade maravilhosa, tirando da sua população o direito de viver em paz com dignidade. São frequentes as mobilizações de assuntos relacionados à saúde, mobilidade urbana, trânsito, educação pública, iluminação das ruas, bairros e conservação das calçadas, cuidados com a acessibilidade para idosos e deficientes, limpeza urbana e meio ambiente abordados por pesquisas, diante de tantos atentados a vida humana.

São também observadas deprimentes preocupações dos moradores do Rio de Janeiro em estocar gêneros alimentícios ou coisas ligadas às necessidades básicas, diante das perturbações de possíveis resultados de perigos que poderão causar mal aos seus moradores. O Brasil necessita urgente de uma reforma política com mudança geral dos políticos os quais se tornaram expectadores de manobras insuportáveis quando se trata de guarda e controle de finanças públicas. PENSEM NISSO!!!

Eduardo Afonso – Ilhéus-Bahia