Anísio Cruz – 05/04/2018

O resultado da votação do HC pretendido por Lula, junto ao STF, não me surpreendeu. Esperava um placar apertado, e cheguei a manifestar essa minha opinião em conversas com amigos. Lula achou que tinha sob os seus pés, todos os membros daquele colegiado, não contando com a soberania das ministras Carmem Lúcia, e Rosa Weber, além da indignação patente nos últimos pronunciamentos dos ministros Luiz Fux, e Roberto Barroso. O voto técnico do Ministro Alexandre Moraes, veio em boa hora, acompanhando o relator Édson Fachin, que se pautou contra a concessão do HC, de forma inequívoca. 6×5 foi o placar final, com o voto soberano da Ministra Carmem Lúcia, contestado pela defesa do impetrante, já no apagar das luzes. Ao colocar em votação a sua participação, ela não deu margem a qualquer interpelação jurídica, goleando o Advogado de defesa. por 8×2, já que se eximiu nesta votação. Venceu a maioria simples, mas a vitória foi, principalmente, do povo brasileiro que, nas ruas exigiu a punição ao ex-presidente, conforme a sentença nas alçadas inferiores.

Mas não se enganem, meus amigos que me honram com a leitura. Há ainda muita água a passar sob a ponte da democracia, antes que esta, e as outras punições que se seguirão, cheguem a termo, como é o desejo da grande maioria do povo. Haverão muitos recursos protelatórios, pagos regiamente aos ilustres juristas que patrocinam a contenda, antes que alguma providência prática venha a ser tomada. Condenar, é uma coisa, nas circunstâncias em que o apenado se meteu. Porém, colocar atrás das grades, é outra coisa muito diferente, neste mar de lama em que o nosso país está. Fazer prevalecer a Justiça, como nós, simples mortais entendemos, neste país do “faz de conta”, apenando os maiorais, é fato raríssimo, apesar do esforço individual de uns poucos, como os procuradores da “lava jato”, e o Juiz Sérgio Moro. Além de romper paradigmas arraigados no seio dos poderosos, aqueles que se julgam “donos da pátria”, os nossos justiceiros precisam, também, possuir “aquilo” roxo, para superar com honra, as ameaças recebidas. E nesse tempo de escuridão em que vivemos, vários já tombaram por não se curvarem perante um suposto “semideus”, que sonhou dominar a nossa nação, e expandir o seu domínio sobre outras nações do nosso continente.

Há ainda, como disse, outros lances a serem jogados, nesse tabuleiro, em que contendores sabem blefar, e alardear poderes dominadores sobre grande contingente de inocentes úteis, lançando-os, ameaçadoramente, a brandir facões e foices, tentando intimidar o outro lado da mesa. Para eles, travestidos de vermelho, vale de tudo para que logrem os seus objetivos, mesmo que suas ações nefastas, redundem em derramamento de sangue, numa guerra fratricida, cujos prenúncios pairam sobre o horizonte pátrio. Neste momento, generais de muitas estrelas, do nosso Exército, manifestaram os seus descontentamentos com os reboliços que acontecem Brasil a fora. Eles, como os demais oficiais superiores da Marinha e aeronáutica, sabem o que vem ocorrendo. Estrategistas que são, possuem mapeados os principais focos de instabilidades para a nossa frágil democracia. Quanto a nós, o povo, precisamos continuar unidos e fortes, cobrando a manutenção da ordem democrática. Como é dito numa conhecida canção, “É preciso amor prá poder pulsar, é preciso paz prá fazer sorrir, é preciso chuva para florir”.Que assim seja.