O bairro Nova Itabuna parece ser mesmo um dos  “points” mais “badalados” do crime. O local tornou-se palco, mais uma vez, da ação de bandidos, que espalharam pânico dentro de um ônibus da empresa Sorriso da Bahia. O veículo, que fazia linha Hospital de Base/Nova Ferradas/Jubiabá/Gabriela, transportava uma média de 30 pessoas.

Segundo testemunhas, três criminosos, armados e muito nervosos, entraram no ônibus quando este parou no ponto do Nova Itabuna. Daí, foi apenas questão de alguns minutos para anunciarem o assalto, já próximo ao bairro vizinho, Urbis IV.
Cerca de 20 passageiros foram saqueados. Tiveram bolsas, carteiras e celulares roubados pelos assaltantes, que estavam bastante agressivos. Eles chegaram, inclusive, a agredir fisicamente um rapaz e uma moça. Após promover a “sessão” de terror, os acusados desceram nas imediações da Rua de Palha.
 
“Estou com medo de sair de casa”
As vítimas, incluindo o motorista e o cobrador, foram para o Complexo Policial, onde, indignadas e ainda traumatizadas, registraram queixa. Rosiclea Santana Cruz, de 59 anos, está entre os passageiros-alvos do “arrastão”. A mulher, em entrevista ao Verdinho, contou que entrou no ônibus no Centro Comercial. Estava indo para o Condomínio Gabriela, onde mora. “Eu estava cochilando, quando eles puxaram minha bolsa com meu celular, cartão de passe livre, identidade e chaves do meu apartamento. Agora estou com medo até de sair de casa”, desabafou.
Já Ubiratan, motorista do ônibus assaltado, representa toda uma classe de rodoviários, que trabalha assustada com a onda de violência. Nunca sabem o que esperar de um dia de trabalho. O que vão encontrar em cada parada. Quem vai entrar, pois em transporte coletivo ladrão não tem “rosto”, nem perfil. Todos, até descobrirem o contrário, são mero passageiros. “Os bandidos estão muito ousados. Estão fazendo a gente de brinquedo”, indignou-se Ubiratan.
Os assaltos a ônibus atinge índices cada vez mais altos. Volta e meia, registra-se uma ocorrência do tipo, seja nos perímetros urbanos de Itabuna ou nas rodovias, próximo a municípios vizinhos. Ônibus que circulam para Buerarema, por exemplo, são muito “castigados” por assaltantes.
Do verdinho