O tempo passa e não observamos os brasileiros refletirem sobre política nos momentos atuais que é um exercício que propicia o pensar na coletividade. Perdemos os sentidos para imaginar o necessário conhecimento em nosso País do que significa uma organização social e política. Precisamos buscar algo que nos leve a pensar em nosso papel como cidadãos e no impacto de nossas ações na sociedade. Em suma, a educação política é importante porque fornece ferramentas para a cidadania e, assim, empodera pessoas, grupos e comunidades e estão visivelmente deslocados das grandes necessidades e anseios de criar meios para solucionar tantas mazelas criadas pela classe política extravagante e desumana em sua ganância preconceituosa para a corrida do poder.

Quando utilizamos uma parada em busca de uma reflexão sobre certos e estranhos acontecimentos que surgem no mundo, ficamos imaginando a quantidade de pensamentos humanos espalhados em todas as camadas da nossa sociedade cheia de molestos incômodos! Analisando os mistérios que circundam o nosso Universo, nos deparamos com um aviso conhecido há muito tempo: “quem semeia esperança nos caminhos dos homens, colhe paz e amor nas estradas da vida”. Porém, por onde passam os sentimentos de tantos brasileiros com relação à soberania da nossa Nação? Notamos que ainda existem no Brasil inúmeros precursores da imoralidade social. Não são fiscalizados em suas ações e ainda são escolhidos por eleitores nas urnas como seus legítimos representantes nas administrações públicas.

Necessitamos de urgência nas soluções éticas e morais das situações sociais e econômicas brasileiras. Educar a nossa população para seguir caminhos da Política educacional que é o nome dado a uma série de medidas planejadas e implementadas por um governo no campo da educação, intervindo nos processos formativos e informativos desenvolvidos em sociedade. O escritor Paulo Coelho, escreveu dizendo que: “Os encontros mais importantes já foram combinados pelas almas antes mesmo que os corpos se vejam”; Vinicius de Moraes, também deixou escrito que: “A vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida”! Eu digo que a vida é um inesperado e majestoso encontro, muito embora, existam vários desencontros na vida! Então, o encontro com as urnas eletrônicas supostamente seguras, deve ser ato de grandeza em favor da Nação Brasileira, e muito mais qualificado num exercício de cidadania e respeito aos destinos com sérios projetos administrativos do nosso País.

Devem ser projetos que tragam atividades desenvolvidas que abordem assuntos com política de bem-estar social, participação, democracia, direitos, entre outros, junto a crianças com ensinamentos decentes, em seu ambiente escolar. Se “políticas públicas” faz parte de tudo àquilo que um governo faz ou deixa de fazer, políticas públicas educacionais são partes integrantes daquilo que um governo faz ou deixa de fazer em educação. Porém, educação é um conceito muito amplo para se tratar das políticas educacionais. O brasileiro dever saber tudo sobre cidadania que é o conjunto dos direitos e deveres de um indivíduo. Com a presença do analfabetismo ainda maltratando e causando misérias aos pobres financeiramente. Até quando os falsos políticos mensageiros da paz prejudicarão a sociedade brasileira com tantas verbas desviadas para essas finalidades. Chega de afirmações que muitas pessoas não sabem de nada e, outras desconhecem as tristes manobras políticas escandalosas no Brasil, notadamente, com inúmeros desvios do erário público.

O que significa um Cidadão em sua essência social e humana? Cidadão é um indivíduo que convive em sociedade junto a grupo de indivíduos entre os quais existem relações dignas e recíprocas. Cidadão é o habitante da cidade, e tem o direito de gozar de seus direitos civis e políticos do Estado em que nasceu, ou no desempenho de seus deveres para com este. Ser cidadão é ter direito à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade perante a lei: ter direitos civis. É também participar no destino da sociedade, votar, ser votado, ter direitos políticos. Ser cidadão hoje significa estar atento aos grandes problemas do mundo e aos pequenos problemas do quotidiano e dar o nosso contributo, à nossa medida, para a sua resolução, sobretudo, dos problemas quotidianos do nosso concidadão.

Muitas pessoas visivelmente apavoradas falam incessantemente: “pare o mundo que eu quero descer”! Mas, ir para onde? Se o mundo fosse um avião e você tivesse que saltar, em que parte do mundo seria mais seguro? Penso que na verdade uns desceriam no primeiro bar que avistasse, outros escolheria uma praça de esportes e prazeres, outros, talvez, mais comodamente, optariam pela pirâmide das fortunas fácies, afinal atualmente, nem todos os seres humanos do nosso Planeta buscam a vida nas lutas que desafiam qualidades na força pela conquista da justiça e da paz. Basta o “TER”, não importa como, nem sabem o que! E como poderá chegar ao “SER”? Nessa analise podemos afirmar que a luta por direitos políticos e partidários, fazem parte de contingentes de indivíduos destinados ao enriquecimento ilícito em proporções desastrosas em que muitos perderam a vergonha no Brasil. PENSEM NISSO!!!

Eduardo Afonso – Ilhéus-Bahia