O juiz Sérgio Moro, futuro ministro da Justiça, defendeu nesta quinta-feira (8) regras mais “duras” para que o sistema prisional deixe de ser “leniente” com pessoas que praticaram crimes graves. Na opinião do juiz, pessoas que cometeram homicídios, por exemplo, deixam a cadeia antes do tempo que elas deveriam cumprir pena, de acordo com informações do G1. “Evidentemente, a questão carcerária é um problema e nós estamos refletindo sobre ela da forma mais apropriada. É necessário ampliar vagas, é necessário eventualmente ter um filtro melhor”, afirmou o futuro ministro da Justiça. Sobre o pacote anticorrupção apresentado pelo Ministério Público e desfigurado pela Câmara, Moro disse que a ideia do novo governo é resgatar parte das propostas e “inserir coisas novas”. O pacote está atualmente em análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. “A ideia é um plano forte, mas simples, para que seja aprovado em um tempo breve no Congresso. Anti-corrupção e anti-crime organizado, são as duas prioridades da próxima gestão”, concluiu. Quando assumir o Ministério da Justiça , Moro passará a ser responsável pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, pela Polícia Federal (PF) e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), por exemplo.