WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom ponte ilheus embasa secom bahia


Abril 2019
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  








AGRISSÊNIOR NOTICIAS -Edição 711 – ANO XV – Nº 34 – 22 de abril de 2019

BRASIL – PAÍS POBRE?

Altenides Caldeira Moreau

 Estamos num momento em que se fala e se espera que aconteçam fatos políticos, econômicos e sociais positivos para o bem-estar das nossas populações. A mudança de Governo e a chegada de novos personagens para os cargos da Administração e Direção do País, desperta em todos, novas esperanças.

Mesmo assim, existem os opositores sistemáticos e críticos pessimistas que não oferecem nenhuma contribuição para melhorar o que já temos. Só querem derrubar os governantes, pensando nos seus interesses pessoais.

Falam que o Brasil está “quebrado financeiramente”, que vamos nos igualar a Venezuela e outras heresias mais.

Não procuram, pelo menos, olhar para os dados estatísticos, que estão disponíveis na internet, pelo credenciado e acreditado IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – sobre as riquezas do nosso Brasil.

Ali pode se vê, que o Brasil não é um país pobre, e sim, com pobreza.

Produção de riquezas do Brasil :

209 milhões de cabeças de bovinos; 40 milhões de suínos; 19,7 milhões de toneladas de carne bovina/ano; 13 milhões de toneladas. de frango/ano; 4,2 bilhões de dúzias de ovos/ano; 237 milhões de toneladas de feijão/ano; 12 milhões de toneladas de arroz/ano; 19 milhões de toneladas de farinha de mandioca/ano; 96 milhões de toneladas de milho/ano; 63,7 milhões de toneladas de café/ano; 13  milhões de toneladas de trigo/ano; 121 milhões de toneladas de soja/ano;  35   bilhões de   litros de leite/ano;  570 milhões de toneladas de cana-de-açúcar/ano; 44 milhões de toneladas de frutas/ano; 40 mil toneladas de pimenta-do-reino/ano; 2 milhões de toneladas de algodão/ano; 20 milhões de toneladas de celulose/ano;   3 milhões de veículos motorizados/ano; 1 milhão de motos/ano; 12,5 milhões de televisores/ano; 34,4 toneladas de aço/ano; 229 milhões de celulares fabricados; 3,63 milhões  de barris de petróleo /dia.

O Brasil é o terceiro dos maiores produtores de frutas do mundo, depois da China e da Índia, somente.

O Brasil é o maior exportador de alimentos do mundo, tendo como principais clientes: China, Estados Unidos, União Europeia, Canadá, Argentina, Países Baixos, América Central e Caribe.

Este quadro estrutural de riqueza do Brasil não permite que se diga que é um país pobre.

A existência de 55 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha de pobreza, ou seja, famílias com renda insuficiente para adquirir os bens necessários `a digna sobrevivência, não é por falta de alimentos e de produtos industrializados, porque estamos alimentando muitos outros países através das exportações de milhões de toneladas de produtos.

A larga pobreza existente no Brasil é por falta de renda para os brasileiros terem acesso aos produtos. È por falta de emprego, de trabalho autônomo, de oportunidades para produzir, de educação técnica, falta de políticas públicas para distribuir renda, falta de desconcentração das rendas, melhoria dos salários, oferta de salários indiretos, planejamento familiar e tantas outras iniciativas governamentais.

Se fossemos patrícios e verdadeiramente brasileiros, não haveria tanta desigualdade no nosso modo de vida.

 

NOVO LIVRO

CACAU

UM BEM DA NATUREZA PARA PROVEITO DO HOMEM

Luiz Ferreira da Silva

Altenides Caldeira Moreau

Quem nunca se deliciou com uma barra ou bolo de chocolate? E muitos nem sabem do esforço dos pioneiros do cacau, chamados pejorativamente de “coronéis”; dos peões que labutam sol-a-sol e nem dos burros que carregam o cacau colhido e operam outras funções nas roças! O livro vai lhes contar.

A quatro mãos, escrevemos esta obra como gratidão ao fruto-ouro, numa nova visão sobre a planta dadivosa, na tentativa de divulgar, em primeiro plano, as suas propriedades fito-ecológicas.

 

A obra acaba de ser publicada pela Editora VIA LITTERARUM (www.vleditora.com.br

 

Vendas. Através dos autores: [email protected] e ac[email protected]r.

(R$ 25,00 (incluindo porte registrado)

 

RESUMO

Os autores, servidores da CEPLAC, se sentem agraciados pelo cacau, fruto-ouro que lhes facultou excepcionais condições por toda trajetória profissional, razão pela qual escreveram a presente obra como forma de gratidão.

Através de 15 capítulos, em síntese enfocam:

 

Ø. A epopeia dos pioneiros homens que, com esforço e luta, inclusive beligerante, implantaram a lavoura cacaueira, deixando ensinamentos para as gerações subsequentes, criando uma história agrícola sem igual.

Ø. As características do cultivo e posterior beneficiamento de suas sementes, além da interação do cacaueiro com o meio fitogeográfico da Mata Atlântica.

Ø. A importância da cacauicultura nos aspectos sociais, econômicos, ecológicos, além de se constituir num vetor de atração financeira e epicentro de desenvolvimento rural.

Ø. O chocolate, pelas suas características alimentícias, energéticas e até, como muitos acreditam, afrodisíacas, sem se esquecer do seu encanto que exerce entre as mulheres, companheiro nas suas crises emocionais, sobretudo ligadas a uma desdita amorosa.

Ø. As crises da cacauicultura em 1931 e 1957, ocasionando a intervenção do Estado com a criação do ICB e da CEPLAC, bem como a atual que se arrasta por mais de 20 anos.

Dessa forma, com uma linguagem simples e concisa, pretendem os autores dispor aos leitores as informações necessárias para ajuizarem sobre o valor deste cultivo para a região, para a Bahia e para o Brasil, podendo até ser considerado como Patrimônio Nacional.

 

CRÔNICA DO AMOR

Martha Medeiros

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.

Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam. Então?

Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.

Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.

É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.

Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.

Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.

Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!

Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.

 

O PENSAMENTO DA SEMANA

Pensamentos são como ventos, uns nos trazem frescor e outros tempestades.

 

POR QUE O CÉU É AZUL?

O azul do céu é o resultado da difusão da luz solar pela atmosfera. Se este não existisse, a camada superior ia ser toda preta e as estrelas seriam visíveis no dia inteiro.

Nossos olhos são sensíveis apenas a uma parte da radiação vinda do sol. No espectro total da radiação emitida pelo sol, esse componente visível é chamado de “luz”. Ela parece branca para nós; mas na verdade, esse branco é o resultado da superposição de todas as cores de azul para vermelho, como revelado pelos arco-íris.

A “decomposição” da luz branca também pode ser realizada com um prisma de vidro ou melhor, em um cristal. É, por exemplo, a origem dos derrames de petróleo numa estrada molhada. Pode-se também obter o branco combinando apenas três cores do arco-íris, uma no meio do espectro e as outras nas duas extremidades.

Essas três cores, chamadas primárias, são azul, verde e vermelho. Se três feixes de luz com essas cores e a mesma intensidade são sobrepostas em uma tela, tendem a originar o branco. Em geral, a combinação de duas ou três dessas cores primárias torna possível obter todas as outras na técnica “tricromática aditiva” usada, por exemplo, pela televisão.

A luz branca do sol é uma mistura de todas as cores do arco-íris. A luz viaja sob a forma de ondas de diferentes comprimentos. Cada cor tem seu próprio comprimento de onda. A luz viaja em linha reta até encontrar um obstáculo que a envia de volta em outra direção.

Quando os raios do sol entram na atmosfera, eles encontram os átomos, as moléculas de ar, as gotas de água e a poeira da qual a atmosfera é composta. As moléculas de ar têm o tamanho certo para difundir os comprimentos de onda mais curtos da luz, o roxo, índigo e azul, neste caso; comprimentos de onda mais longos, como os vermelhos, não são quase difundidos por essas moléculas de ar.

Então é uma mistura de roxo, índigo, azul, verde e uma pequena fração das outras cores que são difundidas pelo céu, dando a ele esse azul que conhecemos bem.

Fonte: https://www.sitedecuriosidades.com/curiosidade/porque-o-ceu-e-azul.html

 

A POESIA DA SEMANA

LAURA

João de Barro/Alcyr Pires Vernelho

 

Um vale em flor, a fonte,

O rio cantando

O sol banhando a estrada,

Frases de amor

Laura,

Um sorriso de criança

Laura,

Nos cabelos uma flor

Ô Laura,

Como é linda a vida!

Ô Laura,

Como é grande o amor!

Depois o adeus, o lenço,

A estrada, a distância,

O asfalto, a noite, o bar,

As taças de dor

Laura,

Que é da rosa dos cabelos

Laura,

Que é do vale sempre em flor

Ô Laura,

Que é do teu sorriso

Ô Laura,

Que é do nosso amor

A PIADA DA SEMANA

O caipira mineiro visita o compadre e encontra a filha dele adoentada.

– O que aconteceu com a sua menina?

– Está vomitando, compadre.

– Foi comida?

– Foi, mas o casamento é amanhã.

 

oOo

Acessar:

www.r2cpress.com.br

 

1 resposta para “AGRISSÊNIOR NOTICIAS -Edição 711 – ANO XV – Nº 34 – 22 de abril de 2019”

Deixe seu comentário





















WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia