EQUIPES DOS CAPITÃES CRISPA DA GALERA DO FLA E ELDON DO OFERTÃO GANHAM NA 16ª RODADA

Com grande participação de associados a Associação dos Veteranos de Esporte Praiano –AVEP, entidade de ‘babas de praia’ quase centenária de Ilhéus, realizou domingo (15) pela manhã sua 16ª rodada da aludida modalidade esportiva na praia, como sempre acontece, da Avenida Soares Lopes (imediações da Tenda Teatro Popular de Ilhéus). Com a bola rolando a equipe –no Campo Grimaldo– do Capitão Eldon do Ofertão venceu a do Capitão Alex de Moises pelo escore de 4 a 3 com gols do próprio Eldon do Ofertão(2) e Ismar Landgol(2); para a perdedora fizeram Charles Reis(2) e o próprio capitão Alex de Moises. No Campo Martial o quadro do Capitão Crispa da Galera do Fla ganhou do de Capitão Wendel da Autoescola por 2 a 1 com Claudio Assis e Daniel Murta fazendo os gols; o próprio guia Wendel da Autoescola fez o do perdedor. Os juízes Ilmario Ursulana Rocha (Campo Grimaldo) e Wilson Salviano arbitraram os ‘babas’ sem reclamações mais acintosas, conforme os olheiros de árbitros, por parte dos ‘babistas’. Coube coordenar os ‘babas’ o beque-um tanto-‘atacativo’ Dinho da Van, Diretor de Baba do Dia,

Equipes que jogaram, de acordo súmulas, no Campo Grimaldo:

(Cap. Eldon do Ofertão): Goleiro Zeca, Torisco do HSBC(Alan Firula entrou no intervalo), Luís Mario Garotinho e Everaldo Cabeça de Flande(Correia do HSBC entrou aos 10’ da 1ª etapa) e Eduardo Japonês;Marcos Paulo(Adauto Negocinho entrou no intervalo), Silva e Marconi; Ismar Landgol; Eldon do Ofertão e Mario Filho(Cesar Alves entrou aos 20’ da 2ª etapa)

(Cap. Alex de Moises): Goleiro Marcelo da Receita, Paulinho da AFC( Arthur ‘Alicate’ Kruschewsky entrou aos 25’ da 1ª etapa), Alvinho, Tiuba e Heckel Januário(Gilson entrou aos 35’ da 1ª etapa); Geraldo da Ceplac(Renatinho dos Leais entrou no intervalo), Erisvan(Tabosa do Ofertão entrou aos 30’ da etapa final) e Moises; Ivo Baba(Pescador entrou no intervalo), Charles Reis(Luciano Santana entrou no intervalo) e Alex de Moises

Equipes que jogaram, de acordo súmulas, no Campo Martial:

(Cap. Crispa da Galera do Fla): Goleiro Jamilton(Goleiro Rosivaldo entrou no intervalo) , Sizinio do Remo(Claudio Assis entrou no intervalo), Djalma Peludo, Junior Murta, Waldemar da Codeba(Souza da Polícia entrou no intervalo) e Mario Cabeça Branca; Vado do Bradesco, Passos de Uruçuca e Carlão do Taxi, Daniel Murta e Crispa da Galera do Fla.

(Cap. Wendel da Autoescola): Goleiro Fernando (Goleiro João de Canso entrou no intervalo), Pedro Chama Gol, Galletti da Rio de Engenho, Cesar de Militão e Prof. Jorge Reis; Danilo, Major do Bahia de Itabuna e Cesinha(Paulo Sergio entrou aos 30’ da 2ª etapa); Fabio Alan, Wendel da Autoescola e Garrancho 100 Anos de Praia(Ralio da Contabilidade entrou no intervalo)

COMENTÁRIOS.

Os comentaristas de plantão entenderam que houve dois bons ‘babas’, ou seja, bem disputados, pau a pau como se diz na gíria do esporte bretão, diferentes, portanto dos de goleadas de três rodadas anteriores. Anotaram que o time chamado pelo Cap. Alex de Moises chegou a fazer 2 a 0 até os 35’ da 1ª etapa, cedeu o primeiro

gol aos 40’ e o empate aos 43’ para o do Cap. Eldon do Ofertão. No 2º tempo a equipe do Cap. Alex de Moises entrou com tudo e fez 3 a 2 aos 20’, mas sofreu, embora dominasse a partida, novo empate aos 30’ em visível bobeira de retaguarda e, aos 38’ veio o 4 a 3 em um gol de categoria do atacante e capitão Eldon do Ofertão ao pegar de prima e voleio uma bola acertando o ângulo esquerdo do goleiro Marcelo da Receita. Aliás, os observadores, por unanimidade, não hesitaram em considerar Eldon do Ofertão o destaque da rodada. No Campo Martial o ‘baba’ também esteve parelho, mas com um pouco de sorte para o quadro do Cap. Crispa da Galera do Fla ao fazer um 1 a 0 no final do 1º tempo num gol um tanto despretensioso. No 2º fez 2 a 0 aos 15’ e começou a dominar o ‘baba’ tendo oportunidade inclusive de ampliar o marcador. Não acontecendo, aos 25’ a equipe do Cap. Wendel do Ofertão marcou e imprimiu pressão a do adversário fazendo por merecer o empate.

NOTAS

Observação: na arrumação não deu para colocar todas as fotos dos avepianos ao lado do craque Charles, ficando para a próxima Notícias esta possibilidade.

Também na próxima sairá notas sobre a aposta de Djalma Peludo x Ismar LandGol e do ponta Lenival Oliveira de Carvalho, o popular Ivo Baba, o mais novo associado –quer dizer, entrou nesta rodada– avepiano.

O presidente Djalma Peludo antes dos times se dirigirem para a praia reuniu a ‘rapaziada’ e, usando da palavra falou que a Cesta da Fraternidade de um tempo para cá tem ficado a desejar e fez um apelo para que cada sócio avepiano fizesse um esforço para doar pelo menos 1 quilo de alimento não perecível em cada rodada. Assim sendo as entidades filantrópicas recebedoras das doações iriam muito ficar agradecidas, como o próprio doador, pelo ato fraterno.

Continuando o presidente anunciou a doação pelo ex lateral-esquerdo de ofício – e sempre um avipiano retado – Eduardo Pita (conhecido como Dudu Pita) de quatro (4) jogos de uniformes (coletes) completos à AVEP. Em seguida, em nome dos associados, expressou os agradecimentos ao doador. Os uniformes foram expostos em uma mesa para a vista de todos os presentes. Ademais disse que o convidou para vir à reunião, embora soubesse de antemão que a filosofia do concedente se prende no ‘realizar‘ e não no gosto pelo ‘aparecer’, como acontece com boa parcela de nossa classe política e de nossas autoridades.

“BORA BAHÊA MINHA PO..A”

Quem esteve presente nesta 16ª rodada avepiana (15.09.2019) foi o ex craque de futebol do Esporte Clube Bahia: Charles Fabian Figueiredo Santos. Charles é de Itapetinga, cidade onde nasceu em 12.04.1968.

A trajetória de sucesso de Charles como jogador de futebol já é por demais conhecida de todo brasileiro, em especial do baiano, porém é sempre bom relembrar –num brevíssimo relato– que o craque jogou em importantes clubes como Grêmio, Cruzeiro, Flamengo, no Boca Junior da Argentina e claro, no Tricolor de Aço, agremiação onde iniciara ainda muito jovem sua brilhante carreira como craque de futebol profissional. Em todos eles sobressaindo-se como artilheiro, muito contribuiu para a glória dessas entidades esportivas.

Mas é no Bahia que em 1988, depois de sagrar-se campeão baiano e campeão brasileiro pelo Campeonato Brasileiro de Futebol ele galga a Seleção Brasileira.

E é justamente neste clube que Charles e o Bahia ou o Bahia e Charles são protagonistas, vamos dizer assim, de um episódio –vale recordar– de grandes dimensões, a ponto de repercutir em todo o Brasil e no mundo esportivo. A Seleção Brasileira se preparava para estrear em Salvador contra a Venezuela pela Copa América em 1º de julho de 1989, e o torcedor baiano tinha certeza que, respaldado pelos recentes títulos de campeão baiano, brasileiro –convocado para a Seleção– e, o mais importante, jogando o fino da bola, Charles atuaria na Fonte Nova e seria uma oportunidade de vê-lo envergando a camisa verde-amarela.

O regulamento da competição permitia a entrega da lista de inscritos na véspera do jogo. Como o seu faro de gol já era festejado em todo Brasil, essa condição fazia aumentar ainda mais a confiança dos baianos de ver o nome do ídolo do Bahia incluído na relação. Pronto, chegou o dia e, a decepção também. A reação igualmente veio de imediato: torcedores de várias cores, até do rival Vitória, enfim, o povo da Bahia se encheu de revolta e, pela primeira vez na história do futebol brasileiro a Seleção Brasileira –jogadores, representantes, principalmente o técnico Sebastião Lazaroni– foi desprezada, xingada, enxovalhada. Isso sem dizer do fiasco –fazendo parte do protesto– de público no estádio em todos os jogos da Seleção do Brasil e de outros países em Salvador.

Não diria que a queima de bandeiras brasileiras, como aconteceu, tenha sido um meio louvável de protestar, mas o motivo do protesto foi por demais compreensível. Foi assim como dá um basta aos costumes da Casa Grande, que persistiam continuar em evidência –como continuam– neste país chamado de Brasil Democrático e Republicano. Pô, o cara na época estava provadamente ‘comendo a bola’!! Será que foi à toa que o famosíssimo Maradona ao vê-lo jogar não hesitou leva-lo de imediato para o seu Boca Juniors??!! Será que os dirigentes –ou seu técnico– da Seleção não enxergaram isso??!!

Charles depois que descalçou as chuteiras atuou como auxiliar-técnico e técnico de futebol em vários clubes brasileiros, inclusive no Bahia. E está na praça. De futebol o cara já demonstrou que conhece.

Charles é primo do Diretor-de-Esporte e meia-atacante avepiano, Renatinho dos Leais.

Texto do associado Heckel Januário. Fotos das “babas” de Marconi Almeida, fotógrafo oficial e diretor de Divulgação da Avep. O Prof. Jorge Reis é o fotógrafo de momentos etílicos desta entidade e seu Secretário.