WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom bahia embasa sesab bahia


Abril 2020
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  






:: 1/abr/2020 . 20:27

Uma pesquisa multicêntrica de âmbito nacional, coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz para avaliar o programa De Volta para Casa, resultou na publicação de um dossiê na revista Saúde e Sociedade. Trata-se de um esforço interinstitucional para oferecer o panorama mais amplo possível sobre o programa voltado para a desinstitucionalização de pessoas internadas em hospitais psiquiátricos por períodos superiores a dois anos e, até então, nunca antes avaliado. O trabalho foi feito por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp – Baixada Santista), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e Instituto Philippe Pinel. A professora Gabriela Andrade da Silva e o professor Antônio José Costa Cardoso, da área de Saúde da UFSB, participaram da equipe de pesquisa e da redação de três dos artigos do dossiê.

programa De Volta para Casa (PVC) foi criado em 2003 e consiste na concessão de um auxílio-reabilitação, opções de moradia e oferta de serviço multiprofissional para apoiar o paciente na reabilitação fora de uma instituição hospitalar. Essa política faz parte de um contexto de mudanças nas políticas públicas de saúde mental, de um modelo hospitalocêntrico, no qual o sanatório ou o manicômio são os locais de tratamento em regime de internato, para um modelo de convivência na sociedade apoiado por estruturas de saúde de base comunitária. É uma forma de tratamento que prevê a inclusão do beneficiário na comunidade onde mora, com atenção para a autonomia e os direitos humanos da pessoa em sofrimento psíquico, e que deve muito aos princípios defendidos na  Reforma Psiquiátrica.

O trabalho conjunto dos pesquisadores, conforme a professora Gabriela, consistiu na aplicação de diferentes metodologias, envolvendo análise documental, entrevistas com pessoas que atuaram na implantação do programa, análise dos itinerários de vida dos beneficiários e observações cotidianas. Os cientistas atuaram vinculados ao Comitê de Acompanhamento da Pesquisa, instalado em cada um dos municípios integrantes da avaliação. Cada um desses comitês incluiu em sua composição os beneficiários do PVC, representantes das equipes atuantes no programa e das comunidades locais onde a pesquisa foi feita. 11 cidades nos estados da Bahia, Minas Gerais,Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo foram selecionadas, nas quais a equipe obteve dados de 108 beneficiários do PVC.

O primeiro artigo com co-autoria de pesquisadores da UFSB, O Programa de Volta para Casa na vida cotidiana dos seus beneficiários, trata da articulação metodológica empregada na avaliação multiterritorial do programa. O artigo Produção compartilhada de conhecimentos em saúde mental: o Comitê de Acompanhamento de Pesquisa  aborda com detalhes a criação e o funcionamento do do Comitê de Acompanhamento de Pesquisa (CAP), desenhado para a realização do estudo nacional sobre os resultados do Programa de Volta para Casa (PVC). O terceiro artigo, intitulado Narrativas e sentidos do Programa de Volta para Casa: voltamos, e daí?, mostra e discute os resultados encontrados na pesquisa, destacando as repercussões do Programa de Volta para Casa nas vidas dos beneficiários entrevistados.

A professora Gabriela e o professor Antônio contaram com uma equipe de discentes graduados no Bacharelado Interdisciplinar em Saúde no Campus Jorge Amado, em Itabuna. Hoje cursando Medicina no Campus Paulo Freire, em Teixeira de Freitas, esses profissionais e pesquisadores em formação foram também bolsistas: Renê Luís Moura Antunes e Jaqueline Leu dos Santos (bolsistas PIPCI); Daniela Viana da Silva, Samuel de Jesus Martins Branco, Sandro Menezes de Oliveira, Laís Ferreira Soares e Adinailton Delmiro dos Santos (bolsistas Fiotec). “Daniela e Samuel participaram diretamente da coleta de dados, realizando entrevistas e observação participante. Os demais participaram das transcrições, análises, interpretação e discussão dos resultados, escrita de trabalhos para periódicos e para eventos científicos”, detalha a professora Gabriela.

A professora Gabriela Andrade da Silva falou sobre a participação no estudo e os resultados encontrados, em entrevista concedida à ACS.

 

Qual a situação atual do PVC (tenho em vista que a pesquisa foi realizada de 2015 a 2018)?

Gabriela Andrade da Silva: O PVC continua vigente, beneficiando mais de 4 mil pessoas atualmente. Conforme mostrou nosso trabalho, o benefício tem possibilitado que essas pessoas retomem suas vidas: andar pela rua, fazer amizades, cuidar da casa, namorar, retomar estudos e até mesmo trabalhar têm sido algumas das diversas conquistas. Estamos numa época de retrocessos nas políticas de saúde mental, com o retorno gradual da lógica manicomial. Por isso, manter o programa em funcionamento e avaliar seu impacto é fundamental para mostrar que há alternativas efetivas que podem substituir as práticas de internação e isolamento.

 

Sobre a experiência metodológica do CAP, que preocupações orientaram a definição e a articulação dos métodos usados? Como foi a experiência de incluir beneficiários e trabalhadores no processo dessa pesquisa?

Gabriela Andrade da Silva: A instalação do CAP se deu para assegurar a uma maior horizontalidade entre pesquisadores e participantes da pesquisa. Em geral, os métodos de pesquisa originados no âmbito das ciências naturais têm como pressuposto que, quando fazemos uma pesquisa, é possível manter um distanciamento do objeto, de forma a apresentar descrições imparciais dos fatos, isentas de subjetividade do pesquisador. Entretanto, essa concepção tem sido questionada, sobretudo nas pesquisas em ciências humanas.

Nada em uma pesquisa é isento de subjetividade. A escolha dos pesquisadores determina a pergunta de pesquisa, o tipo de metodologia, a análise, quais resultados serão apresentados e como serão discutidos. São questões que guardam relação com conhecimentos técnicos e consensuais na comunidade científica, mas que também são determinadas pelas experiências e percepções do pesquisador. Assim, nas ciências ditas “duras”, a subjetividade do pesquisador é vista como um viés – isto é, um desvio, um erro. Entretanto, nas humanidades, consideramos que o erro é justamente admitir que alguma pesquisa não tenha vieses de subjetividade.

Desta forma, ao realizar pesquisa participante, é importante que essas escolhas possam ser compartilhadas, refletidas e negociadas entre pesquisador e participantes. Consideramos que o pesquisador também é participante da pesquisa e os sujeitos da pesquisa também compartilham, em maior ou menor grau, do papel de investigadores.

Assim, o CAP foi um espaço para proporcionar esse compartilhamento. Foi uma experiência rica! Em um primeiro momento, sentimos uma certa desconfiança das equipes de saúde mental dos municípios, por ser uma pesquisa avaliativa. Porém, conforme fomos conversando, compreenderam que nosso papel não era julgar o trabalho que faziam, mas construir junto com as equipes aquela avaliação e refletir sobre as potencialidades e os pontos que poderiam ser aprimorados. Assim, tivemos mais apoio nos trabalhos de campo. Nas interpretações dos resultados também consideramos ter uma boa contribuição do CAP: ao apresentar nossa avaliação a profissionais de saúde e usuários e permitir que falassem e até mesmo discordassem de nossa visão, surgiram novos insights.

 

A maior parte da população atendida corresponde aos grupos mais vulneráveis em termos sociais, econômicos e culturais, e os beneficiários estão se tornando idosos com histórico de institucionalização. O quanto o PVC está conseguindo amenizar ou reorganizar essas questões? Que desafios estão postos?

 

Gabriela Andrade da Silva: O PVC é um auxílio-reabilitação de R$ 412,00 (quatrocentos e doze reais). O valor é relativamente pequeno – menos da metade de um salário mínimo – e, portanto, certamente não é suficiente para manter todas as necessidades dos beneficiários. Entretanto, o auxílio não foi pensado como ação isolada, mas sim dentro de um contexto em que se pressupõe apoio familiar (quando possível), profissional (de trabalhadores da Rede de Atenção Psicossocial), moradia (quando estão em residências terapêuticas), saúde (pelo SUS) e, muitas vezes, outros benefícios, tais como aposentadorias e Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Assim, o que observamos foi que as necessidades básicas da vida, tais como alimentação, moradia e saúde, quase sempre estavam sendo supridas por outras fontes. O PVC, além de apoiar essas necessidades diárias quando necessário, também foi reconhecido por usuários e profissionais pelo aspecto de permitir que o beneficiário comprasse outras coisas, que podem à primeira vista parecer supérfluas, mas são justamente aquilo que proporciona que eles voltem a ser sujeitos, que façam escolhas e expressem vontades. Por exemplo: roupas, cosméticos, eletrônicos, instrumentos musicais, brinquedos, atividades de lazer. Poder escolher o que comprar, de que marca, de que cor, em que local, é uma forma de criar e expressar identidade, que é justamente o que foi apagado no processo de institucionalização dos manicômios.

Além disso, essas pessoas costumam criar laços com a comunidade por meio das compras. Ao frequentar a padaria do bairro, a mercearia, a academia, o salão de beleza, os beneficiários criam vínculos e passam a ser aceitos como cidadãos. Isso contribui para a desconstrução de preconceitos e integração com a vizinhança, com o território.

É sempre importante ressaltar que o PVC é fundamental para a reabilitação psicossocial, mas não pode ser o único benefício nesse processo: deve estar inserido como mais um elemento em uma complexa rede de serviços e apoio.

 

Que achados são importantes subsídios para melhorar essa política pública?

Gabriela Andrade da Silva: Esse resultado é extremamente relevante atualmente, pois desde 2017 temos observado retrocessos nas políticas públicas de saúde mental. Por exemplo: o hospital psiquiátrico foi reinserido na Rede de Atenção Psicossocial, inclusive permitindo-se internações de longa duração. Essa prática, embora defendida por parte dos profissionais de saúde, não se sustenta com base nos resultados desta e de outras pesquisas. Agora podemos dizer com toda a convicção que o PVC é um programa efetivo, que deve ser mantido. Na realidade, considero que o custo dessa intervenção é até bastante pequeno em relação às vantagens que proporciona no processo de desinstitucionalização.O principal achado foi que todos os 109 participantes da pesquisa, que iniciaram a desinstitucionalização e recebiam o PVC há treze anos, estavam em melhores condições do que durante a internação, em todos os aspectos: saúde física, saúde mental, vínculos, autonomia. Ou seja, a pesquisa mostrou que é possível realizar a desinstitucionalização e que a convivência em comunidade tem efeito terapêutico muito superior à internação.

Por outro lado, também constatamos que a autonomia dos usuários poderia estar ainda melhor – sempre pode melhorar, na verdade, pois é uma construção diária. Observamos que em algumas situações, o excesso de preocupação levou a práticas de cuidado que tendem a um controle desnecessário. Estando dentro do serviço, é preciso que profissionais sempre se perguntem qual é a justa medida entre cuidar/proteger e promover a independência/autonomia. Nesse sentido, tanto nos encontros do CAP quanto em nossas publicações, fizemos algumas reflexões sobre situações em que a autonomia poderia ser mais incentivada.

 


Heleno Rocha Nazário
Jornalista – Mestre em Comunicação Social (PPGCOM/PUCRS)

CEC/UFSB divulga Nota Técnica com recomendações a gestores e trabalhadores da Saúde

Foi publicada nesta quarta-feira (01) a Nota Técnica Nº 01, elaborada pelo Comitê Emergencial de Crise (CEC) da UFSB. A NT condensa diversas recomendações aos gestores e trabalhadores da atenção básica de saúde quanto às medidas de precaução no cuidado de pacientes com síndrome gripal, tendo como base as indicações do Ministério da Saúde. O documento ressalta a necessidade de atenção ao uso correto de equipamentos de protenção individual (EPIs) pelos profissionais de saúde, que estão na linha de frente na contenção do coronavírus e no tratamento da COVID-19.

Link para a nota técnica nº 1 – https://www.ufsb.edu.br/images/Noticias/documentos_CEC_covid-19/Nota_T%C3%A9cnica_N01.pdf

Link para a página com medidas e orientações da UFSB sobre o coronavírus –  https://ufsb.edu.br/component/content/article/2237-orientacoes-a-comunidade-academica-e-medidas-adotadas-para-prevenir-o-contagio-pelo-covid-19?catid=2


Heleno Rocha Nazário
Jornalista – Mestre em Comunicação Social (PPGCOM/PUCRS)

Sesau divulga panorama atualizado do coronavírus em Ilhéus

A cidade de Ilhéus já possui casos de transmissão comunitária do novo coronavírus (Covid-19), conforme informa a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau). O alerta emitido pelo órgão reforça as medidas de prevenção e a importância da população permanecer em isolamento social. A transmissão comunitária ocorre quando não é possível identificar a origem do contágio, indicando que o vírus circula entre pessoas que não viajaram ou não tiveram contato com quem esteve no exterior.

De acordo com o secretário Geraldo Magela, a população precisa seguir as recomendações das autoridades de saúde e permanecer em casa. Ele ressalta que não é o momento para gerar pânico, mas cumprir as medidas restritivas determinadas pelos órgãos competentes.

“Alguns casos foram confirmados sob o status de transmissão comunitária, logo não é possível identificar de quem a pessoa contraiu o vírus. É primordial que a população respeite a quarentena, ficando em casa para evitar a propagação da doença. A saída deve ser justificada apenas para situações necessárias e emergenciais”.

O secretário enfatiza que as equipes da Vigilância Epidemiológica monitoram todos os casos suspeitos. Segundo ele, uma vez que há transmissão comunitária no município, não existe uma localidade com maior ou menor risco de contaminação, todas as pessoas estão suscetíveis e vulneráveis ao vírus. Os casos testados positivos para a Covid-19 não possuem qualquer ligação.

Segundo a Sesau, Ilhéus registrou nesta quarta-feira (1º) mais dois casos confirmados de infecção por Covid-19. De acordo com as informações, trata-se de uma mulher de 39 e um homem de 43 anos. Até às 18 horas desta quarta-feira (1º), a cidade registrou 8 casos confirmados, 89 descartados, 42 suspeitos (aguardando análise do Lacen) e 219 casos monitorados, em um total de 91 atendimentos (entre informações, dúvidas e demais solicitações). Em casos de aparecimento dos sintomas, o cidadão pode entrar em contato com a Central Covid-19, através dos telefones (73) 9995-4010, (73) 98862-6206 ou (73) 98126-8856.

 Cuidados com a higienização

– Lave as mãos com frequência, com água e sabão, ou higienize com álcool em gel 70%;

– Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com o braço, e não com as mãos;

– Se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas e fique em casa até melhorar;

– Evite tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas. Ao tocar, lave sempre as mãos com água e sabão;

– Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos.

Comitê Emergencial de Crise da UFSB divulga primeiro boletim sobre Coronavírus

A Universidade Federal do Sul da Bahia publicou o primeiro boletim do “Observatório da Epidemia do Novo Coronavírus no Sul da Bahia”, informe elaborado pelo Comitê Emergencial de Crise da instituição sobre os casos de COVID-19 na região de abrangência da UFSB. A iniciativa tem por objetivo analisar a evolução da pandemia na região, em especial nas cidades dos três campi e naquelas com escolas integrantes da Rede Anísio Teixeira de Colégios Universitários (CUNI): Coaraci, Ibicaraí, Ilhéus, Itabuna, Porto Seguro, Santa Cruz, Cabrália, Teixeira de Freitas e Itamaraju, Eunápolis e Posto da Mata.

O primeiro número do boletim analisa os dados do período de 25/02 (data da confirmação do primeiro caso de COVID-19 no Brasil, em São Paulo) até a última sexta-feira (27/03). Além, o periódico mapeia as iniciativas de combate ao coronavírus na universidade e traz, de forma objetiva, dicas de prevenção. A coleta das informações é realizada pelo próprio comitê junto às secretarias de saúde das cidades e os dados são analisados por uma equipe técnica reunida a convite dos integrantes do comitê. O boletim terá periodicidade semanal, analisando os casos do período de sete dias anterior à data de publicação.

 

Link para o Boletim: https://www.ufsb.edu.br/images/Noticias/Observat%C3%B3rio_COVID-19_Boletim_01.pdf
Link para a página com informações institucionais da UFSB sobre o enfrentamento da pandemia: https://ufsb.edu.br/?view=article&id=2237:orientacoes-a-comunidade-academica-e-medidas-adotadas-para-prevenir-o-contagio-pelo-covid-19&catid=2

 


Heleno Rocha Nazário
Jornalista – Mestre em Comunicação Social (PPGCOM/PUCRS)

MAPEAMENTO DE SINTOMÁTICOS APRESENTA PRIMEIRO BOLETIM PARA ILHÉUS

Foi divulgado nesta terça-feira, dia 31, o primeiro boletim com dados coletados a partir de uma ferramenta on-line que tem o objetivo de mapear sintomáticos em Ilhéus. A ferramenta pretende indicar possíveis casos de infecção pelo novo coronavírus (Covid-19) no município, inclusive, através de um mapa interativo (veja aqui). O projeto independente foi idealizado pelo comunicólogo Lucas Vitorino (@lucasvitorino73) e o social media Jhonnis Melgaço (@jhonnismel). Clique aqui para acessar.

Os dados apresentados correspondem a informações de 29 pessoas que preencheram voluntariamente um formulário entre os dias 30 e 31 de março. Dos participantes, 19 afirmaram que são do sexo feminino e 10 do sexo masculino, entre as idades de 17 e 44 anos. Desses, 4 participantes (1 do sexo masculino e 3 do sexo feminino) disseram que aguardam o resultado de teste para Covid-19.

Sobre sintomas, afirmaram sentir: tosse (19 pessoas); febre (12 pessoas); coriza (8 pessoas); dor de garganta (12 pessoas); dor de cabeça (16 pessoas); dor no corpo (13 pessoas); tontura (7 pessoas); dor no peito (13 pessoas); dificuldade de respirar (13 pessoas), diarréia (1 pessoa); colite (1 pessoa) e calafrios (1 pessoa).
As localidades onde afirmaram residir esses sintomáticos são: Pontal (3 pessoas); Nossa Senhora da Vitória (3 pessoas); Hernani Sá (2 pessoas); Nelson Costa (4 pessoas); Iguape (1 pessoa); Salobrinho (1 pessoa); Teotônio Vilela (2 pessoas); Banco da Vitória (3 pessoas); Alto da Conquista (3 pessoas); Tapera (1 pessoa); Malhado (1 pessoa); Basílio (1 pessoa); Condomínio Sol e Mar I (1 pessoa); Centro (2 pessoas) e Barra do Itaípe (1 pessoa), com uma média de 2km de distância entre os sintomáticos, se consideradas linhas retas.
Os participantes também afirmaram que: apresentam sintomas há 1 semana (18 pessoas), há 2 semanas (10 pessoas) e de 3 a 4 semanas (2 pessoas). Ainda, 8 participantes afirmaram que pessoas próximas começaram a sentir alguns dos sintomas descritos, enquanto 17 negaram o fato e 5 afirmaram não ter conhecimento sobre essa questão.
Quando questionados sobre isolamento, os participantes responderam: que estão (19 pessoas) e não estão (11 pessoas). Sobre a procura a uma unidade de saúde, 8 pessoas responderam que já procuraram e 22 pessoas que não.

Os idealizadores do projeto reforçam que estes dados não correspondem a casos confirmados de Covid-19, apenas de pessoas que apresentam sintomas semelhantes. Os sintomáticos devem seguir, exclusivamente, as orientações das autoridades de saúde.

COVID-19: FERRAMENTA PARA MAPEAR SINTOMÁTICOS É LANÇADA EM ILHÉUS

O comunicólogo Lucas Vitorino e o social media Jhonnis Melgaço, disponibilizaram nessa segunda-feira, 30, uma ferramenta que pretende mapear possíveis casos de infectados pelo novo coronavírus (Covid-19) em Ilhéus.

A ideia é que pessoas que apresentam, por exemplo, sintomas como febre, coriza e dificuldade para respirar, preencham um formulário on-line, indicando também outras informações como idade, sexo e localidade de residência em Ilhéus. Não é necessário fornecer nome, endereço completo ou número de telefone.

A iniciativa não possui vínculo com secretarias de saúde, e, segundo os idealizadores, deve servir apenas para dimensionar um possível problema na cidade, disponibilizando também dados mais detalhados à população, através de boletins distribuídos à imprensa  periodicamente, à medida que os dados forem coletados.

Para acessar o formulário clique aqui: https://forms.gle/Pr3xqtJo3RteXSTP7

Pesquisador baiano faz mapeamento sobre estrutura urbana para pessoas com deficiência

A ideia é que o trabalho sirva para tomadas de decisões no setor público e privado, a fim de melhorar a experiência urbana da população
“Ao melhorarmos a estrutura urbana para pessoas com mobilidade reduzida, não estamos beneficiando somente este público, mas sim toda a população”. É assim que o pesquisador baiano Macello Medeiros, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), caracteriza a importância de um trabalho que desenvolve nos últimos anos através de uma parceria entre o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (CREA) e a Universidade onde atua. O pesquisador se dedicou a criar uma base de dados que reúne informações sobre acessibilidade em diversos equipamentos urbanos da capital baiana, o que pode auxiliar na tomada de decisões de empresas e na criação de políticas públicas.
Macello defende que ao dar visibilidade aos problemas enfrentados por pessoas com necessidades especiais e ao apontar as melhorias que podem ser feitas para promover a qualidade de vida, toda a população é beneficiada. “A requalificação de uma calçada, melhores sinalizações, passarelas adaptadas para cadeirantes, tudo isso favorece a população inteira, pois dentro da parcela de pessoas com mobilidade reduzida existem gestantes, obesos, idosos, mães com filhos pequenos, e todos eles são contemplados com a melhoria”, ressaltou.
Além disso, ele destaca que a acessibilidade ainda é um assunto que precisa ser defendido. “Pouco se fala sobre esse assunto por se tratar de uma parcela da população que é menor e transita de forma invisível, mas quando você permite a livre circulação, é gerada uma melhoria na relação da população com a cidade, que passa a ocupar cada vez mais praças, praias, parques, etc.”.
A inspiração para desenvolver o projeto surgiu da demanda de ações realizadas pelo grupo de trabalho de acessibilidade, mobilidade e cidadania do CREA, que conta com entidades representantes dos direitos das pessoas com mobilidade reduzida. Ao longo do período em que atuou no Conselho, Macello participou de diversas reuniões, palestras, seminários e eventos em geral que abordavam o assunto. A partir dali, surgiu o interesse para gerar dados sobre diversos equipamentos públicos, como praças, pontos de ônibus, dentre outros, para identificar como eles estão adaptados às pessoas com necessidades especiais. “A estrutura do banco de dados é dividida entre os seguintes pontos: crítico, aceitável e favorável, que é definido de acordo com o grau de adaptação para pessoas com deficiência (PCD)”, explicou. Seu trabalho chegou a ser publicado em um livro internacional chamado Brazilian Mobility, que pode ser adquirido através do portal da Amazon e no site da editora Routledge.
O projeto está concluindo a finalização da primeira versão de plataforma e recentemente foi contemplado no Edital Centelha Bahia, da Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb), vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), que vai conceder R$ 1,5 milhão em recursos para que 27 pesquisadores, no total, possam desenvolver seus projetos inovadores. “O recurso deste edital vai possibilitar que a plataforma funcione e que possa agregar novos equipamentos, como pontos de ônibus, passarelas, semáforos, faixa de pedestres, e, posteriormente, pretendemos expandir também para a análise das calçadas”, disse.

:: LEIA MAIS »





















WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia