WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Maio 2018
D S T Q Q S S
« abr    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  






:: ‘Gastronomia’

Aline Fidelman / Ouro na cozinha: quilo do açafrão verdadeiro custa cerca de R$ 70 mil

PARA LER EM TELA CHEIA CLIQUE NAS DUAS SETINHAS.

 

A “Moda” do Food Truck: origem.

Primeiro Food truck: criado pelo texano Charles Goodnight.

Primeiro Food truck: criado pelo texano Charles Goodnight.

Primeiro Food truck: criado pelo texano Charles Goodnight.

“Quem pensa que a moda do Food Truck (caminhão de comida) é nova se engana. Há mais de um século, os americanos já utilizavam o conceito desse restaurante ambulante. O primeiro Food Truck de que se tem notícia foi criado por Charles Goodnight em 1866, no estado do Texas. Charles sabia da dificuldade que os tocadores de rebanhos enfrentavam quando o assunto era alimentação. Por esse motivo decidiu adaptar um pequeno caminhão militar para levar comida a esses grupos de cowboys. No caminhão não havia refrigerador e a comida era basicamente grãos secos e outras difíceis de estragar. Carne somente salgada ou se algum animal do rebanho se machucasse e tivesse que ser sacrificado. Em 1890 já se via Food Trucks nas noites de Nova Iorque prontos para servir os trabalhadores de turnos noturnos. Já em 1950 cantinas ambulantes invadiram os EUA.

Food Truck do passado não muito distante

Food Truck do passado não muito distante

Em anos recentes o Food Truck voltou ao mercado. Principalmente depois da crise de 2009, quando muitas pessoas perderam seus empregos, os Food Trucks, a meu ver, servem a dois objetivos. Àqueles que perderam seus empregos, uma fonte de renda. Aos que não podem mais pagar restaurantes na hora do almoço, uma opção mais barata de comida preparada na hora. E a comida, como é?

As opções são muitas. Tem Food Truck para todos os gostos, até vegetariano. Mas logicamente, o que vai trazer mais retorno para o dono do caminhão é o gosto da maioria. Em cidades grandes como Nova Iorque, em um centro mais empresarial, onde as pessoas vão à academia todos os dias e são obcecadas pelo “fat free”, comidas muito gordurosas não farão o salário do fim do mês gordinho também. Mas existem Food Trucks de várias cozinhas e de diversos horários. Alguns são somente de café da manhã, outros de almoço e também outros só de jantar. Tem comida americana, italiana, grega, japonesa, chinesa etc.

:: LEIA MAIS »

Barriga de Trigo, do cardiologista William Davis.

Olá, queridos leitores do R2CPress!!

Após uma pequena pausa viajando a trabalho e também degustando diversos tipo de pães – entre eles o pão de queijo! -, bolos, hambúrgueres e salgados de festa sem glúten e sem lactose e caseína (proteína do leite), muito muito saborosos e aproximados do sabor “real” dos produtos aos quais estamos “adaptados ou acostumados” pela agroindústria, volto aqui no Blog do querido Rabat com a recente bibliografia na qual estou mergulhada: Barriga de Trigo, do cardiologista americano William Davis.

 Livro Barriga de Trigo

Livro Barriga de Trigo

Estou feliz com a evolução da nutrição e da gastronomia nas dietas “especiais”… e “só acho” que em pouco tempo a população perceberá que a nossa dieta regular e alguns produtos é que são de fato muitas vezes nociva a boa saúde e enfim mudaremos o conceito de “especial” para “essencial” em diversos âmbitos e hábitos!

Vale a pena entrar neste mundo e rever conceitos, melhorando sem sombra de dúvidas o seu estilo de vida, saúde e de corpo!
E vale mais a pena dar uma lida abaixo para entender melhor…

“Entre os cereais mais consumidos do mundo – em torno de  700 milhões de toneladas em 2013 –, o trigo está presente em praticamente tudo. Desde massas, pães, biscoitos e bolos até farinhas, cereais matinais, cerveja e doces. Eliminá-lo da dieta parece impossível ou um feito restrito aos *celíacos que não têm outra opção.

* Pessoas intolerantes ao glúten, um dos componentes do cereal integral.

O cardiologista sabia do grande desafio que tinha pela frente ao escrever o best seller norte-americano ‘Barriga de trigo’. Nele, o autor propõe uma vida completamente livre do cereal integral, alimento ao qual atribui não apenas a formação dos indesejados pneuzinhos na região abdominal, mas também o estímulo a uma série de outras doenças, entre elas as cardíacas, diabetes, artrite, alguns tipos de urticárias e até câncer. Sem contar os efeitos na pele, como a acne.

Boa parte dos malefícios causados pelo trigo tem como origem as alterações genéticas pelas quais o cereal passou nos últimos 50 anos. O autor explica que para aumentar a produtividade e a resistência da planta à seca e às pragas, a ciência tratou de realizar uma série de cruzamentos e modificações genéticas nas linhagens. O que pouco se questionou foram os efeitos dessas novas propriedades sobre a saúde humana.

Entre eles, William Davis cita os picos exagerados de açúcar no sangue, que acionam ciclos de saciedade alternados com um aumento do apetite, uma das principais justificativas para a formação da típica barriga que dá nome à obra. Segundo William, a elevação do nível de glicose repetidas vezes ao longo de períodos constantes culmina com a deposição de gordura principalmente no abdômen. Nos homens, o efeito se estende para as mamas, que ficam maiores à medida que mais estrogênio é produzido pelo tecido adiposo. Para se ter uma ideia, o autor garante que o consumo de duas fatias de pão integral aumenta mais a taxa de glicose no sangue do que duas colheres de sopa de açúcar branco.

Pão de forma sem glúten e sem Lactose

Pão de forma sem glúten e sem Lactose

A proposta, portanto, é radicalizar e eliminar o cereal de forma abrupta da dieta, mesmo que a dependência pareça insuperável. Apesar de concordar que o trigo foi geneticamente alterado a partir da década de 1960, a nutricionista e mestre em extensão rural Regina Oliveira garante que hoje a população não tem condições de abrir mão do trigo por completo. “O grão passou por uma mudança de estrutura. Se antes tinha menos de 3% de glúten em sua composição, agora esse percentual chega a 20%. Sem contar que muitas culturas são transgênicas, além de expostas a agrotóxicos”, explica. “Mas para tirá-lo da alimentação é preciso colocar outra coisa no lugar e trazer de volta outros alimentos que foram excluídos da alimentação, como alguns tubérculos”, acrescenta. O trabalho portanto é mais profundo e significa uma mudança cultural que pode levar anos.

Enquanto essa revolução não ocorre, o ideal é reduzir o consumo diário. “Hoje, a população brasileira come de quatro a cinco porções de trigo todos os dias. É, além de tudo, uma dieta pobre e homogeneizada. Com isso, há perdas nutricionais”, avalia. O ideal é tentar restringir o consumo do cereal a duas vezes ao dia. “Se consumido moderadamente, os danos, principalmente no que se refere à diabetes do tipo 2, não serão tão grandes”, garante.

NUNCA MAIS
“Mais esguio, mais esperto, mais ágil e mais feliz” são as promessas de William Davis para quem se propuser a dar o difícil passo rumo a uma vida sem trigo. Ciente da dificuldade que muitos vão enfrentar, o autor pontua quais são os alimentos mais indicados para preencher o amplo espaço vazio que os pães e massas vão deixar. Legumes, verduras, castanhas, sementes, carnes, ovos, abacates, azeitonas e queijos serão os principais aliados nesta mudança drástica de hábitos alimentares. O livro ainda traz algumas receitas para ajudar na diversificação do cardápio.

Degustação que fiz de um fornecedor de Salvador dos pães sem glúten, lactose e caseína (proteína do leite).

Degustação que fiz de um fornecedor de Salvador dos pães sem glúten, lactose e caseína (proteína do leite).

O que comer sem restrição, segundo William Davis
» Vegetais (exceto batata e milho)
» Castanhas e sementes cruas (amêndoas, nozes, pecãs, avelãs, castanhas-do-pará, pistaches, castanhas-de-caju, macadâmias, amendoins, sementes de girassol e de abóbora, gergelim, farinha de castanhas)
» Óleos (azeite de oliva extravirgem e óleos de abacate, nozes, coco, manteiga de cacau, linhaça, macadâmia e gergelim)
» Carnes e ovos
» Queijos
» Outros: semente de linhaça (moída), abacate, azeitonas, coco, especiarias, chocolate (não adoçado) ou cacau.”

Fonte: Livro ‘Barriga de trigo’, de William Davis.
Média de R$19,90 na compra virtual.

Até lá, Au Revoir.

Aline Fidelman

38 anos, Ilhéus-Ba.

Certificação de Beginners Chef pela Leiths School of Food & Wine – Londres (2007)

Diploma de Gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi – São Paulo (2010)

Pós-Graduanda em Gestão da Segurança de Alimentos – SENAC SP (Em curso)

Perfil Profissional: 3,5 anos de experiência em Catering & Eventos como supervisora de salão e Chef iniciante em Londres (2005), 2 anos de experiência como Chef em São Paulo (2009), 1,5 anos de experiência como Chef Executiva no RJ (2012), 1 ano de experiência como Gerente Operacional e Chef Executiva em Lauro de Freitas (2014).

Contato: [email protected]

Glúten e a doença Celíaca!

Olá senhores e senhoras gourmet do R2CPress!!

Como passaram de festejos do Carnaval?

Vamos então começar a fundo o ano de 2015 com expectativas de mudanças importantes, principalmente para nós brasileiros, temos muita luta pela frente e devemos encará-las com o nosso poder cívico.
Saliento aqui as perdas do mês de fevereiro, onde lamento a partida de tantas pessoas queridas, como a do Barão de Popoff, um ícone da simpatia e cordalidade nesta cidade! Vão em paz e encontrem a luz divina…

Espero que esta matéria ajude muitas pessoas a entender os malefícios da ingestão quando há intolerância, assim como a ingestão em excesso de certos ingredientes e alimentos!

Nunca é demais aprender, buscar conhecimento, pois assim encontramos saúde, felicidade e entendimentos importantes para a vida! Sair da “escuridão da ignorância” nos faz mais conscientes em todos os âmbitos, seja ela social, política, econômica, religiosa ou da saúde!

Busquem o conhecimento… o resultado vem em forma de saúde e felicidade de viver bem!

O que é Glúten:

Glúten é uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina glutenina, que se encontram naturalmente na semente de muitos cereais, como trigocevadacenteio aveia. Para algumas pessoas, a ingestão de glúten provoca danos na parede do intestino delgado, acarretando prejuízos para a saúdeAlimentos com Glúten.

Qualquer receita ou produto alimentar que apresenta na sua composição algum desses alimentos, vai possuir glúten, mesmo que em pequenas quantidades.

É muito frequente surgir em determinadas embalagens de produtos alimentícios a frase: “Contém glúten”. É um alerta para as pessoas intolerantes ao glúten não consumirem aquele produto.

O glúten se encontra no embrião de alguns grãos ou sementes. A sua capacidade de absorção de água e a sua viscosidade conferem à massa de farinha as propriedades que a tornam apta para a panificação. Como subproduto na obtenção do amido, é usado no fabrico de rações e alimentos ricos em proteínas e para a produção da glutamina.

Quando ingerido em excesso, o glúten pode provocar a diminuição da produção da serotonina, o que leva a um quadro de depressão mesmo nos indivíduos que não possuem nenhum problema de hipersensibilidade a essa proteína.

O excesso de glúten também propicia o aparecimento de psoríase e de artrite psoriática.

A palavra glúten tem origem no latim, sendo que gluten significa cola, o que pode ser explicado porque o glúten é uma substância viscosa.

Intolerância ao Glúten

Por ser uma proteína de difícil digestão, é comum haver algum tipo de intolerância ao glúten, semelhante à que ocorre com a lactose do leite, embora neste caso se trate de um açúcar.

Já a doença celíaca é uma reação autoimune do organismo provocada pela ingestão de glúten. As células de defesa atacam o glúten mas ao mesmo tempo atacam também as paredes do intestino, provocando uma atrofia na mucosa intestinal que impede a absorção dos nutrientes. É uma doença crônica que exige a eliminação total do glúten na dieta por toda a vida.

Acredita-se que a doença celíaca seja desenvolvida por pessoas geneticamente suscetíveis, sendo mais comum em mulheres e aparecendo geralmente na infância, embora possa surgir em qualquer idade.

Muitas pessoas são intolerantes ao glúten e por esse motivo, o mercado de produtos alimentares sem glúten tem crescido bastante, para suprir a necessidade de pessoas que não podem ingerir alimentos com glúten.

Glúten e Obesidade

Existem dietas que excluem totalmente o glúten da alimentação, porque algumas pessoas afirmam que o glúten está diretamente relacionado com a obesidade. Existe um livro da autoria de Regina Racco intitulado Glúten e Obesidade: A Verdade Que Emagrece, onde essa ligação é feita. Apesar disso, especialistas afirmam que a eliminação total do glúten só é aconselhada a pessoas que sejam intolerantes a essa proteína.

Nutricionistas também afirmam que como o glúten está presente em muitos carboidratos, a redução do glúten na alimentação implica uma redução nas calorias e consequentemente no peso, algo que acontece em qualquer tipo de dieta, com ou sem restrição do glúten.

Fonte da Matéria >>> http://www.significados.com.br/gluten/

—–

Até lá, au revoir!

Aline Fidelman
38 anos, Ilhéus-Ba.

Certificação de Beginners Chef pela Leiths School of Food & Wine – Londres (2007)

Diploma de Gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi – São Paulo (2010)

Pós-Graduanda em Gestão da Segurança de Alimentos – SENAC SP (Em curso)

Perfil Profissional: 3,5 anos de experiência em Catering & Eventos como supervisora de salão e Chef iniciante em Londres (2005), 2 anos de experiência como Chef em São Paulo (2009), 1,5 anos de experiência como Chef Executiva no RJ (2012), 1 ano de experiência como Gerente Operacional e Chef Executiva em Lauro de Freitas (2014).

Contato: [email protected]

Desmitificando as dietas!

Olá queridos conterrâneos, amigos e seguidores do R2CPress!
Vamos hoje desmitificar os tipos de dietas de acordo com restrições submetidas a cada uma delas, seja por intolerância ou meramente para seguir uma linha mais saudável de alimentação, desta forma evitando problemas futuros de saúde e mantendo uma alimentação equilibrada.
Existem dietas que desintoxicam, que previnem câncer, que eliminam a lactose ou glúten de alguns indivíduos e que de fato levam a resultados satisfatórios!
Conheço e ouvi depoimentos de pessoas que tinham diarreias crônicas (presença de lactose na alimentação) e outras com casos de enxaquecas que duraram “uma vida” e recorriam a diversos tipos de tratamento… sem sem sucesso! E que apenas por eliminar o GLÚTEN, se livraram como um “passe de mágica” da dor de cabeça que não deixava estes indivíduos viverem em equilíbrio e plenamente bem de saúde!
Segue uma tabela completa para que entendam o cada tipo de dieta e o que comem ou não cada grupo destas dietas:
01

01

Resta salientar que o VEGANO é também conhecido como o VEGETARIANO RESTRITO, que não ingeremalimento animal, apenas vegetal, tais como: grãos, leguminosas, vegetais, frutas e sementes.

Excluindo-se assim:

  • mel de abelha
  • leite animal
  • manteiga
  • ovos
  • carnes branca ou vermelha, frutos do mar e fazem uso de diversas outras proteínas vegetais como cogumelos, soja, etc.
Na próxima matéria abordarei mais a fundo sobre o que é o glúten e toda a polêmica sobre os ingredientes e alimentos que possuem o mesmo na composição.
E para não deixar de APOIAR ESTA CAUSA NOBRE, compareçam ao centro HEMOBA em Ilhéus na Marçonaria na Pç. Ruy Barbosa ou no Stand da Unimed na Av. Soares Lopes e salve vidas! Diga com orgulho: EU FUI!
__
Até lá! Au revoir!

__

Aline Fidelman

38 anos, Ilhéus-Ba.

Certificação de Beginners Chef pela Leiths School of Food & Wine – Londres (2007)

Diploma de Gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi – São Paulo (2010)

Pós-Graduanda em Gestão da Segurança de Alimentos – SENAC SP (Em curso)


Perfil Profissional: 3,5 anos de experiência em Catering & Eventos como supervisora de salão e Chef iniciante em Londres (2005), 2 anos de experiência como Chef em São Paulo (2009), 1,5 anos de experiência como Chef Executiva no RJ (2012), 1 ano de experiência como Gerente Operacional e Chef Executiva em Lauro de Freitas (2014).

Contato: [email protected]

Ela está de volta !!!!!!!

Deus quando resolve presentear um amigo é muito legal porque Ele capricha mesmo.
Olha só a surpresa que essa minha ‘sobrinha’ resolveu fazer.
Deu uma sumida e agora aparece, de uma hora pra outra, mais linda, mais ‘iluminada’, com uma energia positiva ‘daquelas’ e eu, por tudo isso, só tenho que agradecer.
Bjo, tia e saiba que estou muito  muito feliz.
Apenas para não passar em branco:
Os amigos (as) DELE e da barca Celestial, apanham, sofrem, ficam numa tristeza da zorra e depois do carimbo de aprovação (na Fé) levantam fortalecidos e encaram qualquer desafio, vencem todos eles e seguem firmes servindo de exemplos para alguns incrédulos ao “nosso” redor. (Já tem um tempinho essas linhas …).
Bjo, Bjo, Bjo e Bjo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Seu tio Rabat.

ALINE FIDELMAN CARTÃO NOVO

“Saudações aos queridos conterrâneos e amantes da culinária gourmet!

Estarei de volta ao Site  do queridíssimo tio Rabat, no nosso R2CPress, trazendo novidades saudáveis do mundo e para o mundo da Gastronomia e arte culinária.
Abordaremos entre tantos assuntos, a moda dos “Food Trucks” e Feirinhas Gastronômicas, Detox, a segurança na alimentação, as dietas especiais como o Veganismo, Vegetarianismo e restrições alimentares como a lactose e glúten com receitas que substituem ingredientes, e também uma e outra receitinha da Chef ou de Chefs famosos!

Vai aí uma tabelinha bacana para a substituição do ovo em receitas para os que procuram uma dieta Lactovegetariana (que não se alimentam de ovos e carnes!”

Para Lactovegetarianos!

Para Lactovegetarianos!

__

Até lá! Au revoir!

__aline fidelman uniforme

Aline Fidelman

38 anos, Ilhéus-Ba.

Certificação de Beginners Chef pela Leiths School of Food & Wine – Londres (2007)

Diploma de Gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi – São Paulo (2010)

Pós-Graduanda em Gestão da Segurança de Alimentos – SENAC SP (Em curso)
Perfil Profissional: 3,5 anos de experiência em Catering & Eventos como supervisora de salão e Chef iniciante em Londres (2005), 2 anos de experiência como Chef em São Paulo (2009), 1,5 anos de experiência como Chef Executiva no RJ (2012), 1 ano de experiência como Gerente Operacional e Chef Executiva em Lauro de Freitas (2014).

Contato: [email protected]

Aline Fidelman
Gastrônoma

 

Barão de Popoff em: Cartaz Nota DEZ


“SE SEU FILHO ADOECER, LEVE ELE A UM ESTÁDIO”
Cartaz exibido durante manifestação em Belo Horizonte

1931
Seis/Anos/Tinha
Da/Escola/Zefa/Chego
Choramingando/Digo:
– Vó/Professora/Me/Castigou
Rápido/Responde/Vó:
– Viu …/Se/Você/Fizesse/O/Dever
Ela/Castigaria?/Castigaria? …

2013
Oitenta/Dois/Depois
Nas/Telas/Das/Tvs
Amarelada/Veste
A/Choramingar
+ ou -/Diz:
– Fizemos/Isso/Aquilo/Vou/Fazer
Por/Que/Tanto/Levante?…
Como/Vó/Povo/Responde:
-Viu…/Se/Direito/Governasse
Eles/Levantariam?…/Levantariam?…

Nota
Nossa passeata outro dia, na TV elogiada foi.
Dia 28 outra haverá.
Se você quebrar é porque é do lado de lá.

Miguel Abreu / Galinha da Coroação

Galinha da Coroação
(Coronation Chicken, Jubilee Chicken)

Este prato foi criado por duas importantes gastrônomas inglesas para a coroação de Elisabeth II, em 1953, baseado em outro prato criado em 1935 para o jubileu de George III.

Em 2002, no Jubileu de Ouro da Rainha, foi novamente servido, passando a ser chamado “Galinha do Jubileu”.

De facílimo preparo, pode acompanhar a tradicional salada de alface americana, ou sobre uma fatia de pão, num sanduíche aberto.

Não apresentamos pesos ou medidas dos ingredientes, apenas suas proporções.

Vale a pena conferir a pedida, numa festa qualquer ou em alguma coroação tupiniquim.

Lá vai:

40% de peito de frango cozido na água, sal e pimenta (em cubos)
40% de maionese pronta
10% de chutney de manga ( pasta de manga cozida com óleo, mostarda, cominho, açúcar, vinagre, pimenta do reino, maizena, sal, gengibre, alho)
4% de abricó seco (pode ser ameixa)
4% de uva-passa amarela
2% de creme de leite.

EXPERIÊNCIAS GASTRONÔMICAS EM ILHÉUS E REGIÃO

No site DESTEMPERADOS, em www.destemperados.com.br , algumas pessoas que não se consideram especialistas em nada, contam as suas experiências gastronômicas em restaurantes espalhados por todo o Brasil.

Anabel Mascarenhas vem há algum tempo escrevendo alguns posts para o DESTEMPERADOS, sobre restaurantes localizados em Ilhéus e em Itacaré, que podem ser vistos aqui:http://www.destemperados.com.br/food-hunter/88/anabel-mascarenhas

Carlos da Silva Mascarenhas

[email protected]

SALADA KANIKAMA-BIFUM

Miguel Abreu
de Nevern Square, Kensigton, Londres,
especial para o R2CPress

Bifum é um macarrão chinês transparente, de arroz, de muito rápido preparo.
Você o deixa na água fria por dez minutos e depois joga na água quente, contando até dez, escorrendo-o.
Depois o tempera ao gosto.
Lá vai aqui a ótima receita acima anunciada:

1) Um pacote de bifum preparado e cortado a tesoura, em pedaços menores

2)1 pct de kanikama (falso siri) desfiado

3)1 ovo batido umas doze vezes, com o garfo, e frito como uma omelete fina, numa frigideira anti-aderente grande, com pouco óleo e depois cortado em tiras finas e longas

4)1 pepino japonês em rodelas e temperado com 1 cs de vinagre de arroz, 1 cc de açúcar e 1 cc de gengibre ralado

5) 1 cs de gergelim negro, torrado

6)1 cs de vinagre de arroz

7) 1 cs de shoyu (molho de soja)

8) 1 cc de açúcar branco.

Mistura tudo e o serve frio, como entrada a pratos quentes, de carne, como o Teppanyaki, Yakitori etc.

PAELLA (paêia)

por Miguel Abreu

A paella é o prato domingueiro do Sul da Espanha, talvez inventada por pescadores no Século XV ou XVI. Não tem uma fórmula fixa e cada familia ou restaurante a prepara ao seu modo, com seus ingredientes preferidos; cada um a faz com o que tem à mão, ou como gosta.

O que não muda é o caráter comunal e festivo do seu consumo; o arroz; o açafrão que lhe dá a cor amarela e a panela rasa, com duas ou três alças, onde é preparada. Poderia ser chamada de Risotto della Terra i della Mare, em italiano, ou Arroz de Mariscos com Carne de Porco (ou de coelho), em português, mas em Portugal a chamam, simplesmente, Arroz à Espanhola. A prefeita de Valencia, a capital da paella, recentemente postou na net uma receita dizendo ser aquela a verdadeira paella valenciana, mas logo apareceu um chef famoso a contestando. Fiz esta aqui abaixo, hoje.

1- Puz meia xicara de azeite numa frigideira funda, dourei 3 dentes amassados de alho e meia cebola picada

2- Acrescentei um punhado de bacon magro e uma coxa e sobrecoxa de frango, em pedaços
pequenos

3- Dois punhados de moapen, dois de camarão rosa, dois de vagem em pedaços

4- Um copo de arroz e caldo de cabeça de peixe, camarão e siri, até cobrir tudo generosamente.

5- Lancei uma colher pequena de açafrão-da-terra (cúrcuma) uma de curry, uma pitada de pimenta em pó

6- Salpiquei umas quatro colheres de salsa picada e umas rodelas de pimentão vermelho

7 -Por cima, distribuí umas lambretas na casca, lavadas, camarões pistola, sem as barbas,
os espetos da testa e da cauda e mais duas postas de robalo

8- Meti no fogo baixo, não deixando secar completamente o caldo.

Renderam quatro porções.

Na Espanha usam o açafrão verdadeiro, caro, que solta um colorido amarelo mais forte.

Açafrão é uma palavra derivada da língua árabe, assim como safra (“al safr”= o ouro).

XIMANGO

por Miguel Abreu

Caseiro

Conheci o ximango na praia de Copacabana, onde o vendiam em grandes sacos plásticos,
mas eram todos velhos, insípidos e rançosos.

-“Como podem comer isso ?”-, pensei.

Muitos anos depois, no Ed. Marte, em Salvador, Lícia Ednólia, de Itapetinga,
me serviu alguns elaborados por sua avó, Dona Santinha. Aí, sim, valeu.
Novos, excelentes para acompanhar o café no inverno, não há nada igual.
Anos depois, em Riacho de Santana, uma mulher me explicou a execução desta iguaria indígena:

1- Numa tigela, põe um prato de polvilho azêdo.

2- Ferve 1 xc de leite, 1 xc de água, 3 cs de manteiga, 1 xc de óleo, 1 cs de erva doce, pouco sal e derrama tudo na tigela.

3- Escalda a massa, a esfria e incorpora 4 ovos e 1xc de queijo minas picado ou 4 cs de parmeson. Mistura bem.

4- A massa não gruda nas mãos. Forma roletes encurvados (como um bumerangue) e os assa, sem untar a assadeira.

*Na receita antiga, manteiga e óleo eram substituídos por banha de porco, derretida.

*No Sul, “ximango” é também uma ave de rapina, um falconídeo parente do nosso carcará.

*No litoral da Bahia, onde é fácil chegar a farinha de trigo, os alimentos à base de mandioca e milho foram de certo modo abandonados, uma tendência que agora se reverte.





















WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia