WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


novembro 2018
D S T Q Q S S
« out    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  






:: ‘Agricultura’

C O N V I T E

Convidamos para reunião no dia 04 de setembro de 2017 às 9:00 horas, na sede do Sindicato Rural de Ilhéus, com o pessoal da Dengo e CIC para tratar da Logística de “Mercado de Cacau de Qualidade” na Região Sul da Bahia, exigências de qualidade nesse novo mercado e os esclarecimentos sobre os prêmios pagos por qualidade do cacau.
Atenciosamente
Milton Andrade Junior
Presidente

Nota à imprensa 

Salvador, 25 de julho de 2017
A Superintendência Regional do Incra na Bahia recebeu, nessa manhã desta terça-feira (25), cerca de 280 militantes de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que ocupam a área externa do prédio, em Salvador.

A regional baiana aguarda, por parte das lideranças, a apresentação de um comunicado oficial sobre a motivação da ocupação.

Está prevista ainda uma reunião, a ser agendada, que vai tratar sobre o andamento de uma pauta apresentada pelo movimento no mês de maio.

O Incra já avançou em diversos pontos dessa pauta, que abrange ações de vistorias de imóveis rurais, infraestrutura de assentamentos e concessão de créditos.

Ministério da Agricultura

Mapa prepara plano de contingência para evitar entrada de novo fungo que ataca plantações de banana

Ministério da Agricultura e Embrapa devem anunciar, até o fim de agosto, medidas de prevenção ao Mal do Panamá

Brasília (24/07/2017) – Um dos maiores produtores mundiais de banana, o Brasil trabalha para manter a sanidade das áreas de plantio da cultura. Até o final de agosto, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Embrapa Mandioca e Fruticultura devem anunciar o Plano Nacional de Contingência para o Mal do Panamá – doença considerada hoje como a principal ameaça aos bananais em todo o mundo. Em 2016, as exportações brasileiras da fruta somaram US$ 21,04 milhões, o equivalente a 64,4 mil toneladas.

De acordo com o Departamento de Sanidade Vegetal (DSV) do Mapa, o plano prevê a adoção de medidas para evitar a introdução da raça 4 tropical do fungo causador do Mal do Panamá no Brasil. Essa nova raça está provocando grandes perdas no sul da Ásia, Oriente Médio e Moçambique.

O Brasil convive desde a década de 1950 com a raça 1 do fungo, lembra o chefe da Divisão Prevenção e Vigilância e Controle de Pregas do DSV, Ricardo Kobal. “A raça 1 do Mal do Panamá atinge a variedade de banana maçã, causando grandes perdes na produção.” No continente americano, a raça 4 ainda não foi encontrada e a sua introdução poderia trazer sérios problemas à produção da fruta. A raça 4 provoca danos às variedades prata, nanica, nanicão, que representam quase 90% das variedades de bananas plantadas no Brasil.

Por meio do plano de contingência, o Mapa e a Embrapa vão dar informações aos produtores e ao público em geral sobre quais precauções devem tomar para prevenir a entrada da doença no território nacional. Brasileiros que pretendam viajar ao sul da Ásia, Oriente Médio e Moçambique, locais de maior ocorrência do fungo, também precisam estar evitar trazer objetos feitos com palha de bananeira, por exemplo. “Também é importante que as pessoas limpem o que fica de terra nos sapatos e lavem as roupas antes de embargar de volta ao Brasil.”

O mal do Panamá é causada pelo fungo Fusarium oxysporum f. sp. cubense que está disseminada em regiões produtoras de banana do mundo. O fungo pode sobreviver no solo por mais de 20 anos ou ainda em hospedeiros intermediários (ervas daninhas específicas).
As principais formas de disseminação são plantas doentes, solo contaminado com o fungo, transporte de terra em máquinas agrícolas, uso de ferramentas de desbaste infectada com o fungo e água de irrigação com presença de esporos do fungo.

CONVITE / Sindicato Rural de Ilhéus

Prefeitura organiza cadastramento de produtores em programas de alimentos e de habitação

Agricultores e comunidade indígena recebem atenção da Prefeitura – Secom

A equipe técnica da Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca (Seap) da Prefeitura de Ilhéus esteve reunida com cerca de 30 agricultores familiares e comunidade indígena da região do Acuípe do Meio II. O objetivo foi repassar à comunidade informações e esclarecimentos sobre o Programa de Aquisição de Alimento (PAA) e o Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR).Um convênio com a Caixa Econômica Federal está para ser publicado no Diário Oficial da União, visando a construção de 200 unidades habitacionais, na localidade rural de Cururutinga, próxima a região do Santo Antônio.

Na manhã de hoje (6), técnicos da Seap, participam de um Dia de Campo, onde farão medições com pontos de georreferenciamento, fotografias, coleta e emissão dos dados em sistema. A empresa vencedora da licitação, a OCA Construção e Incorporação, entrará com a contrapartida, de acordo com exigência do Edital, reformando alguma obra pública já existente, seja uma praça ou escola, a ser futuramente definido. Outro ponto importante exigido é a mão de obra local que será contratada. Fora os engenheiros, os profissionais deverão ser da localidade, o que representa mais geração de renda para a região.

Valorização da produção – Segundo a chefa de Agricultura, Aclécia Souza, para a realização do cadastro, tanto no PAA quanto no PNHR, os agricultores familiares e indígenas devem procurar a Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca. “O PAA é uma reconquista deste governo. Para isso é necessário à apresentação dos documentos pessoais e das Declarações de Aptidão ao Pronaf (DAP’s), estas, preenchidas corretamente”, informou.

“Os índios produzem muito, a expectativa é a melhor possível”, completa Aclécia. Muitos indígenas ainda jovens deixam as aldeias e se integram à lógica da cidade. “Vários fatores influenciam este tipo de migração, como o crescimento demográfico maior do que as áreas cultiváveis. O PAA estimula as famílias indígenas a continuarem com o trabalho no campo, garante segurança alimentar e melhora o aproveitamento de recursos naturais nas aldeias”, ressaltou.

Atendimento no campo – De acordo com o secretário municipal, Angelito Dias Filho, o atendimento in loco, na zona rural, nas áreas de manejo, melhora a produtividade. O titular da pasta ressaltou a importância do prefeito Mario Alexandre, quando lutou em Brasília para desbloquear o PNHR, travado na antiga gestão.  “É uma maneira de mostrar toda a estrutura disponível, atender os produtores e também verificar quais são suas necessidades diante das possibilidades”, explica Angelito.

Governador da Bahia lanca programa Bahia Produtiva na CEPLAC

PARA LER EM TELA CHEIA CLIQUE NAS DUAS SETINHAS.

Agricultores familiares da vila de São José realizam este mês feira agrícola

Agricultores familiares da vila de São José realizam este mês feira agrícola- Fotos Secom Ilhéus

A comunidade rural de São José, situada na zona norte de Ilhéus, realiza no próximo dia 17, nas proximidades da escola municipal Reis Cerqueira, na localidade, mais uma edição da feira agrícola, que conta com o apoio da secretaria de Educação (Seduc).

De acordo com os organizadores, além de comercializar diversos produtosin natura que poderão ser utilizados na culinária junina, a iniciativa também serve para estimular a produção no campo.

O administrador da localidade rural, Gilberto Santos (Neguinho), que também faz parte da organização do evento, ressaltou que em paralelo a esta ação, será realizado um bingo, cuja parte da renda será revertida em favor de trabalhos sociais na vila.

Prefeito de Ilhéus destaca importância da aquisição e distribuição de alimentos da agricultura familiar

Rita dos Santos é presidente da Associação dos Pequenos Agricultores e Moradores da Região de Maria Jape, zona rural de Ilhéus. Filha de trabalhadores do campo, durante muitos anos acompanhou os pais quando eles comercializavam a pequena produção na extinta feira da Dois de Julho. “Era um tempo difícil. Eles produziam pouco e não existia uma expectativa de venda”, lembra.

Produtos chegam até em barcos pequenos – Clodoaldo Ribeiro

Hoje, liderando um grupo de 43 pequenos agricultores da sua localidade, Rita comemorava a parceria com a Prefeitura de Ilhéus, que adquiriu boa parte da safra produzida pela comunidade através do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

“Trata-se da valorização do homem e da mulher do campo. Mas é, também, um gesto solidário e de reconhecimento às entidades que, mesmo diante dos parcos recursos que dispõe para a sua manutenção, se dedicam ao próximo, aos que mais precisam”, disse o prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre Sousa, ao visitar o centro de distribuição dos produtos in natura, no Terminal Pesqueiro do Município.

Metade do programa executada em prazo recorde

Ontem e hoje (31), a secretaria municipal de Agricultura e Pesca (Seap) realizou a 6ª operação de recebimento da produção do campo e entrega para as entidades da rede socioassistencial do município, todos contemplados pela iniciativa. “Esta semana estamos atingindo 52 por cento do cumprimento do programa”, revela o titular da Seap, Angelito Dias Filho. Bloqueado no último semestre de 2016, durante a gestão anterior, o programa foi reativado em abril deste ano com recursos da ordem de 976 mil reais, beneficiando 308 agricultores familiares e 21 entidades beneficentes de Ilhéus.

Da longínqua localidade do Valão, ponto final da região agrícola do Itariri, onde residem e produzem no campo 35 famílias de pequenos agricultores, hoje chegou polpa de Açaí e de Cupuaçu, além de uma grande quantidade de quiabo e abóbora. Produtos que vão reforçar a mesa das creches, asilos e associações comunitárias selecionados pelo Conselho Municipal de Assistência Social.

Durvaci Alves participa pela primeira vez do PAA. Até então comercializava a sua produção apenas nas Feiras Livres de Ilhéus. Estava acostumado a uma perda de 30 por cento as frutas e verduras, por falta de comprador. Agora, com toda a produção adquirida pelo programa, comemora a boa fase. “Se continuar assim tá bom demais”, assegura. O município de Ilhéus, de acordo com o secretário Angelito Dias, já trabalha para, ano que vem, ampliar os recursos disponibilizados, o que resultará em mais agricultores envolvidos e mais entidades beneficiadas.

Rui se reúne com prefeitos e garante mais R$ 70 milhões para agricultura familiar

By ManuDias GOVBA

Por meio do Governo do Estado, estão assegurados mais R$ 70 milhões para a agricultura familiar na Bahia. Em evento realizado na União dos Municípios da Bahia (UPB), em Salvador, na manhã desta quarta-feira (31), o governador Rui Costa assinou a adesão do Estado ao programa Garantia-Safra – que destina renda mínima para até 345 mil famílias que perderem a lavoura – e anunciou novas ações do Bahia Mais Forte, programa estadual executado pela Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).

Para Rui Costa, o Garantia-Safra “é importante porque significa recursos que entram nos municípios baianos para as famílias dos agricultores no caso de uma seca, como a que tivemos no último ano”. Além de garantir recurso para aqueles que perderam sua lavoura, o Governo do Estado também está dando as condições para os agricultores familiares que podem manter sua atividade agrícola.

“Apenas para citar dois exemplos, “até julho, 170 tratores agrícolas chegarão ao interior para ajudar a agricultura familiar na Bahia, e estamos comprando R$ 3 milhões em mudas de palma para alimentar os rebanhos dos produtores”, acrescentou Rui.

Além de licitar a aquisição de 10 milhões de mudas de palma forrageira, por meio do Projeto de Segurança Alimentar do Rebanho, o governador assinou o termo de cooperação entre a SDR e a Secretaria de Segurança Pública (SSP) para implantação da Ronda Maria da Penha Rural.

O evento conta com a participação de 265 prefeitos e 200 agricultores familiares do semiárido baiano, movimentos sociais ligados ao setor, autoridades políticas e 33 entidades prestadoras de serviços de assistência técnica.

CONVITE / Sindicato Rural de Ilhéus

Governo do Estado viabiliza R$ 33 milhões para pagamento do Garantia Safra a agricultores familiares

Feira de produtos orgânicos do Centro de Economia Solidária.
Fotos: Pedro Moraes/GOVBA

A economia de municípios baianos será aquecida, a partir desta quinta-feira (13), com a liberação de R$ 33 milhões, referentes ao pagamento das indenizações do Garantia Safra (2015/2016) para quase 200 mil agricultores familiares que tiveram perdas na produção. O anúncio foi feito pelo governador Rui Costa em suas redes sociais na tarde desta quinta-feira (13).

Deste valor, R$ 23 milhões são referentes ao pagamento das últimas parcelas da Safra Verão, que indenizou mais de 137 mil famílias de agricultores. Os outros R$ 10 milhões estão sendo destinados ao pagamento da primeira parcela da Safra Inverno, para cerca de 60 mil famílias de agricultores familiares baianos.

“O desejo do governo é que não houvesse perda de safra porque é um fator ruim para todos: agricultor familiar, municípios, Estado e União. E o Garantia Safra, aliado a outras ações estratégicas, desempenha um papel importante para enfrentar problemas relacionados à seca. O governo vai continuar apoiando os agricultores familiares, e, na medida em que houver frustação de safra, disponibilizará aporte financeiro, em parceria com a União e os municípios”, afirma o governador Rui Costa.

:: LEIA MAIS »

DEMARCAÇÃO: AUDIÊNCIA COM O SECRETÁRIO DE JUSTIÇA.

Por EDGARD SIQUEIRA

PARA LER EM TELA CHEIA CLIQUE NAS DUAS SETINHAS.























WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia