Representantes da Força Nacional, do Exército Brasileiro, da Polícia Civil e da Guarda Municipal concederam na tarde desta quarta-feira (8), no Salão Nobre do Palácio Paranaguá, uma entrevista coletiva à imprensa regional onde fizeram um diagnóstico da segurança em Ilhéus durante esse período da greve da Polícia Militar na Bahia e as estratégias para continuar garantindo a tranquilidade na cidade durante o período da paralisação. Todos os segmentos foram unânimes em afirmar que Ilhéus não vive num clima de insegurança e as ocorrências registradas nos últimos dias estão dentro da normalidade.

O prefeito de Ilhéus, Newton Lima, demonstrou sua preocupação com a sensação de insegurança que a cidade atravessa, provocado, sobretudo por segmentos que atuam lançando boatos de arrastões e assaltos, mas reafirmou que o trabalho conjunto da Força Nacional, do Exército, da Polícia Civil e da Guarda Municipal tem conseguido reverter o quadro, garantindo o funcionamento do comércio e o oferecimento de serviços essenciais como a saúde e os demais serviços públicos.

O representante da Polícia Civil, delegado Jamal Amad, informou que não há situação de pânico na cidade e os crimes registrados em Ilhéus nesse período de greve dos policiais militares não são alarmantes. Ele informou também que a Polícia Civil vem trabalhando normalmente para garantir a segurança da cidade, atendendo os casos emergenciais através do telefone 197. O problema, segundo ele, é a sensação de insegurança causada pelos boatos espalhados por setores interessados em tirar dividendos dessa situação.

O representante do Exército Brasileiro, Major Carlos Henrique Tosin, disse que tanto a 18ª Circunscrição do Serviço Militar (CSM) quanto a Força Nacional estão com homens nas ruas para garantir a segurança da cidade. Somente a CSM colocou nas ruas cerca de 70 homens, que se revezam durante 24 horas. Já o capitão Celso, da Força Nacional, não revelou seu efetivo, mas garantiu que tem sido suficiente para o patrulhamento da cidade. E se houver necessidade de reforço, em poucas horas mais policiais seriam deslocados para a cidade.

Já a Guarda Civil Municipal continuará nos mais diversos pontos da cidade para proteger o patrimônio público e assegurar o pleno funcionamento de serviços essenciais, como os postos de saúde, escolas e coleta regular de lixo. A Polícia Militar também tem atuado na garantia da segurança do presídio Ariston Cardoso e do Hospital Geral Luiz Viana Filho. O objetivo dessa entrevista coletiva, conforme explicou o prefeito Newton Lima, foi o de convocar a imprensa para mostrar as ações que estão sendo implementadas na cidade para garantir a segurança e transmitir para os ilheenses a sensação de tranquilidade, buscando assim o retorno da normalidade dos mais diversos serviços.