WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
embasa secom bahia embasa


novembro 2012
D S T Q Q S S
« out   dez »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  






:: nov/2012

DO FUNDO DO BAÚ DE JOSÉ LEITE (ESPECIAL)


1) SALVE O CENTENÁRIO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ILHÉUS.
2) 2013: SERÁ COMEMORADO MAIS UM CENTENÁRIO EM ILHÉUS.
3) AS FOTOS DESTAQUES DA SEMANA.

:: LEIA MAIS »

Boletim Eletrônico da Agência Câmara de Notícias

Manchetes do dia

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ASSISTÊNCIA SOCIAL

COMUNICAÇÃO

CONSUMIDOR

DIREITO E JUSTIÇA

RELAÇÕES EXTERIORES

SEGURANÇA

DEMARCAÇÃO: UM EXEMPLO QUE NOS SERVE DE ALERTA.

por Edgar Siqueira

As noticias divulgadas esta semana vindas do Mato Grosso do Sul, reforçam a nossa afirmativa de que estamos sendo engabelados por noticias fantasiosas, fruto de vaidades pessoais de pessoas que praticamente não tem nada a perder com o processo de demarcação.

A noticia de que o Tribunal Federal da 3ª Região (SP e MS) cassou na terça feira (30/10) liminar (decisão provisória), de um Juiz Federal de Naviraí (MS). Que determinava a desocupação pelos índios guarani-kaiowá  de área na Fazenda Cambará, em Iguatemi, a 466 km de Campo Grande.

A informação foi anunciada pelo Ministro da Justiça, (dos índios) Eduardo Cardozo, em reunião com seus coligados membros da etnia, na Secretaria de Direitos Humanos (só dos índios) da Presidência. Cardozo informou ainda o envio da Força Nacional e Policiais Federais (para proteger um lado, o que dá mais ibope no hemisfério norte, os índios).

Pela nova decisão, os índios devem permanecer no local (uma propriedade particular) até que sejam terminadas os procedimentos administrativos de demarcação de terras (e o seu legitimo proprietário seja expulso). Numa clara violação do Estado Democrático de Direito.

Esta gigantesca operação de apoio aconteceu depois da chantagem que os índios fizeram, que, caso fossem expulsos iriam cometer suicídio coletivo. Com esta ameaça os índios conseguiram DITAR A LEI. Com o apoio incondicional de todo aparato governamental, capitaneado pelo Ministro da Justiça (dos índios) e pela Secretaria dos Direitos Humanos (só dos índios), Maria do Rosário.

:: LEIA MAIS »

Lida em Loja

Os Gansos Selvagens

Quando os gansos selvagens voam em formação “V” Eles o fazem a uma velocidade 70% maior do que se estivessem sozinhos.
Eles trabalham em Equipe.

Quando o ganso que estiver no ápice do “V” se cansa ele passa para trás da formação e outro se adianta para assumir a ponta.
Eles partilham a Liderança.

Quando algum ganso diminui a velocidade os que vão atrás grasnam encorajando os que estão à frente
Eles são Amigos.

Quando um deles, por doença ou fraqueza, sai de formação outro, no mínimo, se junta a ele, passando a ajudá-lo e protegê-lo.
Eles são Solidários.

Sendo parte de uma equipe nós podemos produzir muito mais e mais rapidamente.

A qualquer instante também podemos estar sendo indicados para liderar o grupo.

Palavras de encorajamento e apoio inspiram e energizam aqueles que estão na linha de frente,  ajudando-os a se manter no comando mesmo com as pressões e o cansaço do dia-a-dia.

E, finalmente mostrar compaixão e carinho afetivo por nossos semelhantes é uma virtude que devemos cultivar em nossos corações.

Da próxima vez, ao ver uma formação de gansos voando, lembre-se

É uma recompensa

Um desafio

E um privilégio ser membro da maior e mais importante equipe do Universo

A HUMANIDADE

Autoria desconhecida

JÚLIA, ARTUR E O JOÃOZINHO

…a professora dava aula  sobre ninguém tem tudo, Júlia levanta o dedo:
– Senhora, meu pai tem tudo:   TV,   telescópio,   DVD,   Mercedes…
– Tudo bem, diz a professora, mas será que tem uma lancha?
Júlia reflete e diz:- Bem, não…
– Viu, não podemos ter tudo.- Professora, disse Artur, meu pai tem tudo:   TV, telescópio, DVD, Mercedes, Lancha,…
– Sim, responde a professora, mas será que tem um avião particular?
Depois de refletir, Artur responde:- Bem, não…
– Está vendo que não se pode ter tudo na vida, disse a professora.
Joãozinho levanta o dedo e diz:- Professora, meu pai,
AGORA, tem tudo…
– Será? disse a professora.
– Certeza, pois sábado passado, quando minha irmã apresentou seu   novo namorado,   negão,    de cabelo loiro   (denominado crilouro),
TORCEDOR DO FLAMENGO,  tatuado,   usando brinco,    de bonezinho virado, cueca aparecendo o rego da bunda … Meu pai disse:
– PUTA QUE PARIU ! … ERA SÓ O QUE ME FALTAVA !

Enviada por Alfredinho

Guerras e guerras

* por Tom Coelho

“Combater a si próprio é a mais dura das guerras, vencer a si próprio é a mais bela das vitórias.” (Friedrich von Logau)

Desde pequeno acostumei-me com a guerra.

Primeiro foi uma guerra para sair do conforto do ventre de minha mãe, onde eu tinha alimento e segurança, num dia que chamaram de parto e depois deram o nome, talvez só para me tapear, de aniversário.

Depois veio uma guerra particular bem interessante que consistia em ficar em pé e aprender a andar.

Lá pelos quatro anos de idade fui apresentado a um verdadeiro arsenal de guerra, formado por bisnagas de plástico, confetes e serpentinas, durante uma festa que atendia pelo nome de Carnaval. Eram guerras bem animadas!

Anos depois, viriam as guerras que guardo com mais carinho na memória. A guerra de almofadas que começava na sala e terminava como guerra de travesseiros no quarto. Foi uma época de desenvolvimento de táticas de guerrilha. Eu me entrincheirava atrás do sofá e espalhava sapatos e chinelos-mina pela sala e corredores.

Trocar a TV, o videogame e as brincadeiras com os colegas pelas tarefas escolares eram uma guerra e tanto. O mesmo para arrumar o quarto, tomar banho e ir dormir cedo.

Então veio uma série de outras guerras. Guerra para ser aceito pelo time de basquete do clube, mesmo sendo baixinho. Guerra para tirar boas notas e se destacar na escola. Guerra para entender as transformações que os hormônios provocavam no corpo. Guerra para criar coragem e convidar aquela garotinha para sair…

:: LEIA MAIS »

ITABUNA / Prefeito eleito se reuniu com dirigentes da Caixa Econômica

O prefeito eleito Claudevane Leite, Vane do Renascer, se reuniu com dirigentes da Superintendência Regional Sul da Caixa Econômica Federal, em Itabuna, para discutir os 22 projetos financiados pelo Governo Federal no município. Um total de 12 contratos vencem no próximo dia 30 de novembro e pelo menos outros 20 necessitarão de prorrogação para que as obras não sofram descontinuidade em 2013.

Prefeito Vane e vice, Wenceslau com dirigentes da CEF

Na oportunidade, os técnicos da CEF informaram que o município recebeu cerca de R$ 102 milhões em investimentos federais nas áreas de saneamento básico, habitação, saúde e esporte, com contrapartida de R$ 4 milhões da prefeitura. O prefeito Vane esteve acompanhado do vice-prefeito eleito Wenceslau Junior, sendo recebido pelos gerentes regionais de Construção Civil, Antonio Almeida; Governo, Euclides Monteiro; Jianeto Jorge; Pessoa Jurídica, dentre outros técnicos da Superintendência.

O prefeito Vane reafirmou aos dirigentes e técnicos da CEF que o município terá administração austera, eficiente e técnica para que os principais compromissos que assumiu sejam executados em benefício da população. “Digo aos senhores que desejamos a Caixa como parceira para que a gestão pública responda às obrigações que tem com a cidadania. Desejamos uma gestão que busque a excelência e é nessa direção que vamos nos empenhar”, disse o prefeito eleito.

Também participaram do encontro Giltânia Menezes, gerente de Desenvolvimento Urbano da CEF; Jianeto Jorge, gerente regional de Pessoa Jurídica; Elizabeth Milagres, coordenadora da área Técnica e Social; os gerentes Antonio Vinicius Alves da Cruz, Pedro Ribeiro; e o coordenador de Desenvolvimento Urbano, Walter Itamar Nuno Campos Junior.

Prefeitura Municipal de Ilhéus


Prefeito de Ilhéus discute com Embasa a ampliação do Abastecimento de água
Ilhéus comemora o Dia Nacional da Cultura com programação gratuita
Ilhéus ganha mais duas academias ao ar Livre
Semifinal do Campeonato de Juerana começa no dia 11

:: LEIA MAIS »

Alfredo Amorim da Silveira em: Contra FOTO não há argumento

HOSPITAL E MATERNIDADE SÃO JOSÉ

Mais uma vez problemas de saúde (genitora) leva-nos a procurar cuidados médicos no nosso eterno Hospital São José.
Falar do Hospital São José é discorrer sobre a história da saúde em nossa cidade.
A importância e o trabalho que este hospital tem na comunidade ilheense e arredores, deve ser encarado como um assunto de alta relevância e respeito.
Fico profundamente triste ao presenciar e vivenciar o estado em que se encontra o glorioso São José, outrora uma referência em assistência hospitalar.
Realmente a estrutura físico/médica/assistencial necessita de urgentes intervenções, um choque de gestão mais eficaz.
Não é admissível que não se encontre uma solução para os graves problemas porque passa o nosso hospital maior e sua maternidade. (salários atrasados, funcionários desmotivados, UTI fechada, reclamações por todos os lados).
O quadro atual não é o mais indicado para o pleno funcionamento de uma casa de saúde que por tantos anos foi um destaque na vida dos ilheenses.
Levantar os problemas existentes requer a criação de um grupo de trabalho envolvendo os governos estadual e municipal, a câmara de vereadores, o MP e de pessoas da comunidade com o intuito de achar meios e saída honrosa para recuperar o hospital São José e resgatar o prestígio outrora vivido por essa casa de saúde.
Jeito existe, falta apenas encontrar um caminho que leve adequar o hospital a um novo contexto em administração hospitalar.
Nesta tarde de quarta-feira tive uma grata surpresa ao presenciar a visita do vereador eleito RAFAEL BENEVIDES,acompanhado por um grupo de funcionários do Banco de Sangue, recolhendo informações e dados sobre o estado atual de funcionamento do Hospital São José.
Aproveitei a oportunidade para incentivar o nosso edil a abraçar esta causa nobre, juntamente com seus pares, apostando na recuperação imediata do São José.
A cartilha lida por todos os políticos durante a campanha sempre foi: saúde/educação/segurança.
Portanto, a partir de janeiro quando vão ser empossados o novo prefeito e os dezenove vereadores, é o momento oportuno e essencial da cartilha não apenas ser lida, mas ser colocada efetivamente em prática.
A causa do Hospital São José deve ficar além dos interesses dos partidos e coligações, a presente situação é grave e requer cuidados eficazes.
De minha parte vou ficar atento e vigilante nas promessas feitas.
Com trabalho sério e dedicação o Hospital São José voltará a assumir o seu lugar de compromisso com a saúde do povo de Ilhéus.
ZÉCARLOS JUNIOR





















WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia