Caminhando pelas ruas de Ilhéus, ouvi um zumbido muito obstinado e teimoso, olhei e era a abelhinha que tenho encontrado quando passo pelas ruas da minha querida cidade. Disse que queria relatar muitas mazelas criadas pelos homens políticos que administram a Princesa do Sul. Apressado e com pouco tempo disse que a ela deixasse para outro dia. A danada me seguro pelo braço e não tive outra escolha, foi logo contando o que tinha vista no seu cotidiano, aquilo que se faz ou sucede todos os dias numa comunidade.
Iniciou dizendo que como é difícil viver numa comunidade de gente com espírito de porco! Falou que passando pela porta de um frigorífico/açougue na rua Tiradentes, uma senhora classe média para alta, reclamava a um preposto do açougue, sobre o estacionamento diário de um caminhão de carroceria de madeira, ali parado e carregado de osso de animal bovino, ao céu aberto. E ela morando nas proximidades, não agüentava mais o odor aterrorizante, e quando o sol começava a esquentar misericórdia! O preposto apenas disse: fecha a porta e a janela da sua casa! Só faltou exigir que ela mudasse de residência ou fosse morar em outra cidade. Imagine a confusão que deu, ele estragou o dia da senhora que estava indo para seu trabalho. Essa cena todos os dias têm a mesma projeção, exatamente das 06h:30min em diante, no mesmo local.
Querendo seguir adiante, ela me puxou novamente pelo braço e pediu mais um tempo e disse: pelo amor de Deus, além da cidade estar completamente suja, lixo por todos os bairros, esgotos entupidos em alguns locais e outros correndo ao céu aberto, asfalto cheio de buracos enormes, as ruas da cidade faltando recolher e varrer os destroços espalhados pelo chão, ela finalmente respirou e depois me perguntou se o lixo faz bem ou mal? Você sabe o que é reciclagem? E preciclagem? Achei que a abelhinha estava ficando maluca.
E ela lamentando, saiu falando que as pessoas que administram Ilhéus, talvez usem viseiras, obrigando-as a olhar unicamente para frente e cuidam somente dos seus próprios benefícios. Criticou a falta de um setor na Prefeitura que organizasse uma reciclagem de lixo, e quem sabe, melhoria as condições higiene e saneamento básico da nossa população. Ou acabamos com o lixo ou lixo acaba com a gente. Aí, achei que ela estava falando demais, e exigindo esse grau de visão e compreensão dos gurus que regem os destinos em Ilhéus, e foi pedir muito.