Prezados

ao ler essa matéria, confesso ter sentido um misto de frustração, revolta, desilusão, impotência e pavor, não por mim, que estou com 63 anos, mas pelas futuras gerações. Conscientizem-se de que estamos alimentando esse faminto dragão que esteve adormecido por longos anos e, agora, acordado, está vindo a passos largos a nosso encontro.

Se o Brasil, grande exportador de comodities, não implementar projetos para exportação de produtos manufaturados, corre sério risco de ficar refém desse dragão, juntamente com outros países.

Nossas futuras gerações devem estar preparadas para conter esse risco. É nossa responsabilidade adverti-las e prepará-las.

Repito: fiquei apavorado.

JUVENTINO RIBEIRO
Ilhéus-BA