Dentre os inúmeros adjetivos que hoje não pode-se aceitar para Ilhéus é que a mesma é uma cidade turística. Como pode uma cidade que se diz turística, em pleno dezembro, não contar com nenhuma iluminação e ornamentação para as festas de fim de ano? Se não fosse a iniciativa privada de um supermercado em iluminar a praça Cairú, talvez nem saberíamos que estamos prestes a comemorar o aniversário de Jesus.

Mas é claro que os entendidos e acomodados cidadãos dirão: “pois, num tão pagando os funcionários, que dirá fazer ornamentação para festa de fim de ano”. Tem razão, é óbvio. Mas a quanto tempo estamos esperando por um “NADA”.

Acorda ilheense. A CULPA TAMBÉM É SUA DESSA ESCULHAMBAÇÃO.


Glauber Barboza Fonseca