Caminhada

Em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, ontem, 18 de maio, a Prefeitura de Ilhéus, por intermédio da secretaria municipal de Desenvolvimento Social, e a Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Vereadores, realizaram uma caminhada pelo enfrentamento a violência infanto-juvenil.

A caminhada teve concentração na Praça Castro Alves (Praça da Irene), na avenida Soares Lopes, às 15h, e percorreu as principais ruas do centro da cidade. Faixas e cartazes foram confeccionados para chamar atenção e alertar a população para o drama vivenciado por muitos jovens e adolescentes.

O movimento teve participação dos servidores do Centro de Referência Assistência Social (CRAS) Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA), da Defensoria Pública, Conselheiros Tutelares, representantes da Associação de Ministros Evangélicos de Ilhéus (AMEI) e da Igreja Assembleia de Deus.

Soane Galvão, primeira-dama de Ilhéus e secretária de Desenvolvimento Social, destaca que muitos menores sofrem algum tipo de violência sem sequer ter conhecimento do que, e fato, está acontecendo. “A proteção dos direitos é um dever da família, do responsável. Tem que ter atenção, cuidado, muitas vezes a violência está acontecendo, mas o menor por não entender a situação, não fala pra ninguém”, ressaltou.

O vereador Pastor Matos, membro da Comissão dos Direitos Humanos, ressalta que, em Ilhéus existem muitos casos de abuso e exploração sexual. “Precisamos dar atenção para essa situação. Os casos existem, informar e sensibilizar a população em geral são a melhor forma de combater”, afirmou.

Abuso e exploração sexual é crime – A violência sexual pode ocorrer de duas formas distintas. Abuso sexual é qualquer forma de contato e interação sexual entre um adulto e uma criança ou adolescente, em que o adulto, que possui uma posição de autoridade ou poder, utiliza-se dessa condição para sua própria estimulação sexual, da criança ou adolescente, ou ainda de terceiros, podendo ocorrer com ou sem contato físico.

Já a exploração se caracteriza pela utilização sexual de crianças e adolescentes com a intenção de lucro, seja financeiro ou de qualquer outra espécie. São quatro formas em que ocorre a exploração sexual: em redes de prostituição, pornografia, redes de tráfico e turismo sexual.

Denuncie – Caso suspeite de alguma situação de abuso ou violência sexual, Disque 100 ou Conselho Tutelar do município. O serviço funciona diariamente de 8h às 22h, inclusive aos finais de semana e feriados. As denúncias são anônimas e podem ser feitas de qualquer lugar por meio de discagem direta e gratuita.

Os riscos da internet – Com a generalização do acesso à internet por meio de smartphones e computadores, as pessoas passaram a se comunicar mais facilmente e trocar uma quantidade muito maior de informações. Isso também resultou em maiores perigos: crianças e adolescentes que têm acesso à internet podem ter contato, especialmente pelas redes sociais, com abusadores sem imaginar os riscos que correm.

Dia Nacional de Enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes – A escolha do dia 18 de maio se deu porque no ano de 1973, em Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o País e ficou conhecido como o “Crime Araceli”. Esse era o nome de uma menina de 8 anos de idade, que foi raptada, violentada, morta e carbonizada por jovens da classe média-alta. Esse crime, apesar de sua natureza hedionda, prescreveu impune. A data ficou instituída como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes” a partir da aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000.