O Superintendente de Esportes de Ilhéus faz um apelo aos pais que inscrevam seus filhos no Projeto Viva Volei. Segundo Aberto Kruschewsky, existem ainda 70 vagas não preenchidas para que crianças de 07 a 14 anos possam frequentar escolinha de voleibol com instrutores e material esportivo. “O Projeto Viva Volei, criado e mantido pela Confederação Brasileira de Voleibol em parceria com a Empresa Queiroz Galvão, é uma conquista importante do Governo Newton Lima. No início da década passada o material chegou a ser enviado a Ilhéus, mas não chegou a ser utilizado e ninguém sabe o destino. Agora, implantamos o projeto no Ginásio de Esportes e pretendemos conversar com os patrocinadores para criar algumas ações itinerantes em outros bairros. É importante, entretanto, que as turmas atuais sejam preenchidas”, disse Alberto. “As inscrições acontecem no próprio Ginásio, nas quartas e sextas pela manhã e tarde, momento em que as atividades acontecem”, completou.

O Viva Volei é a “menina dos olhos” da Confederação Brasileira de Futebol, que recentemente enviou representante para acompanhar as atividades em Ilhéus. Além do local para treinar, as crianças usam coletes, bolas próprias para a idade, rede adaptada e têm um professor de Educação Física, Assistente Social e estagiários à disposição. José da Fonseca Filho, o “Idy”, Professor coordenador do Projeto em Ilhéus, diz que o Viva Volei, além da sua função social, uma vez que estimula a acessibilidade ao esporte, é um pilar importante na renovação das nossas equipes da modalidade, principalmente a Seleção Brasileira. “Proporcionar a iniciação ao voleibol para crianças em diversos núcleos é criar o ambiente ideal para formação de cidadãos e também de novos atletas. Estamos aqui para acolher seu filho!”, disse Idy.
Mais informações sobre o “Viva Volei”:

http://www.cbv.com.br/v1/vivavolei/vivavolei.asp