Desde minha tenra idade ouvia falar sobre o comunismo através de meu pai, o qual por ser operário tinha essa ideia teórica na cabeça. Ele se iludia que no tal comunismo as pessoas tinham os mesmos direitos de se vestir, alimentar e até de residir em uma casa padrão. Também falava de tal reforma agraria que nunca saiu do papel. Os amigos de meu pai eram todos do mesmo partido, pensavam da mesma forma e passavam adiante. Contudo mesmo ainda criança observava que os “amigos” do meu pai eram ricos trabalhavam como Funcionários do Banco do Brasil, Estrada de Ferro de Ilhéus, Delegacia de terras, Lideres de Sindicatos, Petrobras, Correios e Telégrafos, entre outras repartições do governo. Todos esses “comunistas” viviam em casas luxuosas, bebiam e comiam do melhor, enquanto os colegas de meu pai que eram funileiros, sapateiros, pedreiros, carpinteiros, entre outras profissões viviam numa perrengue danada para sobreviver. Eu nunca soube que os “comunistas” ricos tivessem ajudado aos comunistas operários. Tudo era uma farsa, teoria, mentiras e safadezas. “Com bina tudo combina”, era uma frase de um ferroviário comunista candidato a vereador em Ilhéus.

Tempos passaram veio a intervenção militar, que os comunistas chamam de “revolução” e tomou as devidas providencias que esta registrada nos anais da historia do Brasil, com suas conquistas e realizações.

Adiante, a cortina de ferro da União Soviética desabou e vimos ao vivo e a cores a realidade do comunismo fracassado; o povo passando fome, perseguição, invasão de muitos países e enfim um verdadeiro caos de ideologia de governo.

Pobre do meu pai morreu iludido na esperança de um dia ser igual aos seus colegas de partido, porém morreu tranquilo pois não viu a mentira dessa falsa ideologia de poder.

Meu pai quando vivo e ainda jovem, deixou de aceitar o convite de ser musico da Banda de Musica da Policia Militar, pois não aceitava vestir a farda verde e amarela do Brasil, pois ele achava que não era adequado para um comunista aceitar tal convite. Coitado do meu pai, a maioria dos

colegas músicos da Filarmônica Santa Cecilia aderiram o convite e somente ele com a ideia do tal “comunismo” preferiu continuar operário fazendo bicas ou seja sendo funileiro.

Hoje vejo esse tal comunismo arquitetando outras formas de iludir as pessoas, dizendo ser o pai dos pobres, oferecendo migalhas para um povo tão sofrido. Pois o que se dá aos pobres hoje, há muito tempo, antes da intervenção militar, já existia o BNH e outras instituições que davam oportunidade aos mais fracos adquirir sua casa ou apartamento. Já existia incentivo ao estudante financiando seus estudos e inclusive com manutenção financeira, eu fui um dos beneficiários. Evidentemente outros governos vieram ampliando tais benéficos e facilitando as burocracias existentes. Na verdade governo nenhum dar nada a ninguém, eles utilizam recursos do FGTS, BNDS, Jogos da Caixa, entre outros recursos e jogam o dinheiro no mercado, que matematicamente voltarão através de impostos na base de 60%. O povo continua iludido pensando que foi alguém quem deu, e é chamado “ pai dos pobres” Ledo engano.

Estamos diante de uma decisão eleitoral muito séria no nosso Brasil, é necessário que tenhamos consciência que agora é tudo ou nada. O Brasil está no fundo do poço em todos aspectos pois destruíram tudo que tínhamos de mais sagrado: Família, Religião, Caráter, Respeito, Ética, Patriotismo, Civismo, Obediência, Amor a família, Amor a Pátria, etc.

Vamos reconstruir um novo Brasil, para que os que vierem amanhã encontre uma nação com o mesmo Lema: Ordem e Progresso.

Viva o Brasil!

Colaboração de Luiz Castro

Brasileiro com muito orgulho, Ilheense de coração, Católico, Casado, Maçom Servidor da Ordem e da Pátria e Bacharel Administração de Empresa.