Órgão vai propor ações educativas para conscientizar a comunidade acerca da economia de água

Há oito meses sem registrar chuvas consideráveis nos mananciais que mantêm os reservatórios responsáveis pelo abastecimento de água da cidade de Ilhéus, a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), vinculada ao Governo da Bahia, anunciou que inicia, a partir desta segunda-feira, 18, um rodizio no fornecimento para uma parcela da zona urbana. Para expor as causas e medidas que estão sendo tomadas em relação ao problema, o chefe do escritório local da Embasa, José Lavigne, foi convocado pelo Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Condema) para reunião extraordinária realizada na última sexta-feira, 15, no salão nobre do Palácio Paranaguá.

Conduzido pelo vice-presidente do Condema, Isaac Albagli, que representa o Instituto Geográfico e Histórico de Ilhéus, o encontro atendeu ao pedido do conselheiro Diran Filho, representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sub-secção local. Na oportunidade, José Lavigne explicou que a falta de chuva tem sido motivo de preocupação da Embasa e da Prefeitura desde o fim do ano passado. “Apesar de termos reservatórios de água consistentes e não haver, ainda, desabastecimento, sempre tivemos a consciência de que as medidas preventivas são as mais adequadas para esse momento”.

A estimativa da Embasa é de que só volte a chover consideravelmente ao fim do primeiro semestre. Questionado pelos conselheiros, Lavigne informou que a principal reserva do município, localizada no Iguape, zona norte, caminha para um nível pouco seguro, o que garante o fornecimento por cerca de 60 dias. Por isso, está sendo feita captação, para abastecer alguns pontos da cidade, do Rio Santana, poupando as águas da represa principal.

Além desse remanejamento, foram iniciados rodízios em bairros localizados nas partes altas, como a Conquista, e em locais distantes das estações, como Salobrinho, Banco da Vitória, Condomínios Morada do Porto e do Bosque, e a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). O chefe local da Embasa, José Lavigne, explicou que em cada dia haverá fornecimento em uma dessas localidades.

O conselheiro Fernando Ribeiro, técnico da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) e representante da Fundação Pau-Brasil, elogiou a postura do Condema e ressaltou que “o trabalho preventivo da Embasa e da Prefeitura são importantes, já que à medida que não chove, os reservatórios diminuem e é necessária uma conscientização da comunidade para economizar água e evitar que o cenário piore”.

Educação – Os representantes do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Condema) acordaram que, durante a próxima reunião serão definidas estratégias para levar à comunidade informações e métodos para a economia de água. Segundo o secretário Isaac Albagli, essa medida é importante, “principalmente porque o ilheense não está acostumado a vivenciar dificuldades desse tipo, já que sempre tivemos uma abundância muito grande desse bem natural. Agora, infelizmente, vai ser necessário conscientizar nossa população pra esse novo momento”.